ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEGUNDA  10    CAMPO GRANDE 21º

Cidades

Síndrome Respiratória já hospitalizou 53 gestantes em MS e 2 morreram da doença

Uma das mortes foi de SRAG decorrente de covid-19, em gestante de 33 anos no dia 1º de Julho, em Dourados

Por Lucia Morel | 13/07/2020 17:25
Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados. (Foto: Divulgação HU-UFGD)
Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados. (Foto: Divulgação HU-UFGD)

Desde janeiro, 53 gestantes precisaram ser internadas com SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave) em Mato Grosso do Sul, sendo que seis delas tinham covid-19, e uma delas faleceu da doença, em Dourados, no dia 1º de Julho. A criança nasceu e está internada em UTI (Unidade de Terapia Intensiva), já que nasceu de 31 semanas.

Outro óbito foi registrado de grávida com a síndrome, mas a causa não foi o novo coronavírus e segundo registros do Ministério da Saúde, a SRAG foi causada por agente não especificado, ou seja, o teste realizado para detectar qual vírus ocasionou a síndrome não foi conclusivo.

Segundo dados do ministério, dos 53 casos de SRAG em grávidas no Estado, a grande maioria, 39, não teve causa especificada, o mesmo que 73,5%. Outros seis casos foram confirmados como sendo de covid-19, cinco de Influenza e mais três estavam em investigação até semana passada.

Em todo Brasil, 4.167 gestantes precisaram ser internadas com SRAG, sendo que dessas, 1.647 foram confirmadas para covid-19, 77 para Influenza, 36 para outros vírus respiratórios, 9 por outros agentes, 1.403 (33,7%) por SRAG não especificado e mais 995 se encontravam em investigação na semana passada.

Dessas, 146 faleceram, sendo 93 delas de covid. De acordo com o ministério, Do total de gestantes que evoluíram para óbito de SRAG por causa do novo coronavírus, 46 (49,5%) apresentavam pelo menos um fator de risco ou comorbidade associada. As comorbidades ou fatores de risco mais frequentes foram diabetes (17,2%), doença cardiovascular crônica (12,9%), obesidade (10,8%), hipertensão (9,7%) e asma (4,3%).

A gestante de Dourados que faleceu, tinha diabetes e obesidade, além de asma e hipertensão. Ela tinha 33 anos.