A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

16/07/2011 12:52

Defesa diz que acusado de matar vigia não tem dinheiro para pagar fiança

Aline dos Santos
Airton está preso desde 7 de julho. (Foto: Pedro Peralta)Airton está preso desde 7 de julho. (Foto: Pedro Peralta)

Acusado de espancar o vigia Adelson Eloi Nestor de Almeida até a morte, Airton Colognesi, de 30 anos, vai continuar no Presídio de Trânsito por não ter R$ 5.450 (dez salários mínimos) para pagar fiança.

O valor foi estipulado pelo juiz Alexandre Ito, em substituição na 2ª Vara do Tribunal do Júri. Advogada do preso, Cleuza Ferreira da Cruz Mongenot chegou a pedir isenção, ou seja, que nenhum valor fosse pago para Airton ser posto em liberdade, mas o magistrado negou.

A defesa alega que ele é programador de computador e trabalha de forma autônoma, sem renda fixa. Para o juiz, falta comprovação de que o preso não possui condições suficientes para pagar o valor da fiança. “Cadeia no Brasil é assim, rico sai e pobre fica”, afirma a advogada.

Ela apresentou à justiça uma declaração de pobreza assinada por Airton. A advogada conta que não cobrará para defendê-lo, pois é amiga da família. O preso é casado e pai de três crianças. Agora, a defesa vai pedir habeas corpus ao TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul).

Airton está preso em flagrante desde 7 de julho. Segundo o magistrado, ele é primário e não tem maus antecedentes. Na decisão, o juiz também enfatiza que não há elementos suficientes para classificar o crime como hediondo, o que impede fixação de fiança. Desta forma, mediante o pagamento será expedido o alvará de soltura.

Ontem, o delegado Fábio Sampaio, responsável pelo caso, recebeu três boletins de ocorrência contra Airton por lesão corporal dolosa. Os registros foram no Mato Grosso.

Brutal – O crime aconteceu no posto de combustíveis Antares, no Jardim Seminário, em Campo Grande. A vítima estava trabalhando quando flagrou o autor passando no meio das bombas. O vigia abordou o rapaz e o mandou sair de dentro do posto, informando que o local era propriedade particular e já estava fechado. A discussão terminou em agressão.

Adelson tentou escapar e correu para uma borracharia que fica ao lado do posto. Conforme a Polícia, Airton usou uma barra de ferro para golpear a cabeça de Adelson, que teve o rosto desfigurado e morreu caído na calçada.

Segundo o delegado, o policial militar que efetuou a voz de prisão relatou, em boletim de ocorrência, que testemunhas confirmaram o uso de barra de ferro durante as agressões. Já na delegacia, as duas testemunhas não confirmaram o fato. O vigia tinha 46 anos e deixou dois filhos adolescentes.

A prisão de Airton foi o primeiro caso de repercussão em que a nova lei do Código de Processo Penal foi aplicada. Com as mudanças, em vigor desde o começo do mês, o juiz pode homologar prisão em flagrante, decretar a preventiva, arbitrar fiança ou aplicar medidas cautelares. A nova lei é para crimes com até quatro anos de prisão.



Parabéns ao Sr. magistrado do Tribunal do Juri; A instituição da fiança não pode ser banalizada, ainda mais em casos de crimes graves como esse. Uma coisa é não ter condições nenhuma de pagar a fiaça, pelo preso ser totalmente pobre, e outra é "ter dificuldades em pagá-la", como deu a entender a advogada do preso. Ele tem , sim, que ficar preso ainda por alugum tempo, para, inclusive, refletir sobre esse assassinato brutal que cometeu.
 
MARCELLO MENDES em 17/07/2011 09:29:20
Que país é esse gente!!! um trabalhador assassinado brutalmente,um flagrante e vão soltar o monstro.....é piadinha né!! não tenho palavras!!! que nojo!!!!
 
daniela rodrigues em 17/07/2011 03:25:47
O governo precisa abrir uma linha de crédito para ajudar os vagabundos pagarem fiança, com certeza ganharam votos, se existe a lei absurda pra favorecer bandido, mata, paga e tudo bem!!!! Ueeeebááá!!! por que não ajuda-los mais um pouquinho!!!
 
daniela rodrigues em 17/07/2011 03:21:43
É uma vergonha, no Brasil se mata por qualquer coisa, e o assassino ainda tem direito a fiança, onde vamos parar...
 
João Márcio Escobar em 16/07/2011 10:04:47
Que absurdo!Agora posso matar um trabalhador e pagar fiança, jesus é o fim do mundo mesmo,Moro em Espanha é a leis do Brasil é um vergonha, esse juizes, advogados que acompanharam o caso será se fosse filhos deles aceitariaa essa tal fiança e liberava o Lixo desse mostru que matou as pauladas o Homem que estava no serviço dele,E a familia da vitima quantas lagrimas derramarm,os filhos pais,amigo.Isso não tem preço a vida de uma pessoa que apenas estava no seu trabalho....talves se fosse o Irmão dessa tal advogada que ainda trabalha de borla ela faria do geito delaa,Mais não dá nada não,aqui os homens faz a justiça como eles quer,mais deus faz a perfeita justiça.e dela ninquem escapa,Contra a fiança e para elaa ja que esta trabalhando de graça....Aiiiiiiiiiii BRASIL,,
 
Camila Rodrigues... em 16/07/2011 07:08:46
Pelo que li... houve intenção de matar. Não entendi porque o Juiz estipulou fiança de apenas 10 salários mínimos (matar alguém que estava trabalhando e de forma correta (apenas procurou orientar o "autor" de que estava executando manobra errada e que deveria sair do local) -  VALE TÃO POUCO? Também  não entendi como um(a) Advogado(a) querer que seu cliente saia da cena de terror (livre para ficar em casa, assistindo TV, festinhas, etc) e SEM PAGAR NADA.Por último... não entendi porque Advogados(as) questionam (ridicularizam e as tornam públicas) as decisões de Juiz.ME AJUDEM AÍ ! ! !
 
Nivaldo Silva em 16/07/2011 06:12:00
- Gente, não se trata aqui do réu ser pobre ou rico (embora isso pese vergonhosamente em prol da impunidade); mas o cara não matou estupidamente um pai de familia? Então, mesmo que tivesse grana, foi flagrante a prisão desse ser ... que continue trancafiado pelo bem e pela segurança dos semelhantes. Copiamos os USA em uma série de coisas, porque não copiamos também no quesito presídios e aplicação de penas? Lá o sujeito pode ser juiz, médico, advogado, promotor... o que for, cometeu uma barbárie dessas vai pagar sem a tal prisão especial, e quando é arbitrada uma fiança, esta é sempre milionária (no que concordo plenamente) justamente buscando a justiça tão alardeada por aqui, todavia inócua em seus efeitos por um conjunto de motivos que fogem à compreensão da maioria da população. Reforma do JUDICIARIO já...bem como do Código Penal e do Sistema prisional brasileiro, para que este ultimo não sirva apenas como um depósito de seres humanos que cometeram crimes, e que, uma vez dentro do sistema prisional, se eram bandidos "meia boca", agora serão bandidos de verdade e sairão "experts na arte da bandidagem", jamais ressocializados, excluída aí uma ínfima percentagem. Aos homens de bem desse país, saúde, paz e prosperidade, e vamos fazer a nossa parte em defesa do tão sofrido povo brasileiro. Alohah.
 
Zuza Ratier em 16/07/2011 05:39:21
Matou covardemente, a pauladas, agora dá uma de pobre pai de familia. O que um pobre pai de familia faz de madrugada na rua, e ainda bebado? É bom que não tenha mesmo como sair, porque o lugar dele é lá, na cadeia.
 
MARCIA MARIA em 16/07/2011 04:21:59
BRINCADEIRA...MATOU OU COMETEU QUALQUER CRIME GRAVE É SÓ PAGAR FIANÇA E PRONTO! LIVREEEEEE...
SE NÃO TÊM GRANA FICA NA CADEIA.SENDO QUE ASSASSINO COM OU SEM CRANA, DEVERIA APODRECER NA CADEIA.
ESSE É NOSSO PAÍS, LINDO MARAVILHOSO.MAS COM LEIS IMBECIS, IGUAIS A QUEM AS CRIOU.
 
juan charlymoon em 16/07/2011 02:08:00
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions