ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEXTA  23    CAMPO GRANDE 27º

Cidades

Secretaria admite perda de doações, mas assina contrato para retomar transplante

Laboratório Biomolecular volta a realizar exames, mas em 1 mês famílias deixaram de fazer doação de órgãos

Lucia Morel e Jéssica Benitez | 12/09/2022 18:55
Secretário de Estado de saúde, Flávio Britto. (Foto: Marcos Maluf/Arquivo)
Secretário de Estado de saúde, Flávio Britto. (Foto: Marcos Maluf/Arquivo)

Depois de um mês e cinco dias do fim do contrato que garantia os exames de compatibilidade para pacientes que precisam de transplante de órgãos, o Governo de Mato Grosso do Sul assinou hoje acordo para a realização dos serviços, que agora, fazem parte das contratualizações do Estado e não mais do município.

O Laboratório Biomolecular teve o contrato encerrado com a Prefeitura de Campo Grande em 7 de agosto, após sete anos de renovações.

Nesse período de pouco mais de 30 dias, ocorreram duas mortes encefálicas no Estado, mas a possibilidade de doação de órgãos nem foi apresentada à família do morto devido a ausência de laboratório para testar a compatibilidade.

 Através de repasse do Ministério da Saúde, o município pagava R$ 4 milhões pelos serviços à empresa, que agora, fechou pacto com o governo estadual, no valor de R$ 6 milhões. Os recursos continuam vindo do ministério.

Apesar dos riscos, o secretário de Estado de saúde, Flávio Britto, afirmou que não houve perda de órgãos, que acabam sendo enviados a outros estados, quando não há compatíveis em MS.


Entretanto, um exame de compatibilidade que poderia ser feito em poucas horas aqui, precisou ser enviado ao Paraná, o que atrasou o resultado em um dia. O órgão acabou sendo enviado para fora de Mato Grosso do Sul. “Com muita dificuldade, nós não deixamos de atender ninguém”, garantiu Britto.


Nos siga no Google Notícias