ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SEXTA  18    CAMPO GRANDE 31º

Cidades

Dona da casa onde família fez festa em Brasilândia, Marilda morre de covid-19

Idosa é a 16ª pessoa que morre após ser infectada com o coronavírus em Mato Grosso do Sul

Por Anahi Zurutuza | 18/05/2020 07:04
Marilda Reis morreu aos 70 anos da covid-19 (Foto: Arquivo de família/Perfil News)
Marilda Reis morreu aos 70 anos da covid-19 (Foto: Arquivo de família/Perfil News)

Dona da casa onde família se reuniu no feriado do dia 1º de maio e a primeira a ser diagnosticada com a covid-19 em Brasilândia, Marilda Reis, de 70 anos, é a 16ª pessoa que morre após ser infectada com o coronavírus em Mato Grosso do Sul. O genro dela André Cardamone Junior, 57 anos, morreu no dia 13, o 13º óbito constatado no Estado.

Marilda estava internada no Hospital Nossa Senhora Auxiliadora, em Três Lagoas. Segundo o prefeito de Brasilândia, Antônio de Pádua (MDB), até sábado, a paciente tinha quadro estável. “Tinha o comprometimento pulmonar, mas as demais funções orgânicas estavam boas. Ela teve uma piora e não resistiu”, detalhou.

A idosa morreu por volta das 20h30 desse domingo (17). O sepultamento foi na noite de ontem mesmo, no Cemitério Campo Santo. Só um familiar foi até o local para a despedida.

Na cidade, até agora, são 15 casos confirmados, a maior parte deles, pelo menos 12, pertence a mesma família e participaram da festa no dia 1º ou tiveram contato com participantes. Segundo o prefeito, a quarentena dos diagnosticados termina na próxima quarta-feira (20).

O chefe do Executivo de Brasilândia decretou o uso obrigatório de máscaras, mas não vê necessidade de endurecer as medidas restritivas por enquanto. “Não vejo necessidade, todos os nossos casos são do mesmo núcleo familiar e tem mais de 5 dias que estamos sem casos novos. Acredito que as pessoas estejam respeitando o isolamento, o que contribui muito para a gente conseguir controlar a doença”.

Mato Grosso do Sul registrou aumento de 62 pessoas no rol de infectados nesse domingo e nesta segunda-feira (18), segundo o secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, há pelo menos mais 43 confirmações. Até ontem, eram 570 positivos para a doença, número que deve passar de 600 hoje, quando a secretaria divulgar o boletim epidemiológico logo mais, às 10h30.