A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

07/09/2011 10:08

Brasileiro está mais confiante na capacidade de pagar contas, diz Ipea

Elaine Patricia Cruz, da Agência Brasil

Os brasileiros estão otimistas quanto a sua capacidade de pagar dívidas. Segundo o Índice de Expectativas das Famílias (IEF), divulgado mensalmente pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), 47,6% das famílias analisadas admitiram ter dívidas, mas mais da metade delas (60,7%) disseram que terão condições de pagá-las, seja parcialmente (46,6% do total) seja completamente(14,1%). Do total de famílias entrevistadas (3.810 domicílios), 52,2% disseram não ter dívidas e 9,7% consideram-se muito endividadas.

Para Marcio Pochmann, presidente do Ipea, esse otimismo indica que o brasileiro aprendeu a lidar com os juros. “Houve um aprendizado do conjunto das famílias com relação à trajetória recente de elevação das taxas de juros. O fato de termos um crédito sendo difundido em maior dimensão no Brasil, vem permitindo que as famílias passem por um processo de aprendizagem em usar o crédito e o utilizam mais à medida que a taxa de juros é menor e o utilizam menos à medida que a taxa de juros é maior”, disse.

Apesar desse aprendizado em lidar com a dívida, destacado por Pochmann, quatro em cada dez famílias analisadas pela pesquisa disseram que não terão condições de honrar seus compromissos. Na avaliação do presidente do Ipea, esse número não representa um risco para a economia do país.

“Isso não é uma bolha, como ocorreu em outros países, porque o Brasil vem expandindo os empregos, a taxa de desemprego vem caindo e os salários vêm conseguindo subir acima da inflação: então, as condições gerais do país são satisfatórias a tal ponto de evitar que tenhamos uma bolha. No entanto, em alguns segmentos ou setores de atividades econômicas poderá ter algum tipo de problema relativo às dificuldades das famílias pagarem suas dívidas”, declarou.

O índice que foi divulgado hoje (6) pelo Ipea também apontou que a população brasileira continua otimista com o comportamento socieconômico do país. Em agosto, o índice apurado foi 65,2 pontos, valor superior ao que foi registrado em julho (63,5 pontos). Os mais otimistas com relação à situação econômica brasileira são os que têm mais renda e mais instrução, principalmente os que recebem entre quatro e cinco salários mínimos e têm ensino superior incompleto.

“O que temos percebido ao longo das pesquisas é que à medida que se eleva o grau de escolaridade, maior é a possibilidade de ascensão ocupacional, e isso termina impactando na percepção das famílias sobre sua situação financeira e até mesmo sobre o país. Infelizmente, as pessoas com menor escolaridade terminam não observando, no horizonte, a possibilidade de ascensão, tendo em vista a situação de dificuldade em que se encontram”, disse. Ainda com base na pesquisa, Pochmann declarou que a crise internacional ainda não contaminou o Brasil e não fez efeitos sobre a percepção da população a respeito da economia brasileira.

ANS regulamenta novas regras de compartilhamento para planos de saúde
A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) publicou duas resoluções normativas na tentativa de dar mais segurança e estabilidade ao mercado de pla...
UFMS recebe inscrições para vários cursos no Vestibular 2018
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions