ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUARTA  10    CAMPO GRANDE 14º

Cidades

Ministério Público Federal de MS terá unidade do Gaeco

Órgão estadual já conta com grupo desde 2002, que já resultou na prisão até de prefeito

Por Adriel Mattos | 31/08/2021 16:19
Sede do MPF/MS em Campo Grande. (Foto: Divulgação)
Sede do MPF/MS em Campo Grande. (Foto: Divulgação)

O procurador-geral da República, Augusto Aras, autorizou a instalação de uma comissão para formar o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), no âmbito do MPF/MS (Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul). O prazo para formar a equipe vai até 31 de dezembro.

Foram designados para compor a comissão provisória os procuradores da República Damaris Rossi Baggio de Alencar e Luiz Gustavo Mantovani. O procurador regional da República Uendel Domingues Ugatti também foi designado, porém, precisa ter a indicação referendada pelo CSMPF (Conselho Superior do Ministério Público Federal).

O trio ficará encarregado de definir o planejamento de objetivos e resultados dos Gaecos, com a definição de prioridades, plano de ação, diretrizes e planejamento de operações a serem executadas. Todos os estudos e informações devem ser encaminhados à 2CCR/MPF (2ª Câmara Criminal) para a instalação definitiva do Gaeco.

Os Ministérios Públicos estaduais contam com essa estrutura há mais de 25 anos. Em Mato Grosso do Sul, o Gaeco foi criado em 2002 para reforçar o combate ao crime organizado.

Dez anos depois, passou a se concentrar no combate à corrupção, o que resultou em uma série de operações policiais que acabaram por levar a julgamento pessoas acusadas de crimes como peculato, corrupção ativa, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Uma delas foi a Operação Omertà, deflagrada em setembro de 2019. Em quase dois anos de investigação, o grupo desarticulou uma organização criminosa que supostamente se especializou em execuções. Foram presos neste período, os empresários Jamil Name, Jamil Name Filho e Fahd Jamil, além de policiais e advogados.

Já em novembro de 2018, o Gaeco foi às ruas de Ladário para cumprir nove mandados de prisão, entre eles, do então prefeito de Ladário, Carlos Ruso (PSDB). Segundo o MP, ele supostamente paga “mensalinho” a vereadores para aprovação de projetos. Em abril de 2019, ele teve o mandato cassado.

Estados como Bahia e Mato Grosso já contam com o Gaeco no MPF. Em março, Aras dissolveu a força-tarefa da Operação Lava Jato para criar um Gaeco de âmbito nacional, para concentrar todas as operações contra a corrupção em um único grupo.

Nos siga no Google Notícias