A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

09/09/2013 15:24

Acidentes após pagamento de salários superlotam emergência de hospitais

Luciana Brazil, Bruno Chaves e Edivaldo Bitencourt
Luiz Gustavo aponta as causas da superlotação da Santa Casa da Capital (Foto: Bruno Chaves)Luiz Gustavo aponta as causas da superlotação da Santa Casa da Capital (Foto: Bruno Chaves)

Os dois principais hospitais da Capital voltaram a enfrentar, nesta segunda-feira (9), a superlotação das unidades de emergências. A principal causa são os acidentes de trânsito em decorrência do pagamento dos salários no início do mês e da imprudência no trânsito. Só na Santa Casa de Campo Grande, seis pacientes aguardam uma vaga no CTI (Centro de Terapia Intensiva).

A situação se repete no Hospital Regional de Mato Grosso do Sul Rosa Pedrossian, em Campo Grande. O PAM (Pronto Atendimento Médico) está com mais de 40% da capacidade. Pelo menos 100 pacientes aguardam atendimento. O hospital consegue atender, em média, 46 pacientes, segundo o diretor-presidente do hospital, Rodrigo de Paula Aquino.

“É importante saber como está sendo feito o encaminhamento desses pacientes. Sabemos que outras unidades não têm vaga, mas não sabemos se estão sobrecarregados como nós. Não haverá suspensão de atendimento. Vamos atender a todos”, afirmou Aquino.

O problema tem atingido outros hospitais, como a Santa Casa. De acordo como chefe do Centro Cirúrgico, Luiz Gustavo Orlandi, só na unidade vermelha, que é o setor onde ficam os pacientes em estado grave e com risco de morte, 11 pessoas dividem seis vagas. Seis aguardam vaga no CTI.

Já os setores amarelos (sete pacientes) e verde (nove) continuam operando no limite da capacidade. Orlandi explica que os casos de trauma são os principais responsáveis pela superlotação da emergência da instituição.

Ele atribuiu o caos ao fato do fim de semana ser o seguinte após o pagamento dos salários, imprudência no trânsito e de jovens com dinheiro.

Já o diretor do HR não sabe as causas da superlotação. “É difícil dizer o que está acontecendo, por enquanto não é possível saber o motivo dessa superlotação”, afirmou.

Um outro motivo pode ser o fechamento do PAM do Hospital Universitário, que reabriu em um local improvisado e com 11 leitos a menos.

A reportagem entrou em contato com a Prefeitura, mas até o fechamento desta matéria não teve resposta sobre os encaminhamentos feitos às unidades de saúde.

Promotoria e prefeitura firmam acordo para recuperar área de preservação
Foi celebrado entre o MPE (Ministério Público Estadual) e a prefeitura de Campo Grande acordo para recomposição da vegetação nativa da área de preser...
Concurso recebe inscrições para 83 vagas técnico-administrativas
Seguem abertas as inscrições para o concurso que oferece 83 vagas para técnico-administrativos em Educação na UFMS (Universidade Federal de Mato Gros...


Sr. LEANDRO DUARTE,
Seu comentário foi infeliz... Todos na comunidade em geral, inclusive eu, sempre identificamos os trabalhadores da construção civil como ORELHAS SECAS e PEDREIROS, assim como o BOY, OFFICE BOY E MOTO BOY. Sou faturista, mas nos chamam de apontador ou papeleiro. Ja fui vendedor externo e, me chamavam de tirador de pedidos.
Sucesso.
 
Rubens Gomes em 09/09/2013 21:06:21
Leandro, infelizmente o papo do Rubens não é elitista, é uma realidade. Os trabalhadores precisam ter mais conscientização dos seus deveres, a maioria só tem dos seus direitos. É muito comum atestados médicos por falta no sábado, ou falta na segunda-feira, principalmente depois de pagamento. É notório o movimento maior na cidade até o dia 15, depois cai consideravelmente. As pessoas precisam ter treinamento nas empresas sobre responsabilidade, direitos e deveres, finanças pessoais, organização.
 
rafael santos em 09/09/2013 18:48:30
O povo precisa parar de beber e por em risco as vidas alheias, é simples assim.
 
Mirella Forti Cossignani em 09/09/2013 18:35:25
Sr. Rubens Gomes,

Que papo mais elitista. Paga pouco, discrimina os funcionarios referente a sua profissão, deve os fazer trabalhar pelas "orelhas" e reclama. O Sr. tá saindo no lucro com essa mais valia e eles estão errados. O povo brasileiro... em sua maioria, alienado sem querer!
 
LEANDRO DUARTE em 09/09/2013 16:14:21
As conveniências na sexta-feira quinto dia do mês estavam lotadas após as 18:00 hs só pessoas tomando.
 
Alexandre Lindolfo em 09/09/2013 15:58:38
Finalmente...
A culpa não é, somente, do sistema, mas também do "povo".
Paguei os orelhas na sexta, pergunto: Qntos voltaram no sábado? Qtos chegaram na hora hoje?
Abraços e Sucesso!
 
Rubens Gomes em 09/09/2013 15:45:39
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions