ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 27º

Capital

Asilo São João Bosco fará 100 anos contando história dos "avós de Campo Grande"

Serão lançados documentário e livro embasados por pesquisa minuciosa

Cassia Modena e Bruna Marques | 29/07/2023 16:30
Carta escrita à mão fala da abertura do asilo (Foto: Alex Machado)
Carta escrita à mão fala da abertura do asilo (Foto: Alex Machado)

Casa de acolhimento a idosos mais antiga de Campo Grande, o Asilo São João Bosco tem guardado muitas histórias durante sua vida longa e quase centenária. Elas serão contadas em um livro e um documentário com previsão de serem lançados em novembro deste ano.

O que começou em 23 de outubro de 1923 como obra social de "homens de boa vontade" ligados a grupo religioso Conferência Vicentina Nossa Senhora das Vitórias, atravessou o tempo cruzando a história da cidade de fundação. Por isso, além de buscar relatos e documentos, a pesquisa para as duas produções se atenta à relação do asilo com personagens envolvidos no crescimento da Capital.

A pesquisadora responsável é Melissa Tamaciro, ex-secretária de Cultura e Turismo de Campo Grande entre 2019 e 2020. Ela começou o trabalho em maio deste ano. A partir do que ela apurar, sairá o livro escrito por Sylvia Cesco, e o documentário produzido por Alex Prappas.

Melissa Tamaciro e os documentos já reunidos (Foto: Alex Machado)
Melissa Tamaciro e os documentos já reunidos (Foto: Alex Machado)
Página de jornal digitalizada, fonte de pesquisa (Foto: Alex Machado)
Página de jornal digitalizada, fonte de pesquisa (Foto: Alex Machado)

Entre cartas manuscritas, jornais, fotos e outros documentos, ela monta o quebra-cabeça que vai unir as histórias do asilo e da Capital numa linha só. O levantamento começa quando o lugar ainda se chamava Asilo da Velhice Desamparada, Indigente, Carente São João Bosco, e vai até a atualidade.

"Avôs e avós de Campo Grande" - Desde sua fundação, o São João Bosco se dedica a acolher idosos em vulnerabilidade social que não podem contar com cuidados da família. Tão importante quanto falar do abrigo dado a eles ao longo de quase 100 anos, é revelar quem esteve à frente ou se envolveu nos trabalhos do asilo, trazendo reconhecimento para a instituição, afirma Melissa.

Ela considera todos os personagens da pesquisa "avôs e avós de Campo Grande". Com isso, a pesquisadora ata o laço familiar da instituição com a cidade.

Pesquisadora diz que trabalho tem afeto, emoção e resgate de história de Campo Grande (Foto: Alex Machado)
Pesquisadora diz que trabalho tem afeto, emoção e resgate de história de Campo Grande (Foto: Alex Machado)
Outra carta, mais recente (Foto: Alex Machado)
Outra carta, mais recente (Foto: Alex Machado)

"Isso carrega bastante emoção e muito afeto, porque tem relevância para nossas histórias, tal qual é a relevância de estar aqui e entregar o alimento todos os dias para os idosos", diz Tamaciro. A pesquisa terá reflexos no futuro, ela prevê. "Registrar isso é registrar a importância do que seremos nós amanhã, porque amanhã seremos nós a precisar de um cuidado e honra de tudo o que fizemos pela cidade. Chega amanhã, muitas dessas histórias podem ser esquecidas. É importantíssimo contar".

Entre os atores mais relevantes, ela cita o próprio fundador, Adalberto Barreto e familiares ligados ao cartório Santos Pereira, além de Bernardo Franco Baís, que doou o terreno da primeira sede. "É impressionante entender que, de alguma forma, seus antepassados tiveram relação com esse asilo sem você entender", finaliza a pesquisadora.

Coleção 100 anos - Além do resgate histórico, o Asilo São João Bosco lançou uma coleção especial de canecas, garrafas e camisetas assinada pelo artista plástico Cleir. Todas têm ilustradas duas araras-azuis "se embicando", que simbolizam o companheirismo que a instituição oferece às pessoas acolhidas na reta final de suas vidas.

A atual superintendente executiva do local, Cleópatra Shamah, explica que a parceria comemora os 100 anos e servirá para arrecadar fundos para manutenção do asilo. "São necessárias fraldas, alimentos e insumos em geral, necessários para cuidar dos acolhidos". Atualmente, são 90 idosos vivendo na casa.

Superintendente, Cleóprata usa camiseta da coleção (Foto: Alex Machado)
Superintendente, Cleóprata usa camiseta da coleção (Foto: Alex Machado)

Para comprar os itens da coleção, é só ir até o bazar permanente que fica na atual sede do asilo, na Avenida José Nogueira, no Bairro Tiradentes, ou clicar aqui. Outra forma é procurando o estande do São João Bosco na festa da Paróquia Nossa Senhora da Abadia, que será realizada entre 3 a 13 de agosto nos altos da Avenida Afonso Pena.

Nos siga no Google Notícias