A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

17/09/2014 18:22

Acusado de dirigir bêbado não presta assistência a filhos da vítima e some

Lidiane Kober
Jovens perderam o pai e cuidam da mãe, internada na Santa Casa em estado grave (Foto: Marcelo Calazans)Jovens perderam o pai e cuidam da mãe, internada na Santa Casa em estado grave (Foto: Marcelo Calazans)

Acusado de dirigir bêbado e de não prestar socorro às vítimas, Alisson Bruno da Silva, de 24 anos, não deu, até agora, nenhum tipo de assistência à família do motociclista Antônio Francisco da Silva, 59 anos, que morreu em acidente, no início da manhã de domingo (14). Só no funeral, os filhos gastaram R$ 5 mil e precisam de mais R$ 1,8 mil para pagar a primeira das três cirúrgias que a mãe, Marli Bueno dos Santos, 48, precisou realizar para se recupar da tragédia.

Por volta das 7h30 do domingo, Antônio e a esposa seguiam em uma moto Yamaha YBR 125 pela Avenida Nelly Martins, no Bairro Carandá Bosque, em direção ao Jardim Colibri para levar o presente de aniversário de um dos três netos. Na segunda-feira (15), a criança completou 5 anos.

No meio do caminho, a moto colidiu com um Peugeot, conduzido por Alisson. O boletim de ocorrência do acidente informa que o jovem estaria com sinais de embriaguez. Ele, no entanto, se recusou a realizar o teste de bafômetro, mesmo assim, acabou preso “por conduzir veículo automotor com capacidade psicomotora alterada em razão da influência de álcool, ou outra substância psicoativa que determine dependência”. Depois, pagou fiança e foi liberado.

Três dias depois do acidente, segundo a filha do casal, Roberta Milena Santos Silva, 19, e a enteada de Antônio, Vanessa Caroline dos Santos Schaefer, 27, o motorista do Peugeot “desapareceu”, sem prestar qualquer tipo de assistência à família. “Até o perfil dele no Facebook ele deletou”, comentou Roberta.

Segundo as jovens, Antônio era o “esteio da família”. “Levava minha mãe para trabalhar, pagava a minha faculdade de medicina veterinária, cozinhava para a gente, era um paizão e um avozão”, comentou Roberta. “Agora, nossa vida mudou de ponta a cabeça, perdemos o chão”, completou Vanessa.

Além de perder o pai, as jovens passaram a ser responsável pela mãe, internada em estado grave na Santa Casa. "Ela passou por uma cirúrgia e precisará de outras duas. Ela conta com convênio, mas temos que pagar só pelo primeiro procedimento R$ 1,8 mil de fator participativo", afirmou Vanessa.

Sem socorro – A revolta, conforme as filhas, será maior se o caso for esquecido e o motorista sair impune. “Temos seis testemunhas que afirmam que ele só não fugiu do local do crime, sem prestar socorro, porque uma mulher tirou a chave ignição e outro homem o segurou”, relatou o namorado de Roberta, Brendon Moreira, de 21 anos.

Ele e as duas jovens foram até o local do acidente. “Quem ligou para pedir socorro foi uma moça que fazia caminhada pela região”, contou Vanessa. Para piorar a situação, os três afirmam que, ao lado das testemunhas, foram “provocados” por Alisson e por uma tia dele.

“Ele me chamou de babaca e ela pegou o chinelo na mão e saiu ameaçando as testemunhas e partiu para cima de mim”, garantiu Brendon. “Eles repetiam toda hora que acidentes acontecem todos os dias e o motorista só se preocupava com o estado do carro”, acrescentou Roberta. “Ele ficou me encarando o tempo todo”, completou.

Para Vanessa, Alisson “assumiu o risco de matar ao beber e dirigir”. “A Lei Seca está aí e precisa ser cumprida. Esse motorista deve assumir a responsabilidade e pagar pelo que fez, não é justo sair impune”, avaliou.

A reportagem entrou em contato com o motorista do Peugeot, mas ninguém atendeu a ligação.

No dia do acidente, família afirma ter sido provocada por parentes do motorista, que tiraram o chinelo para ameaçar testemunhas (Foto: Arquivo/familiar)No dia do acidente, família afirma ter sido provocada por parentes do motorista, que tiraram o chinelo para ameaçar testemunhas (Foto: Arquivo/familiar)
Acusado de dirigir bêbado e matar motociclista é liberado após fiança
Envolvido no acidente que resultou na morte do motociclista Antônio Francisco da Silva, 59 anos, Alisson Bruno da Silva, 24 anos, chegou a ser detido...
Motociclista morre atropelado por motorista bêbado no Carandá Bosque
O motociclista Antônio Francisco da Silva, 59 anos, morreu atingido por um veículo por volta das 7h de hoje na Avenida Nelly Martins, no Bairro Caran...
Abstenção em concurso da Câmara Municipal da Capital passa dos 30%
O domingo (17) foi de provas para milhares de campo-grandenses, tanto na manhã como no período da tarde, no concurso da Câmara Municipal, que segundo...
Com forte dores, mulher reclama de falta de atendimento em UPA
Mesmo apresentando fortes dores e inchaço na região do estômago, sem conseguir comer a três dias, uma mulher que procurou atendimento na UPA (Unidade...


PQ NINGUEM COLOCA A FOTO DESSE BANDIDO AI PRA POPULAÇÃO FICAR ATENTA. COMO UM MARGINAL JA AMANHECE BÊBADO. BRASIL LIXO DE PAÍS.
 
fabiano santos em 18/09/2014 08:24:14
Quer dizer, o sujeito vai preso, é estipulada uma fiança para ele sair, o valor da fiança deveria ir para a vítima e não para o estado, o estado já recebe mais do que o suficiente do governo, dinheiro repassado relativo à impostos pagos pela população, multa vai pro estado, mas quando há vitima, deveria haver uma lei onde a fiança estipulada pelo juiz vá para a vitima, afinal os únicos a perder dinheiro e principalmente o ente querido foi a familia da vitima, o estado não perdeu absolutamente nada.
 
maximiliano rodrigo antonio nahas em 18/09/2014 08:23:19
terrível esse assassinato cometido pelo marginal alcóolatra! Foi homicídio doloso sim!
 
antenor assis de figueiredo em 17/09/2014 21:37:12
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions