A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 17 de Agosto de 2018

08/12/2016 19:24

Amiga teria dado Cytotec a grávida e pode responder por duplo homicídio

Luana Rodrigues
Aline, de 26 anos, morreu logo após tomar medicamento abortivo.(Foto: Reprodução/ Facebook)Aline, de 26 anos, morreu logo após tomar medicamento abortivo.(Foto: Reprodução/ Facebook)

Amigas há mais de 15 anos, mulher identificada como Simone Penha foi a primeira pessoa para quem Aline dos Reis Franco, 26 anos, contou que estava grávida. Foi com a ajuda desta amiga que a moça conseguiu comprar um remédio abortivo, o Cytotec, cujo princípio ativo é o Misoprostol, segundo informações policiais.

Banido desde 2005 pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), o remédio é proibido no Brasil. A venda é considerada infração sanitária gravíssima e crime hediondo, enquadrado no Código Penal, artigo 273. Mas, no Paraguai, o medicamento circula livremente no mercado negro, o que teria facilitado o acesso das moças ao remédio, já que Porto Murtinho faz fronteira com o país.

“A Simone disse que a Aline tinha tomado uns oito comprimidos até que começou a passar mal. Fui abraçar o corpo da minha neta e vi que tinha uns esparadrapos, foi quando a Simone disse que tinha sido porque ela convulsionou muito”, conta Thereza Reis, avó de Aline.

A convulsão aliada ao sangramento, são sintomas de que o remédio gerou complicações e que a mulher deve correr para um hospital.

A jovem até foi levada para o hospital de Porto Murtinho para receber atendimento, mas omitiu do médico local que estava grávida e que havia tomado um remédio abortivo. Ela foi encaminhada para Campo Grande em urgência, mas morreu dentro da ambulância, na cidade de Jardim.

Segundo a Polícia Civil, Simone será investigada, e caso se confirme que ela deu o medicamento abortivo à Aline, pode responder por duplo homicídio. A polícia também aguarda laudos para confirmar estas versões da história.

Viagem - Aline saiu de Campo Grande na noite da última segunda-feira (5), sozinha, e foi para Porto Murtinho, a 421 km de Campo Grande, onde encontrou a amiga. A garota, que já tem dois filhos, estaria grávida de dois meses.

Simone teria contado para Helemary que recebeu Aline em sua casa, e a entregou um remédio que tem efeito abortivo. Ela passou mal. Teve convulsões, caiu no chão, bateu a cabeça várias vezes e morreu.

"Lá na cidade, essa amiga foi ao cartório e fez uma certidão de óbito com o tabelião dizendo que Aline tinha morrido por causa de traumatismo craniano, devido a convulsão. Eu não acredito nisso, ela tomou o remédio, teria dado cólica nela e não convulsão, já que Aline nunca teve histórico disso", contou a mãe, que não acredita da versão dos fatos dada pela amiga.

Na noite de ontem, Helemary foi até a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento) no Centro da Capital, contou a história e foi aconselhada e descobrir a verdadeira causa da morte de sua filha.

"O delegado disse para eu interromper o velório e encaminhar o corpo ao Imol para que fosse feita uma autópsia. Eu não aceito o que aconteceu, impedi que essa mulher que deu o remédio para minha filha entrasse no velório dela. Acredito que ela faça parte de uma uma quadrilha".

O resultado da autópsia ainda não foi concluído e Helemary quer respostas. Aline deixa dois filhos, uma menina de 11 anos e um garotinho de seis, que serão criados pelos respectivos pais.

Jovem de 26 anos morre após fazer aborto em clínica clandestina
Uma jovem de 26 anos morreu depois de fazer um aborto em uma clínica de Porto Murtinho, distante 431 km de Campo Grande na terça-feira (6). A mãe da ...
Capes torna mais rígida avaliação de cursos de pós-graduação
A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) tornou mais rígida a avaliação dos cursos de pós-graduação no país. De acordo c...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions