A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 28 de Junho de 2017

09/09/2011 14:48

Violência por quê? uma questão social

Por Flávio Katumi Mishikawa (*)

Assunto violência vem à tona: é algo preocupante. Instiga-nos. Faz-nos querer saber o porquê de tudo isso. O assunto se fomenta por situações reais, que ocorrem muitas vezes tão perto de nós. Situações atuais, e para as quais se pede uma pronta resposta.

Nos últimos dias alguns comerciantes, representantes da comunidade, colocaram outdoors com os seguintes dizeres: “Fui mais uma vítima de assalto a mão armada em Nova Andradina. O que está acontecendo?”.

Sobre os acontecimentos que suscitaram tal questionamento, sinto-me no dever de, como comandante do Batalhão policial militar, responsável pela região do Vale do Ivinhema, da qual Nova Andradina faz parte, buscar refletir, E AGIR, sobre a condição adversa por que passou nossa cidade. E levantar alguns porquês de isso ter acontecido.

Mas para saber os porquês devemos, após fazer análises focadas em imediatas causas e soluções, imergir na busca de raízes, que evocam mais razões que fazem com que o tema violência não seja apenas uma fase, mas um ambiente pelo qual todo o mundo vê, e lamenta, verdadeiras guerras, entre “bons e maus”, “policiais e bandidos”, forças armadas e traficantes, “o homem e o seu próximo”, que amedrontam o ser social, e faz com que todos nós queiramos justiça, paz, e os valores idealizados em nossa lei.

Após diligências e análises estatísticas que nos fizeram relacionar o aumento de roubos e furtos a, especialmente, evadidos/internos da cadeia pública de nova Andradina; e após o cancelamento das folgas dos policiais militares, e o esforço dobrado no fito de manter a ordem, restabelecer a segurança e amenizar o impacto da afronta sofrida pela sociedade, em decorrência de ações criminosas, pelas quais a PM entrou em operação e despendeu inúmeros esforços, que têm resultado em diminuição de índices de ações delituosas, apreensão de armas, drogas, e prisões de criminosos;

e, após o planejamento operacional que tem feito a polícia militar e outros órgãos, como a polícia civil, manter as ações que visam a segurança da população, cabe, ainda, o mesmo questionamento: o que está acontecendo?

Aumentar o efetivo policial está entre as soluções, políticas públicas de combate ao crime também.

A educação, que mesmo que em longo prazo, muda a história de estados e nações, obviamente também está, mas, o que está acontecendo é ainda é um problema.

O problema da incerteza que assola expectativas para o amanhã. Afinal, estaremos seguros? A polícia não é onipresente! E o jovem que ingere bebida alcoólica e consegue sair com o carro do pai? Ainda que a polícia o aborde, ele pode ter andado algumas quadras e colocar em risco nossas vidas? E o usuário que, repentinamente, é capaz de fazer tudo por um pouco de dinheiro para alimentar o vício?

Acredito que mais que políticas públicas, mais que filantropia, mais do que aumento no número de efetivo policial, e mais que tantas outras razões ou aparentes soluções que todos nós conhecemos, mas pelas quais nem todos nós lutamos, somos nós, todos, que devemos mudar.

Se o homem é o “lobo do homem” como afirmou Thomas Hobbes e se em Rousseau afirmamos que o homem natural é bom, o homem é um ser demasiadamente complexo para simplificarmos todas razões de seus desvios de conduta e dos fenômenos da sociedade por ele formada.

O que se vê é que frutos bons e maus nascem das menores sementes da sociedade: as famílias.

“O que está acontecendo” é um problema que envolve a estrutura do corpo social. Um problema complexo, que começa no elementar: onde estão os princípios, as regras, a ordem?

Uma casa mal estruturada pode parecer ser apenas um detalhe em uma cidade como Nova Andradina. Mas a casa reflete no mundo todo. O retrato da casa atual é o retrato da sociedade contemporânea. São poucas as famílias em que os filhos obedecem às regras. São muitos que ignoram as leis. São poucas as famílias que ouvem as notícias e fazem alguma coisa a respeito da injustiça.

São muitos os que, diante do sofrimento e agonia alheios, são indiferentes, pois o seu próprio meio ou espaço são aparentemente inalcançados por problemas. São poucos os que temem a Deus. E que família hoje aprecia o ensino pelas coisas espirituais?

Que família há em que os pais usam cinto de segurança, dando exemplo a seus filhos de como prevenir-se das possíveis tragédias decorrentes de um acidente de trânsito? Serão muitas as famílias cujo retrato deva ser multiplicado como modelo social?

Todas estas questões surgem de um “simples” questionamento: o que está acontecendo? Realmente estas questões devem aparecer. Não só em outdoors, mas em cada pensamento.

Espero que, ao lermos pensamentos, possamos ser atingidos com um impacto maior que o de um tiro de um fuzil. Que isso possa nos fazer pensar, refletir e mudar muita coisa. A começar por nós mesmos.

O que está acontecendo é também uma necessidade de mudar a mentalidade de muita gente. Mudar o pensar: pensar que o errado é certo; que o mau é bom; que alguém é melhor que alguém e, portanto, mais detentor de direitos.

Devo pensar que EU posso mudar, e assim, contribuir para uma sociedade DE FATO justa, altruísta, ordeira. E, parafraseando o Apóstolo Paulo, em sua carta aos romanos, que sejamos transformados, e pela renovação de nossa mente, para entendermos qual será a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.

(*) Flávio Katumi Mishikawa é tenente-coronel, comandante do 8º Batalhão da Polícia Militar de Nova Andradina (MS).

Nova lei que autoriza desconto em pagamento em dinheiro traz mais segurança
Foi sancionada no último dia 26 de junho a lei que possibilita descontos para os consumidores caso o pagamento seja feito em dinheiro vivo, e não em ...
Sucesso do Cliente: hein?
Head de Sucesso do Cliente. Sim, trata-se de uma nova função. Talvez por ser um modelo recém-chegado ao Brasil e ainda pouco difundido em outros segm...
5 características dos grandes líderes que beneficiam suas equipes
Ter habilidade de liderança empresarial é um fator muito importante para que os chefes de equipe consigam guiar seus profissionais, para que eles se ...
Da imensidão dos universos
Quando começamos a pensar sobre a imensidão dos universos nos deparamos com a sabedoria de Deus, que é inescrutável, imensa, soberana, infinita. Que ...



Olá,eu gostei muito do artigo pois me ajudou muito!
Bom eu trabalho com a juventude, vejo que morrem muitos jovens em nosso meio social com faixa de idade entre 15 e 30 por causa da violência,que hoje e sempre e um cançer no meio da sociedade ``CULPA DE QUEM?´´.
Não sei,podemos achar várias respostas onde onde começa o grande fio da ``Violência´´,só sei que os quem são atigidos e juventude.....
 
Adriano Torres em 26/11/2011 10:08:30
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions