A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 15 de Outubro de 2019

29/10/2009 15:29

Acidente interrompeu rotina agitada e acabou com sonho

Redação

Um ano depois, o engenheiro civil e advogado Marcelo Freire Victorio, hoje com 33 anos, conta que teve a rotina agitada interrompida e se viu impedido de realizar o sonho de se tornar delegado federal ao ser atropelado por um ônibus, em Campo Grande. Ele já fechou o 3º acordo parcial com a empresa Serrana para receber R$ 113.171,08 referentes às despesas que teve com o tratamento médico e com a nova cirurgia.

Na época, Marcelo acordava cedo e às 6 horas já estava a caminho da praça esportiva Belmar Fidalgo, no Jardim dos Estados, para correr. E nesse ritmo ele seguia ao longo do dia. Funcionário do Incra  (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) , Marcelo entrava às 7h30, trabalhava até às 17h30 e das 18h30 às 22 horas ainda fazia um curso preparatória para o concurso de Delegado Federal.

Tudo corria bem até ser atropelado no dia 31 de outubro de 2008, interrompendo a rotina acelerada e acabando com o sonho de Marcelo de se tornar delegado. Ele e outras quatro pessoas foram vítimas do acidente com um ônibus da empresa Serrana na calçada da Rua Rui Barbosa, na região Central de Campo Grande.

Marcelo foi quem sofreu lesões mais sérias. Ele enfrentou risco de ter a mão esquerda e a perna direita amputadas. Hoje, anda com dificuldade, sente dores no joelho direito e não pode mais morar sozinho. Pais e irmã se mudaram de Corumbá para o apartamento na rua Candido Mariano, em Campo Grande.

"Minha vida ficou parada. Estagnou minha vida. Estou de licença médica. Não posso fazer caminhada. Minha vida é fazer fisioterapia e terapia ocupacional", explica Marcelo, que recebeu o Campo Grande News no apartamento dele. Diariamente, ele faz três sessões de fisioterapia e uma de terapia ocupacional.

Sem iniciativa da empresa Serrana de pagar as despesas médicas, a alternativa foi recorrer ao Poder Judiciário. "O que me deixou muito desapontado foi a posição da Serrana. Ela não prestou assistência prioritariamente. Ela é uma concessionária de serviço público.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions