A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

14/05/2013 17:26

Ação contra máfia do câncer atinge 4 cidades e mais de mil procedimentos

Gabriel Neris e Nadyenka Castro
Força-tarefa investiga 1.022 autorizações de pagamentos de autocusto para 93 pacientes (Fotos: João Garrigó)Força-tarefa investiga 1.022 autorizações de pagamentos de autocusto para 93 pacientes (Fotos: João Garrigó)

A força-tarefa criada pelo Ministério da Saúde investiga as 1.022 autorizações de pagamentos de alto custo de 93 pacientes com câncer submetidos a mais de dois procedimentos. Também será analisada a qualidade do atendimento e prontuários com indícios de irregularidades em hospitais de Campo Grande, Dourados, Corumbá e Três Lagoas.

De acordo com Odorico Monteiro, secretário de Gestão Estratégica e Participativa do Ministério da Saúde, será avaliado a segurança do paciente por técnicos da Comissão de Energia Nuclear, do  Instituto Nacional do Câncer e do próprio Ministério da Saúde. A qualidade da regulação nos municípios e no Estado também são alvos da comissão que analisa os serviços de oncologia.

Após análise dos prontuários, o Ministério da Saúde verificará se existe a necessidade de chamar pacientes e familiares para colher informações. “A medida que for necessária será feita”, disse Odorico nesta terça-feira (14) durante entrevista coletiva em Campo Grande.

A força-tarefa teve início na semana passada e já foram verificados indicíos de irregularidades em 236 prontuários, sendo 143 do Hospital do Câncer. Os demais não constam nome do município de origem do paciente e correspondem às 1.022 autorizações suspeitas.

Odorico comentou que esta foi a apenas  início da força-tarefa e que algumas providências já foram tomadas, como mudança de administração, investigação penal.  

Odorico diz que prazo de força-tarefa pode aumentarOdorico diz que prazo de força-tarefa pode aumentar
Equipe analista prontuários de pacientes de MSEquipe analista prontuários de pacientes de MS

Técnicos do Ministério da Saúde, do Estado e dos municípios já verificam se há indícios de irregularidades nestas unidades e vão passar o que foi encontrado aos integrantes da força-tarefa, que são responsáveis pela análise dos documentos.

De acordo com o secretário de Gestão Estratégica e Participativa do Ministério da Saúde, a força-tarefa continuará por mais três semanas. Na próxima, o alvo é a Santa Casa. Campo Grande e Dourados fazem parte da primeira etapa. Corumbá e Três Lagoas entram na segunda fase.

É analisada ainda a dosagem de medicamentos utilizados e o estado de saúde que estavam os pacientes que os utilizaram. Em Brasília, reuniões estão sendo realizadas para comparar o perfil dos pacientes com câncer que morreram no Estado com o restante do País. O objetivo, é, mais uma vez, verificar se há irregularidades. 

Conforme Odorico, ao fim do trabalho será produzdo um relatório. As informações serão apresentadas ao ministro Alexandre Padilha. O documento indicará qual atitude deve ser tomada. O chefe do Ministério também analisará se o prazo da força-tarefa será estendido.

 



E os Siufs ... ? Já Prenderam os Siufs ?
 
Gildo Cordeiro em 15/05/2013 08:26:45
O certo é receber cada centavo roubado corrigdo e divulgado o nome dos culpados na imprensa. Prisão não paga conta, gera mais despesa. Há muitos políticos pousando de santo e são culpados e comprometidos com essa máfia e tem de ser mostrado ao eleitor. A imprensa tem um papel fundamental em duvulgar e acho que todo jornal não comprometido, vai divulgar os culpados.
 
luiz alves em 15/05/2013 07:43:16
Vai terminar tudo em pizzas!!!!
 
otavio moreira em 14/05/2013 20:46:03
Estes "médicos" envolvidos e demais colaboradores, terão que ser punidos exemplarmente, por que com a saúde do ser humano, deve-se ter cuidado e respeito pela sua dor.
 
ANISIO DE ALMEIDA BORGES em 14/05/2013 19:55:31
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions