ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, QUINTA  23    CAMPO GRANDE 25º

Cidades

Exame para "fungo negro" em paciente é inconclusivo e caso segue em análise

Exame confirmou que paciente não está com a nova doença que já foi detectada no Estado

Por Gabriela Couto | 06/06/2021 15:45
Fungo Negro mata mais de 50% dos acometidos; até o momento um paciente no Estado foi confirmado com a doença e morreu (Foto: Unicamp)
Fungo Negro mata mais de 50% dos acometidos; até o momento um paciente no Estado foi confirmado com a doença e morreu (Foto: Unicamp)

O resultado de um dos exames feitos em paciente de 50 anos, que está internado em Corumbá, com suspeita de de mucomircose, o "fungo negro", foi inconclusivo para infecção provocada pelo micro-organismo. O homem segue em tratamento contra a covid-19 e segundo a Secretaria Estadual de Saúde, mais uma análise está sendo feita porque esta primeira não é definitiva.

Mais cedo, a Prefeitura de Corumbá havia informado, via assessoria de imprensa, que um primeiro exame havia dado negativo. Contudo, de acordo com a SES, laboratório aguarda crescimento em cultura para ver se aparece o fungo vai se desenvolver ou não. Laudo leva de 15 a 30 dias para ficar pronto.

A suspeita foi levantada no dia 2 de junho após o paciente apresentar necrose ocular do olho direito. Segundo a Cievs (Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde Mato Grosso do Sul) o homem tem comorbidade, como hipertensão e obesidade. Ele já tinha recebido as duas doses da vacina contra covid-19.

Apesar de imunizado, no dia 22 de maio, ele apresentou histórico de síndrome respiratória aguda grave. Os sintomas de tosse, dor de garganta, desconforto respiratório logo surgiram e no dia 27 o paciente foi diagnosticado com covid-19.

1º caso – O primeiro caso suspeito de fungo negro foi detectado no começo deste mês, em um paciente de 71 anos que estava internado e morreu no dia 2, em Campo Grande. Também com comorbidades, diabético e hipertenso, apresentou sintomas e foi diagnosticado com covid-19 no dia 18 do mês passado.

Ele havia tomado as duas doses de vacina contra o coronavírus em março e abril. A suspeita se mucormicose surgiu em 28 de maio, no olho esquerdo.

Doença - A mucormicose, conhecida como “fungo negro”, é o novo temor associado à covid-19, que se alastrou na Índia, com 9 mil infectados e está em investigação no Brasil, com casos suspeitos em Mato Grosso do Sul, São Paulo, Santa Catarina e Manaus.

A doença necrosa os tecidos da face, atingindo nariz, olhos e podendo chegar ao cérebro. Segundo dados do Hospital das Clínicas de São Paulo, complexas cirurgias são necessárias para salvar o paciente e 50% deles não resistem às complicações.

Matéria alterada para correção de informações às 17h40.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário