ACOMPANHE-NOS    
JULHO, QUARTA  28    CAMPO GRANDE 

Cidades

Mulher de delegado réu por assassinato é expulsa de julgamento

Silvia Aguilera Benitez deixou recinto em Corumbá atacando a Justiça brasileira

Por Marta Ferreira e Leonardo Cabral, do Diário Corumbaense | 23/06/2021 17:31
Silvia, no canto esquerdo da foto, de blusa lilás, durante o júri do delegado Fernando. (Foto: Leonardo Cabral/Diário Corumbaense)
Silvia, no canto esquerdo da foto, de blusa lilás, durante o júri do delegado Fernando. (Foto: Leonardo Cabral/Diário Corumbaense)

Depois de interromper por duas vezes a fala do promotor, e dizer que ele estava mentindo, foi expulsa do plenário do júri, em Corumbá, a esposa do delegado Fernando de Araújo da Cruz Junior, que está sendo julgado hoje por assassinato do boliviano Alfredo Rengel, 48 anos, ocorrido em fevereiro de 2019. Silvia Aguilera Ibanez, que é cidadã boliviana, saiu da sala irritada, reclamando da Justiça brasileira.

Não aceitou documento porque só faz mentira contra Bolívia”, declarou ao deixar a sala, por determinação do juiz André Monteiro.

 A fala dela tem relação com a decisão judicial rejeitando a anexação ao processo de documentos vindos do País vizinho, como parta da estratégia de defesa do marido de Silvia, acusado de homicídio doloso qualificado e tentativa de obstrução da Justiça.

Silvia, grávida de cinco meses segundo afirmou, foi retirada do recinto depois de atravessar a fala do promotor Rodrigo Correa Amaro em duas situações. Na primeira fala dele, apresentando a tese acusatória, ela tentou interrompê-lo, e foi alertada.

Na réplica ao discurso da defesa, a cargo do advogado Irajá Pereira Messias, para quem a acusação é “armação” contra o cliente, Silvia Aguilera disse que o representante do Ministério Público mentiu. Foi quando ele relatou que ela havia sido vítima de violência doméstica por parte do marido delegado.

“Quando ela estava grávida do primeiro filho, ela apanhou do marido”, afirmou o promotor.

“É mentira”, interferiu Silvia.

Houve nesse momento um burburinho no tribunal, seguido do pedido do juiz para a mulher se retirar. "AEu me retiro porque ele está mentindo, está falando que eu apanhei"

A fala do promotor foi para contestar argumento do réu de estar preocupado com a mulher, por estar gestante. Marido e mulher chegaram a chorar durante a sessão de julgamento.

Antes de sair, além de atacar o Judiciário brasileira, Silvia Aguilera disse será feita a “Justiça de Deus”.

O júri está na fase de debates entre acusação e defesa. Depois, os sete jurados vão decidir se o réu é culpado ou não e o magistrado aplica a pena.

Segundo a peça acusatória, no dia 23 de fevereiro de 2019, Fernando primeiro feriu a vitima a facadas em Puerto Quijarro, na Bolívia, durante evento em associação de criadores de gado, e depois, durante o transporte de Alfredo Rengel, conhecido como “Ganso”, interceptou a ambulância e atirou quatro vezes, matando o homem.

Ele nega, diz não haver provas contra si e atribui todo o processo a armação de colegas da Polícia Civil, sem explicar o motivo para tal.



Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário