ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, TERÇA  18    CAMPO GRANDE 31º

Capital

Antes dos médicos, administrativos da educação param por um dia

Lidiane Kober | 02/05/2015 09:42

Antes da greve dos médicos marcada para iniciar na quarta-feria (6), 2,3 mil administrativos da educação da Prefeitura de Campo Grande vão cruzar os braços na segunda-feira (4). A paralisação é de advertência e pode virar greve na quinta-feira (7), caso o Executivo Municipal não sinalize aumento de pelo menos dois dígitos.

As informações são do presidente do Sisem (Sindicato dos Servidores Municipais), Marcos Tabosa. “Os administrativos vão para a frente da Semed (Secretaria Municipal de Educação) protestar contra a falta de diálogo e perseguição de alguns diretores “, detalhou o sindicalista. Segundo ele, a Semed “só pensa em professor e o resto parece que não existe”.

Tabosa disse que os administrativos vão ficar em frente à secretaria o dia inteiro e, na quinta-feira, participam de assembleia para decidir de declaram greve. A prefeitura ficou de apresentar uma proposta de reajuste na quarta. A categoria promete paralisar se não ganhar aumento de dois dígitos e ampliação da bolsa alimentação.

Professores – Também na segunda-feira, os professores municipais vão se reunir às 14h. Eles cobram cumprimento de lei federal, com repasse de 13,01%, referente ao aumento do piso salarial, anunciado pelo Governo Federal em janeiro.

A reunião, segundo o presidente da ACP (Associação Campo-grandense dos Profissionais da Educação), Geraldo Alves, é apenas de mobilização porque o dia “D” da categoria será 11 de maio, quando a prefeitura ficou de anunciar se cumprirá a lei.

Já os professores estaduais prometem esperar até 15 de maio. Em janeiro, eles ganharam aumento de 13,01%, mas, conforme Alves, ficou para trás reajuste de 10,98%. “O governo prometeu repassar o aumento a partir deste mês”, disse. “E se o governo não decidir até o dia 15 terá enfrentamento”, avisou.

Nos siga no Google Notícias