ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, SEXTA  28    CAMPO GRANDE 29º

Cidades

Com 40 mil adolescentes sem tomar 1ª dose, MS vacina hoje em escolas

Escolas estaduais foram usadas como ponto de imunização, para incentivar alunos de todas as redes a se vacinar

Por Guilherme Correia e Cleber Gellio | 07/12/2021 09:57
Estudante é vacinada contra a covid-19 na Escola Estadual Joaquim Murtinho, nesta manhã. (Foto: Marcos Maluf)
Estudante é vacinada contra a covid-19 na Escola Estadual Joaquim Murtinho, nesta manhã. (Foto: Marcos Maluf)

Nesta terça-feira (7), o governo do Estado pôs em prática o Dia D da campanha de incentivo à vacinação contra a covid-19 de crianças e adolescentes. A ação transformou 82 escolas vinculadas à Rede Estadual de Ensino em pontos temporários de imunização e também transportou alunos para esses locais.

Conforme a SES (Secretaria Estadual de Saúde), ao menos 40 mil indivíduos, de 12 a 17 anos, não buscaram nem o primeiro imunizante anticovid. Considerando o total do público apto, cerca de 26% ainda não iniciou o ciclo vacinal e 45% não o completou - isto é, não tomou a segunda dose.

Dados do Ministério da Saúde, levantados pela reportagem nesta manhã, indicam que houve uma redução na procura por doses, primeira ou segunda, neste público, com o passar dos meses, desde que a vacinação foi ampliada para os menores.

No Brasil, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) só permite doses da Pfizer em jovens. Elas são aplicadas em duas doses, que devem cumprir intervalo mínimo de 21 dias.

Campanha - Com o slogan “adolescente inteligente confia na vacina”, a mobilização foi feita pelas secretarias estaduais de Saúde e Educação, junto com as respectivas pastas municipais.

Em Campo Grande, a ação aconteceu nas escolas estaduais Joaquim Murtinho, Lino Villachá e Waldemir Barros da Silva. Elas ficam, respectivamente, no Centro, no Nova Lima e nas Moreninhas, e ficam abertas das 7h às 17h. A em região central, contudo, estará disponível até as 20h.

Vacinação de adolescentes, em Campo Grande, aconteceu em três escolas estaduais nesta manhã. (Foto: Marcos Maluf)
Vacinação de adolescentes, em Campo Grande, aconteceu em três escolas estaduais nesta manhã. (Foto: Marcos Maluf)

No interior, Ponta Porã teve duas unidades de ensino - a Joaquim Murtinho, na área urbana, e a Itamaraty, em assentamento homônimo. Além disso, as demais cidades tiveram, cada, uma escola estadual que serviu de ponto para vacinação - confira a relação completa aqui.

Segundo a SED (Secretaria Estadual de Educação), até ontem, havia 2 mil autorizações de deslocamento e de vacinação, por parte dos pais ou responsáveis. Ainda que este seja o dado oficial sobre quantos estudantes serão contemplados pela busca ativa, a vacinação é aberta para jovens em geral e, até o fim do dia, o índice poderá crescer. Ao todo, há 240 mil adolescentes desta faixa etária em Mato Grosso do Sul.

Caso estejam desacompanhados, é preciso levar autorização feita pelos pais ou responsáveis, disponibilizados pelas escolas. Além disso, é preciso documento de identificação, CPF (Cadastro de Pessoas Físicas) ou CNS (Cartão Nacional de Saúde).

Jovens precisam de autorização dos pais ou responsáveis para receber a vacina da covid. (Foto: Marcos Maluf)
Jovens precisam de autorização dos pais ou responsáveis para receber a vacina da covid. (Foto: Marcos Maluf)

Busca ativa - A estudante do oitavo ano da Escola Estadual João Carlos Flores, no Bairro Rita Vieira, Thaynara Pereira, de 14 anos, veio acompanhada de uma professora para receber a primeira dose. Ela acredita que a vacina seja muito importante para a proteção, ainda mais por que a avó morreu, suspeita de coronavírus, e pede que outros jovens também busquem o imunizante.

“Não tomei antes porque eu fiquei gripada e tive que esperar os 15 dias, mas assim que passou, fiquei sabendo que a escola iria levar para vacinar, e aproveitei”, explica.

Estudante de terceiro ano do Ensino Médio na própria Joaquim Murtinho, Dunia Melhem, foi receber a segunda dose e entende que é fundamental a vacinação dos jovens. “Falta muita gente para se vacinar e se essas pessoas não se vacinarem o mais rápido possível, o próximo ano pode piorar”.

Em parceria com a Agetran (Agência Municipal de Trânsito), foi organizado o deslocamento dos estudantes para os pontos de imunização. A escala se baseou no local de residência de cada um, a fim de fornecer transporte para os sem vacina.

Agetran contribuiu para organização do deslocamento. Estudantes foram levados, de ônibus, para as escolas.(Foto: Marcos Maluf)
Agetran contribuiu para organização do deslocamento. Estudantes foram levados, de ônibus, para as escolas.(Foto: Marcos Maluf)

As aulas de hoje não foram suspensas e os estudantes, após a aplicação, retornam para as salas e seguem as atividades letivas normalmente. Quem estuda na rede particular e municipal também pode receber a vacina nesses locais, que também aplicam doses em servidores da educação e no público em geral.

A agente de limpeza Cristina Lobo, de 47 anos, trabalha na Escola Silvio de Oliveira, no Bairro Aero Rancho, e aproveitou para ir até a Joaquim Murtinho receber a terceira dose. Ela veio junto a uma turma de alunos, com dois adultos. "Ainda não tinha tomado a minha terceira dose. Quando fiquei sabendo que a escola iria levar os alunos, também aproveitamos e embarcamos junto".

Funcionária de outra escola estadual foi até a Joaquim Murtinho, nesta manhã, tomar o reforço anticovid. (Foto: Cleber Gellio)
Funcionária de outra escola estadual foi até a Joaquim Murtinho, nesta manhã, tomar o reforço anticovid. (Foto: Cleber Gellio)

Obrigação - Ao Campo Grande News, a secretária estadual de Educação, Maria Cecília Motta, explica que as escolas trabalham o tema de vacinação com alunos desde 29 de novembro, como forma de conscientização. “É na escola, que a gente trabalha a questão de ciência e tomadas de atitudes”.

“É na escola, também, que a gente faz essa conscientização, baseando-se na verdade e na evidência. Por isso, encaminhamos a todas as escolas orientações para trabalhar por áreas de conhecimento. Porque o conhecimento que eles adquirem na escola, eles levam para casa, sobre o que estudaram e os reflexos da pandemia”.

Campanha visa incentivar jovens a estarem protegidos contra o coronavírus. (Foto: Marcos Maluf)
Campanha visa incentivar jovens a estarem protegidos contra o coronavírus. (Foto: Marcos Maluf)

Questionada sobre a exigência de vacinação aos estudantes, para o ano letivo de 2022, Motta descartou, por ora, a regra. Segundo ela, se escolas obrigarem a vacinação, outros estabelecimentos teriam de fazer o mesmo.

Segundo o secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende, cerca 84% deste público tomou a primeira dose e 55% receberam a segunda. Em outras palavras, há 40 mil sem o primeiro imunizante, segundo ele, e 130 mil que não vieram pelo reforço. “Por isso, é importante essa conscientização. Porque agora, está se  aproximando o período de férias. Estudantes que quando viajam, podem ser possíveis veiculadores do vírus a seus familiares”.

Confira a galeria de imagens:

  • Ação visa mostrar os benefícios da vacinação contra o coronavírus. (Foto: Marcos Maluf)
  • Alunos precisam de autorização dos pais para se vacinar, caso estejam desacompanhados. (Foto: Marcos Maluf)
  • Somente doses da Pfizer são permitidas a jovens, de 12 a 17 anos, no Brasil. (Foto: Marcos Maluf)
  • Aluno organiza documentação para apresentar aos vacinadores. É preciso documento oficial de identificação. (Foto: Marcos Maluf)
  • Ao menos 40 mil adolescentes não tomaram nem a primeira dose no Estado. (Foto: Marcos Maluf)
  • Alunos foram até as escolas tomar a vacina e depois retornaram para as aulas. (Foto: Marcos Maluf)
  • Ponto de higienização das mãos com álcool em gel, recomendado para prevenção básica, em escola estadual. (Foto: Marcos Maluf)
Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário