A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

02/04/2013 17:00

"De olho" em grupos criminosos, Sisfron fechará “furos” na fronteira

Edivaldo Bitencourt e Nadyenka Castro
General explica os objetivos e detalha as fases já implementadas do Sisfron  (Foto: Pedro Peralta)General explica os objetivos e detalha as fases já implementadas do Sisfron (Foto: Pedro Peralta)

De olho em organizações criminosas que atuam em Mato Grosso do Sul, o Exécito aposta no Sisfron (Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras) para fechar os “furos” na imensa fronteira seca com o Paraguai.

O projeto, que prevê investimento de R$ 1 bilhão até 2022, estará concluído até 2015 no Estado. Só após concluir o programa em MS, o Exército irá iniciar a instalação do sistema nos demais estados, como Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, Mato Grosso, Rondônia e Acre.

Segundo o coordenador regional do Sisfron e chefe do Centro de Operações do CMO (Comando Militar do Oeste), general de brigada Elias Rodrigues Martins, equipes de inteligência das Forças Armadas já identificaram as organizações criminosas, que atuam na fronteira do Estado e serão alvo das operações.

Apesar do Exército não divulgar, o Governo federal investe no combate ao crime organizado, responsável pelo tráfico de drogas, de armas e contrabando na fronteira. 

O Sisfron vai focar, principalmente, as regiões de Dourados e Ponta Porã, onde as rotas de fuga são muitas e a incidência de crimes de fronteira é alta. O general de brigada explica que os grupos criminosos atuam na região por causa da proximidade com os grandes centros, como São Pauo e Rio de Janeiro.

Militares estão reunidos hoje e amanhã para debater sistema na Capital (Foto: Pedro Peralta)Militares estão reunidos hoje e amanhã para debater sistema na Capital (Foto: Pedro Peralta)

O sistema – Orçado em R$ 1 bilhão, o Sisfron teve investimento de R$ 200 milhões no ano passado. O projeto, pensado em 2009, começou a sair do papel em 2012, com a contratação de duas empresas encarregadas pelo mapeamento dos locais que vão receber as câmeras e antenas.

O CMO adquiriu ou concluiu a licitação para a aquisição de coletes, kits de bloqueio de rodovias, 163 viaturas e equipamentos de alto valor tecnológico (para transmissão via satélite). Esses últimos serão usados na comunicação entre os centros operacionais da Capital e Brasília.

Além do Sisfron, o CMO está remanejando militares para ampliar o efetivo no Mato Grosso do Sul. Entre os custos do projeto, estão os custos com estadia e diária dos militares de outros estados.

Uma reunião entre gestores locais e nacionais acontece de hoje até quinta-feira (4) no CMO, em Campo Grande. De acordo com o major Robson de Menezes Peroni Campos, chefe da comunicação social do CMO, o encontro é o primeiro deste porte, já que as reuniões anteriores eram gerenciais.

Com 200 milhões já investidos, Sisfron começa a ser implantado neste ano
Novos equipamentos para a implantação do Sisfron (Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras) na fronteira de Mato Grosso do Sul começam a cheg...
STF tem maioria a favor de delação negociada pela Polícia Federal
O Supremo Tribunal Federal (STF) formou hoje (13) maioria para manter a autorização legal para que a Polícia Federal (PF) possa negociar delações pre...


É prá não saírem?
 
teodosio oisodoet em 04/04/2013 10:21:47
Parem de falar o que não sabem, o Exercito esta sucateado a anos, desde FHC, os militares choram esperneia para ter investimentos para acabar com a bandidagem, mais Brasilia não da a minima pois os maiores beneficiados dos crimes como trafico de drogas e armas estão lá no congresso nacional OS CORRUPTOS LEVAM TRILHÕES, e quando o governo vai bem gastar 1 (UM) Bilhão em 10 anos vem otários valar em gastar dinheirama faça o um favor para si mesmo CALE-SE.
 
Kevin Juglielmo em 03/04/2013 10:29:09
Infelizmente aqui é assim: Só vai preso peixe pequeno, dias desse presenciei a Polícia Rodoviária Federal, no trevo de Ponta Porã, aguardando a chegada da TV morena com um carro cheio de pacotes de maconha. Mas a apreensão foi no posto capei. Só que ninguem viu, então é melhor trazer para o trevo na entrada da cidade, esperar a reportagem chegar para dar a entrevista. Gostam de se aparecer com pouca coisa. Toda vida aqui foi assim, duas semanas antes avisam os traficantes que vai ter "operação militar" dando tempo de todos se refugiarem no país vizinho e acabam pegando só contrabando de fraldas, bebidas, coisa pequena para um investimento desse porte.
Pelo que já li esse sistema do SISFROM era para estae concluído em MS até o final de 2013. mas agora já passou para 2015. e daí vai.
 
Carlos Augusto Miranda em 03/04/2013 05:40:26
fabio pellegrini, faço das suas palavras as minhas... sem mais comentários!
 
PEDRO MATTOS em 02/04/2013 22:01:21
Muita lentidão da re(ação) do Governo ao crime que avança. Tomara que em 2015 os furos não sejam outros, e que venha essa ação, somar com os outro órgãos de segurança, já sucateados, mal pagos, mal aparelhados e muito cobrados, aliado a falta de adequação legal, que acorrenta a justiça à lentidão. Investir só em uma área deixa sim furos em outras, e por isso os furos não conseguem ser tapados. Assim avançam a violência e aumenta a insegurança.
 
Adriano Magalhães em 02/04/2013 21:33:47
Senhor Fabio Pellegrini concordo plenamente com seu comentario, parabens pela sua esplanação. O exercito brasileiro é uma verdadeira piada, parece que eles não tem o que fazer e ficam inventando estas coisas , quando eles realizam a tal operação 'agata' divulga para todo mundo ver. e o resultado e o seguinte: 'não prendem ninguem' so um ou outro coitado, mas os bandidos mesmo nunca eles prendem e ai vem com essa de gastar horrores em verbas que deveriam ser direcionadas para o 'dof' e policias estaduais, estas sim fazem segurança publica..para com isso exercito, se querem mesmo servir a nação se unem as forças estaduais de segurança publica e vai aprender com eles trabalhar para garantir um minimo de paz ao povo brasileiro que paga os salarios de voces..tou certo ou tou errado?
 
Sergio Rabelo em 02/04/2013 20:36:12
Não dá para entender essa sistemática do Governo Federal e seus ministérios, que acabam por "ensinar" as outras esferas públicas em divulgar acoes antes de executá-las. Sinceramente. Essa tática de avisar criminosos que um dia, até 2015 (!!!), vai fechar o cerco, é de fazer bandido dar risada e festejar a demora da possibilidade de um dia ser autuado. É rir na cara do cidadão de bem. Vejam novamente: "...equipes de inteligência das Forças Armadas já identificaram as organizações criminosas, que atuam na fronteira do Estado e serão alvo das operações." Estão esperando o que???
 
Fabio Pellegrini em 02/04/2013 17:18:56
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions