ACOMPANHE-NOS    
MAIO, SÁBADO  21    CAMPO GRANDE 14º

Cidades

Reforma da carreira da Agepan cria cargos de nível superior

Agência terá seis classes, elevando chances de promoção dos servidores

Por Adriel Mattos | 19/11/2021 07:16
Edifício-sede da Agepan, em Campo Grande. (Foto: Edemir Rodrigues/Subcom-MS)
Edifício-sede da Agepan, em Campo Grande. (Foto: Edemir Rodrigues/Subcom-MS)

Incluída no pacote de revisão e reestruturação funcional, a reforma da carreira da Agepan (Agência de Regulação de Serviços Públicos de Mato Grosso do Sul) cria cargos de nível superior, até então inexistentes. O projeto está tramitando na Assembleia Legislativa desde o início da semana.

Além do reajuste linear de 10% para todos os 81 mil servidores estaduais, a autarquia passará de dois para três cargos, contemplando a inserção de função de nível superior, hoje inexistente. É o caso do cargo de analista de regulação.

A carreira passará de quatro para seis classes, de modo a proporcionar atratividade e estímulo à permanência de agentes altamente especializados nos quadros de servidores do Estado.

O servidor precisará passar por avaliações funcionais e ter pelo menos três anos para se candidatar à promoção. As classes são Júnior, Pleno, Sênior, Master e Especial.

Além da criação do cargo de nível superior, ocorrerá também a melhoria da remuneração que fará jus aos níveis exigidos para ingresso na carreira, com desempenho de atividades de alta complexidade e que impactam diretamente nos níveis de investimentos privados em infraestrutura no Estado.

Veja como ficará a carreira da Agepan:

Campo Grande News - Conteúdo de Verdade
Campo Grande News - Conteúdo de Verdade
Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

Pacote – Na terça-feira (17), o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) entregou o pacote de projetos de reajuste e reestruturação de 13 carreiras. Foi anunciado o reajuste salarial de 10% aos servidores e a incorporação de abono.

Os planos de cargos e carreiras de categorias foram de servidores das polícias Militar e Civil, administrativos da Educação da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) e CGE (Controladoria-Geral do Estado).

“Não vamos fazer exceções e descumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal. Estamos enquadrados hoje e foram seis anos para sair do limite prudencial. Não termina aqui nossa conversa com as categorias. É algo permanente e algumas seguimos negociando os valores ainda”, disse o governador na ocasião.

Nos siga no Google Notícias