ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, DOMINGO  23    CAMPO GRANDE 22º

Cidades

Em MS, 140 fazendas vão passar pela queima prescrita de combate a incêndios

Estado mapeou propriedades classificadas como área crítica de risco de incêndio no Pantanal

Por Silvia Frias e Izabela Cavalcanti | 09/04/2024 10:57
Governador Eduardo Riedel (PSDB) discursando durante no 1° Workshop de Prevenção aos Incêndios Florestais, que acontece no auditório da Famasul (Foto: Marcos Maluf)
Governador Eduardo Riedel (PSDB) discursando durante no 1° Workshop de Prevenção aos Incêndios Florestais, que acontece no auditório da Famasul (Foto: Marcos Maluf)

O governo estadual já identificou 140 propriedades rurais localizadas no Pantanal que irão receber a queima prescrita, sistema que objetiva identificar área de risco de incêndio e evitar situações já vividas anteriormente no bioma. Nesta primeira fase, a ser iniciada em maio, seis fazendas vão receber equipe do Corpo de Bombeiros para aplicação da técnica.

A iniciativa é inédita por ser regulada com legislação específica, via governo estadual, e em áreas privadas.

“A partir de agora vamos ter programa permanente de combate a incêndios e a queima prescrita é a grande novidade, para minimizar o risco de incêndio em grande escala no Pantanal”, disse o governador do Estado, Eduardo Riedel.

A queima prescrita já é instrumento utilizado no ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação de Biodiversidade) em Mato Grosso e outros estados do Norte, sendo aplicada em parques e unidades de conservação no Cerrado e na Amazônia. Há iniciativas mapeadas em Minas Gerais.

Segundo o titular da Semadesc (Secretaria Estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação), Jaime Verruck, explica a diferença entre a queima controlada, já adotada em MS e a prescrita.

Ação de combate a incêndios florestais no Pantanal, em 2022 (Foto: Arquivo)
Ação de combate a incêndios florestais no Pantanal, em 2022 (Foto: Arquivo)

Na controlada, o pedido é feito pelas propriedades rurais, sendo avaliado e autorizado pelo governo estadual, por meio do Imasul (Instituto Estadual de Meio Ambiente). Na prescrita, é o Estado quem mapeia, por meio de sistema de satélite, os locais onde há biomassa crítica (conjunto de resíduos de origem animal ou vegetal), que potencializa a ocorrência de queimadas. “Caso ocorra um incêndio ali, teremos um grande problema”.

Segundo Verruck, a partir dessa identificação, equipe do Corpo de Bombeiros vai ao local para proceder a queima antecipada, com função ecológica. De acordo com informações do ICMBio, é fogo brando, que não mata as espécies arbóreas, arbustivas e queima somente o capim seco.

O analista ambiental do ICMBio, Bruno Cambraia, diz que a queima prescrita é adotada em áreas federais há alguns anos. "Porém, quando a gente pensa em áreas privadas, existe esse caráter de inovação em Mato Grosso do Sul, com uma legislação específica, trazendo esse termo queima prescrita", avaliou.

O presidente da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul), Marcelo Bertoni, diz que o Estado tem aproximadamente 80 mil propriedades rurais e, destas, 3,5 mil estão no Pantanal. No bioma, segundo ele, há 140 propriedades identificadas que irão passar pela queimada prescrita, sendo que a primeira etapa serão seis.

Jaime Verruck diz que as áreas são do Pantanal na região do Nabileque e no Paiaguás, onde o bioma tem sofrido sistematicamente com incêndios. A queimada prescrita vai começar em maio.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias