ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SÁBADO  22    CAMPO GRANDE 24º

Cidades

Prestes a completar um ano, programa ainda não fez cirurgias antibullying em MS

Secretaria de Saúde disse que hospitais credenciados não conseguiram contratar equipes para os procedimentos

Por Cassia Modena | 07/05/2024 17:29
Alunos em escola da rede estadual em Campo Grande. (Foto: Arquivo)
Alunos em escola da rede estadual em Campo Grande. (Foto: Arquivo)

Entre as filas por cirurgias eletivas – não urgentes – que o Governo de Mato Grosso do Sul deu destaque e prometeu diminuir por meio de programa que fará aniversário de um ano amanhã (8), estão três procedimentos nas orelhas, olhos e mamas de crianças e adolescentes anunciados como "preventivos ao bullying". Mas nenhuma cirurgia assim foi realizada até agora. A justificativa, segundo a SES (Secretaria Estadual de Saúde), é de que "os hospitais não conseguiram montar as equipes para realização dos procedimentos".

O balanço enviado pela SES sobre o programa MS Saúde, onde a intervenção relacionada ao bullying foi incluída, mostra que a maioria dos pacientes atendidos até então fez cirurgias oftalmológicas como a que corrige a catarata, por exemplo. Não houve procedimento de reparação estética.

O Campo Grande News apurou que já foram cadastradas 348 pessoas, que aguardam as cirurgias relacionadas às mamas e orelhas, e mais 10 para reparar os olhos desalinhados.

A SES afirma que uma nova fase do programa foi iniciada neste mês, com a previsão de fazer mais de 48 mil cirurgias, e que pretende reabrir a oportunidade aos estudantes que sofrem com problemas que levam à discriminação em sala de aula.

Arte: Bárbara Campiteli
Arte: Bárbara Campiteli

O programa estadual MS Saúde: Mais Saúde, Menos Fila conta com R$ 45 milhões em recursos do Governo de Mato Grosso do Sul, mais aproximadamente R$ 17 milhões do Programa Nacional de Redução das Filas do Governo Federal.

Na época do lançamento, o governo ressaltou que o pagamento por cirurgias e também exames diagnósticos feitos pelo MS Saúde poderá ser de valores até seis vezes maiores que o da tabela referência do SUS, como forma de garantir a contratação de profissionais capacitados. Mesmo assim, segundo a SES, faltam equipes nos hospitais credenciados.

Sem previsão - "Estamos na fase de recebimento das adesões dos hospitais em relação aos procedimentos lançados na resolução", confirmou hoje (7) a coordenadora do MS Saúde, Maria Angélica Benetasso, em resposta à pergunta sobre previsão de início das cirurgias antibullying no Estado. Uma possível data não foi informada por ela.

Em tabelas divulgadas no Diário Oficial do Estado em 8 de maio do ano passado, dentro da resolução que a coordenadora cita, e no site institucional, a SES identifica essas cirurgias no grupo de "reparadoras".

Em outra resolução, publicada em 26 de maio, a SES inclui a cirurgia para corrigir estrabismo como procedimento e informa a lista de hospitais que aderiram ao programa, valores e quantos pacientes estão na fila para cada um.

Críticas - A iniciativa virou alvo de críticas por profissionais da Pedagogia e Psicologia, inclusive de outros estados, que não defendem as plásticas como forma de evitar ataques à aparência de crianças e adolescentes.

Douglas Menon, vice-presidente da SBCP (Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica) em Mato Grosso do Sul, ponderou sobre a abordagem do programa estadual e lembrou que os procedimentos são feitos pelo SUS e já há fila por eles. “É muito importante o tempo certo de realização da cirurgia. O paciente tem que estar psicologicamente estável e consciente dos estágios do procedimento e entender que o procedimento vai trazer melhoras, mas não é a solução dos problemas, que muitas vezes podem ser de ordem psicológica”, disse o representante.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias