ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SEGUNDA  21    CAMPO GRANDE 18º

Capital

Após surto de covid, 5 idosos de asilo morrem e 3 continuam internados

Superintendente do abrigo, Cleo Shamah, pedirá à Sesau que nova rodada de testes seja feita em moradores e funcionários

Por Anahi Zurutuza e Silvia Frias | 04/08/2020 12:32
Entrada do Asilo São João Bosco, no Bairro Tiradentes, em Campo Grande; visitas estão proibidas desde março, mas medidas não evitoou chegada de vírus a idosos (Foto: Kísie Ainoã)
Entrada do Asilo São João Bosco, no Bairro Tiradentes, em Campo Grande; visitas estão proibidas desde março, mas medidas não evitoou chegada de vírus a idosos (Foto: Kísie Ainoã)

Depois de óbito e testagem em massa que detectou 33 casos de covid-19 no Asilo São João Bosco, em Campo Grande, mais quatro idosos morreram. Três estão internados e a superintendente do abrigo, Cleo Shamah, pedirá à Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) que nova rodada de testes seja feita em moradores e funcionários.

Além do aposentado Lídio Chamorro, de 67 anos, idosos com idades entre 82 e 98 anos morreram. A vítimas são dois homens e duas mulheres, que não resistiram à doença entre os dias 20 e 31 de julho.

Um dos hospitalizados testou negativo para o novo coronavírus e já teve alta. Outros 3 moradores do asilo continuam internados. Nos Hospital Regional, estão um idoso de 72 anos e uma idosa de 101. O terceiro é do sexo masculino, tem 82 anos e está no Hospital Adventista do Pênfigo.

Ainda segundo a superintendente, a maioria dos que testaram positivo não precisaram de internação. “Todos os que ficaram na instituição fizeram o tratamento precoce da covid, com Ivermectina, Sulfato de Zinco e Vitamina D. Alguns usaram a Hidroxicloriquina, mas foram poucos. O tratamento foi prescrito pelo grupo "Médicos pela Vida Campo Grande", feito voluntariamente. Todos estão muito bem de saúde, nenhum precisou ir para o hospital”.

A testagem em massa foi feita após 4 internações. Foram examinados 105 funcionários e 65 idosos. Os resultados foram divulgados no dia 17 de julho.

Desde março deste ano, a instituição cancelou todas as visitas, fechou o bazar, além de ter cancelado atividades externas, sem qualquer previsão de retorno.