ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, QUINTA  23    CAMPO GRANDE 25º

Cidades

Com casos em alta, infectologista alerta que dengue pode gerar outras doenças

Dengue pode levar a quadros como hepatite e até mesmo complicações em doenças como diabetes e hipertensão

Por Mylena Fraiha | 15/02/2024 18:42
Mosquito Aedes aegypti, vetor responsável pela transmissão da dengue (Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)
Mosquito Aedes aegypti, vetor responsável pela transmissão da dengue (Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

Com o aumento nos casos de dengue em Mato Grosso do Sul, infectologistas alertam que casos graves da doença podem levar a quadros como hepatite e até mesmo complicações em doenças pré-existentes, como diabetes e hipertensão arterial.

Importante ressaltar que nesta quinta-feira (15), o alerta de alto incidência de dengue aumentou para dez municípios de Mato Grosso do Sul, conforme dados do Boletim Epidemiológico divulgado pela SES (Secretaria Estadual de Saúde), nesta quinta-feira (15). Há uma semana eram apenas seis cidades no vermelho.

Chapadão do Sul é a cidade que acumula mais casos, registrando 143; em seguida está Costa Rica com 82; e Dourados com 45. Em Campo Grande tiveram 18 registros.

De acordo com a médica infectologista Mariana Croda, a dengue, apesar de ser comum e já conhecida pela população, pode ser altamente debilitante em sua forma aguda. Segundo ela, a pessoa pode ficar incapacitada de realizar tarefas simples do dia a dia e gerar complicações graves.

“A pessoa não consegue cumprir suas atividades, seja no trabalho, seja na escola, e permanece ainda um período prolongado de convalescença até a recuperação completa. Uma parte desses pacientes pode ter complicações graves, como sangramento, pressão baixa e outras adversidades”, explica a médica infectologista.

Mariana explica que, em alguns casos, a dengue pode complicar quadros médicos preexistentes. “Pode complicar doenças como diabetes, hipertensão arterial, problemas de coagulação, e também causar complicações como hepatite, alterações respiratórias, cardiovasculares e até neurológicas”.

Prevenção - Diante desse aumento de casos, a infectologista explica que uma conjunção de fatores, como a proliferação do mosquito Aedes aegypti e condições climáticas favoráveis, tem contribuído para o aumento dos casos em Mato Grosso do Sul e em outras regiões do país.

Segundo Mariana, a receita segue a mesma: combate ao mosquito Aedes aegypti, o vetor da doença. “O combate à doença é feito de várias formas, uma delas é controlando o vetor, que é um papel muito importante individual de cada um”.

Atualmente, a população também pode contar com a vacina QDenga, desenvolvida pela farmacêutica japonesa Takeda. O imunizante foi aprovado pela Anvisa em março de 2023 e disponibilizado para venda em julho do mesmo ano. Sua eficácia global contra infecção é de 60% a 80%, enquanto a eficácia contra formas graves é de 85% a 90%.

“Agora, temos outra modalidade de prevenção, que é a vacina. Temos muita esperança de que este seja um ano com menos complicações e óbitos pela doença, justamente devido à introdução dessa nova vacina”, explica Mariana.

Em Mato Grosso do Sul, 76 municípios receberam 69.570 doses da Qdenga no último sábado (10). Os únicos que ficaram de fora são Ladário e Corumbá, que estão com média incidência para a doença. Dourados também não vai receber pois deu início ao projeto.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias