ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 24º

Capital

Animal que doa sangue salva vida, faz check-up e tutor economiza até R$ 480

Veja requisitos para doar: bolsas salvam cães ou gatos de tutores, que custeiam os exames dos doadores

Caroline Maldonado e Thays Schneider | 26/02/2023 07:35
Animal recebe sangue coletado pelo CHV (Centro de Hematologia Veterinária) (Foto: Divulgação/CHV)
Animal recebe sangue coletado pelo CHV (Centro de Hematologia Veterinária) (Foto: Divulgação/CHV)

Não é novidade que animais precisam de transfusão de sangue para sobreviver em casos de doença ou acidente. O que muita gente não sabe é como funciona a doação. Doar uma bolsa pode salvar até quatro vidas e o tutor recebe os resultados de exames sem custo, o que gera uma economia em torno de R$ 480 com o check-up.

Os bancos de sangue avaliam antes se o pet tem condições de ser doador. Não adianta procurar os bancos só para economizar, pois é importante que o animal se sinta confortável com a situação e esteja com saúde.

Dois bancos atendem a demanda de clínicas veterinárias de Mato Grosso do Sul. São eles o CHV (Centro de Hematologia Veterinária) e o BSA (Banco de Sangue Animal), que fica no LabDoc, um laboratório incubado no Hospital Veterinário Dom Bosco da UCDB (Universidade Católica Dom Bosco).

Requisitos e exames - O CHV faz coleta de sangue de cães e gatos. Para ser doador, o cão tem que ter 25 quilos ou mais e ter entre um e oito anos de idade. O gato tem que ser dócil, ter 4,5 quilos ou mais, ter entre um e oito anos e não ter acesso à rua. Os animais têm que estar com vacinas, vermífugos e antiparasitários em dia e não estar no cio, amamentando ou prenha.

No caso dos cachorros, são realizados os exames hemograma completo: ALT, FA, uréia, creatinina, PPT e frações; parasitológicos: PCRs negativos para as doenças anaplasma platys, babesia canis vogeli, dirofilaria immits, ehrlichia canis, leishmania infantum (chagasi) e tipagem sanguínea.

Profissionais do banco do CHV (Centro de Hematologia Veterinária) e cão doador de sangue após coleta (Foto: Divulgação/CHV)
Profissionais do banco do CHV (Centro de Hematologia Veterinária) e cão doador de sangue após coleta (Foto: Divulgação/CHV)

Os gatos passam por exames hemograma completo; ALT, GGT, uréia, creatinina, PPT e frações; parasitológicos: haemobartonella felis, cytauxzoon felis, Felv (Vírus da Leucemia Felina), FIV (Vírus da Imunodeficiência Felina) e tipagem sanguínea.

Gerente comercial do CHV, a médica veterinária Amanda Marchini Coelho explica que os gatos são sedados para a doação, mas os cães não.

O banco garante a segurança das bolsas por meio do PCR (Polymerase Chain Reaction), teste com o qual uma pequena região de uma molécula de DNA é amplamente copiada por uma enzima (a DNA polimerase), permitindo que a presença da carga viral no sangue do pet doador seja evidenciada precocemente, caso exista.

Os cães têm que gostar e se sentirem bem recebendo a gente na casa deles ou indo até o CHV. Isso também faz parte da nossa avaliação de doador. Não é só um proprietário que quer aproveitar que vai fazer bateria de exames. A gente gosta de acompanhar esse doador, temos o histórico deles, conhecemos hábitos, o que eles comem e buscamos saber se ficou bem após a doação. Tudo isso faz diferença para o animal que está recebendo o sangue”, detalha Amanda.

Cão recebendo sangue coletado pelo CHV (Foto: Divulgação/CHV)
Cão recebendo sangue coletado pelo CHV (Foto: Divulgação/CHV)

Já o BSA coleta sangue somente de cães. O banco faz o teste rápido para leishmaniose e dosagem de hemoglobina para avaliar anemia.

Caso o cão não tenha nenhuma dessas doenças, é feita a coleta da bolsa de sangue de aproximadamente 420 ml.

Após a doação, no laboratório do BSA é feito hemograma completo; teste 4DX (ehrlichia, anaplasma, dirofilaria e doença de lyme) e bioquímicos de função renal e hepática.

Não é qualquer animal que pode passar pelo procedimento, há requisitos, segundo a proprietária do BSA, a médica veterinária do BSA, Leizinara Gonçalves Lopes.

Assim como o Hemosul, sofremos com a falta de sangue animal no estoque. Existe uma demanda grande, pois há animais que não estão aptos a doar. Os animais não são sedados, o acesso é feito na veia no pescoço”, diz Leizinara.

Cão doador de sangue pelo BSA (Foto: Divulgação/BSA)
Cão doador de sangue pelo BSA (Foto: Divulgação/BSA)

Custos - Como o tutor do animal recebe todos os laudos dos exames realizados na doação de sangue sem custos, acaba economizando nos cuidados com o pet.

Para se ter uma ideia, em clínicas da Capital o teste rápido para leishmaniose sai por média de R$ 136, a dosagem de hemoglobina para avaliar anemia custa R$ 24, o teste 4DX (ehrlichia, anaplasma, dirofilaria e doença de lyme) sai por R$ 200 e bioquímicos de função renal e hepática e hemograma completo saem por R$ 125. Tudo isso daria R$ 485.

Os custos dos exames acabam sendo pagos pelos tutores dos animais que vão comprar aquelas bolsas de sangue. É feito um teste de compatibilidade antes da transfusão.

Primeira vez  - Pensando em ajudar outros animais, o educador físico Romeu Saravay Junior, de 50 anos, pesquisou sobre o assunto e buscou o Banco de Sangue Animal Doe Vida para coletar sangue dos dois cachorros da raça labrador golden em sua residência no Bairro Leblon.

A falta de informação sobre o assunto contribui para reduzir o número de doadores. Uma prima me falou sobre o assunto, pesquisei e resolvi ajudar outros animais. É satisfatório saber que meus animais podem salvar outros pets", comenta Romeu.

Educador físico Romeu Saravay Junior e os cães que são doadores de sangue (Foto: Arquivo Pessoal)
Educador físico Romeu Saravay Junior e os cães que são doadores de sangue (Foto: Arquivo Pessoal)


Nos siga no Google Notícias