ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, QUARTA  12    CAMPO GRANDE 23º

Cidades

Pego em MS, "Fantasma" deixou presídio da Capital sem "ninguém" ver

Operação para entregar narcotraficante à Argentina foi coordenada pelo Ministério da Justiça

Por Anahi Zurutuza | 23/04/2024 17:53
Jorge Adalid Granier Ruiz, traficante mais procurado da Argentina quando foi preso com documentos falsos em MS (Foto: Paulo Francis/Arquivo)
Jorge Adalid Granier Ruiz, traficante mais procurado da Argentina quando foi preso com documentos falsos em MS (Foto: Paulo Francis/Arquivo)

Pego em Mato Grosso do Sul com documentos falsos, Jorge Adalid Granier Ruiz, narcotraficante mais procurado da Argentina, foi extraditado em operação realizada em absoluto sigilo. Assim como chegou, conhecido como "Fantasma" ou "Nono", deixou o Estado sem "ninguém" ver.

O preso ocupou uma das celas da Penitenciária Estadual Masculina de Regime Fechado da Gameleira, conhecida como "Supermáxima", em Campo Grande, por 225 dias, entre 30 de março e 10 de novembro do ano passado, conforme apurado pelo Campo Grande News.

A transferência foi feita de forma tão sigilosa que mesmo após a entrega do preso ao governo argentino, o STF (Supremo Tribunal Federal) negou habeas corpus a Granier Ruiz. O advogado dele no Brasil, Haroldson Loureiro Zatorre, alegava que o cliente estava sofrendo constrangimento ilegal por não ter condenações para cumprir atrás das grades no país. Para a defesa, mantê-lo preso era “medida irracional, violadora da dignidade humana”.

A ação coordenada pelo Ministério da Justiça, também conforme a apuração da reportagem, aconteceu depois que o STF homologou o pedido de extradição de "Fantasma" e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) autorizou a entrega.

Na Argentina, Ruiz enfrenta a acusação de comandar de transporte de cocaína pelos ares. Dono de tripla nacionalidade, o homem, que ficou conhecido também como o “senhor dos céus do Mercosul”, sempre negou as acusações contra ele, sustentando não ter antecedentes criminais em nenhum país. Mas para a Justiça argentina, houve indícios suficientes para torná-lo réu em processo acusando-o de manter frota de táxis aéreos que tinha como "passageiros" os carregamentos de entorpecentes, conforme apurado pelo jornal La Nación, que confirmou a chegada do preso à Argentina no começo de novembro de 2023.

“Esse grupo criminoso se dedicava ao transporte de cloridrato de cocaína da Bolívia e do Paraguai para a Argentina e cobrava uma comissão de aproximadamente US$ 300 mil por esse 'serviço de táxi'”, afirmaram os promotores federais Diego Iglesias e Eduardo Villalba em parecer na ação judicial contra Granier Ruiz.

"El Fantasma" está sendo processado, com prisão preventiva decretada, por tráfico agravado pelo número de pessoas envolvidas. Em decisão, dada em dezembro do ano passado, o juiz federal de Salta (cidade argentina), Julio Bavio, além de mandar prosseguir com a ação judicial, determinou o bloqueio de 30 milhões de pesos argentinos em bens do réu - valor que se convertido em reais equivale a R$ 176.350,98.

Um dos documentos falsos usados por Ruiz (Foto: Paulo Francis/Arquivo)
Um dos documentos falsos usados por Ruiz (Foto: Paulo Francis/Arquivo)

A prisão - Ruiz foi considerado foragido da Justiça argentina em fevereiro de 2022 e foi preso durante fiscalização de rotina da PRF (Polícia Rodoviária Federal), em 28 de março do ano passado. Abordado na BR-163, em Jaraguari, o homem acusado de ser "megatraficante" não estava armado ou portava drogas. Ele, porém, se apresentou com nome falso, de Jorge Mendez Ardaya, um boliviano que morreu em 2012. Policiais desconfiaram dos documentos e acabaram descobrindo a farsa.

Segundo Granier, as identidades e o passaporte foram comprados em Belém do Pará por quase 6 mil dólares. Ele contou ainda aos policiais que a mudança na aparência o ajudou a transitar sem ser reconhecido. Como era obeso, se submeteu à cirurgia bariátrica e logo depois passou por lipoaspiração, procedimentos que o deixaram bem mais magro, modificando totalmente sua fisionomia.

Procurado pelo mundo – Boliviano de nascimento, mas dono nacionalidades também argentina e paraguaia, Jorge Adalid Granier Ruiz era procurado pelo mundo todo desde abril de 2022, quando o nome dele entrou para a difusão vermelha da Interpol – ferramenta da Polícia Internacional para encontrar criminosos com a finalidade de extraditá-los – e recebeu a classificação de “perigoso”.

O apelido de “Fantasma” surgiu pela discrição. Até há pouco tempo, o rosto do homem não era conhecido, porque ele nunca aparecia, nem em fotos.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias