A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

19/06/2013 19:25

Atropelamento de babá e crianças revela risco de calçadas bloqueadas

Viviane Oliveira
Aparecido teve que passar pela enxurrada porque na calçada não dava. (Foto: Cleber Gellio)Aparecido teve que passar pela enxurrada porque na calçada não dava. (Foto: Cleber Gellio)
Calçada obstruída com material de construção na rua Dário Filho com a rua Júlio Takeshi. (Foto: Cleber Gellio)Calçada obstruída com material de construção na rua Dário Filho com a rua Júlio Takeshi. (Foto: Cleber Gellio)

Na maioria dos bairros de Campo Grande andar sobre a calçada se tornou uma tarefa impossível, isso porque entulhos e mato alto passaram a ocupar a passagem destinada aos pedestres.

Na manhã desta quarta-feira (19), uma adolescente de 16 e duas crianças de 4 e 6 anos foram atropeladas por um veículo no entroncamento da rua Dario Anhaia Filho, com a Júlio Takeshi, no bairro Parque do Sol, quando desviaram da sujeira na calçada.

No mesmo local do acidente, a reportagem do Campo Grande News flagrou a dificuldade do vigilante Aparecido Guhen, de 58 anos, em passar na calçada lotada de areia e pedra.

Para desviar do entulho, o pedestre teve que caminhar pela enxurrada que se formou no meio fio após chover. “A rua é muito movimentada e tem crianças que passam todos os dias para ir à creche. Aqui é impossível passar pela calçada por causa da quantidade de entulho obstruindo a passagem”, reclama Aparecido.

Há mais de um mês os moradores contam que o vizinho, que está reformando a casa, encheu a calçada com materiais de construção. “Não é só aqui, em vários lugares a gente tem que andar pela rua e correr o risco de ser atropelado, porque na calçada não tem jeito de caminhar”, reclama.

Além das pedras, quando chove a passagem fica impossível no local que deveria ser calçado, na avenida Raquel de Queiroz no bairro Aero Rancho.(Foto: Cleber Gellio)Além das pedras, quando chove a passagem fica impossível no local que deveria ser calçado, na avenida Raquel de Queiroz no bairro Aero Rancho.(Foto: Cleber Gellio)

No bairro Aero Rancho, próximo da Escola Municipal Irene Szukala, na avenida Raquel de Queiroz, os moradores são obrigados a caminhar na rua, isso porque uma parte da calçada está coberta com mato e a outra parte simplesmente não foi calçada.

“Eu prefiro andar na rua porque quando chove vira lama e quando está seco as pedras atrapalham a passagem no trecho que não é calçado”, reclama Daiana Garcia, de 25 anos.

O Decreto n°11.090 de 2010, que regulamentou a Lei 2.909/1992, diz que as calçadas devem ter uma faixa livre e desimpedida de obstáculos para o trânsito de pedestres e uma faixa de serviço, destinada à implantação do chamado mobiliário urbano, como pontos de ônibus, táxis e outros.

A medida prevê que, pelo menos na teoria, o pedestre possa contar com pelo menos 1,5 metros para a passagem.

Babá e duas crianças são atropeladas ao desviar de entulho no Parque do Sol
Uma adolescente de 16 anos e duas crianças de 4 e 6 anos foram atropeladas na manhã desta quarta-feira, quando iam para o Ceinf (Centro de Educação I...
Abstenção em concurso da Câmara Municipal da Capital passa dos 30%
O domingo (17) foi de provas para milhares de campo-grandenses, tanto na manhã como no período da tarde, no concurso da Câmara Municipal, que segundo...
Com forte dores, mulher reclama de falta de atendimento em UPA
Mesmo apresentando fortes dores e inchaço na região do estômago, sem conseguir comer a três dias, uma mulher que procurou atendimento na UPA (Unidade...
Problema rotineiro, chuva causa alagamentos no bairro Cidade Morena
A chuva que atingiu Campo Grande no fim da tarde deste domingo (17) causou vários problemas à população, desde alagamentos a problemas estruturais em...


infelizmente essa é nossa realidade o governo cobra dos moradores a fazerem calçadas na frente de suas casas mas eles próprios não fazem isso onde são de responsabilidade deles
 
daiana garcia em 20/06/2013 11:17:10
Bem no começo da rua Mocho, Recanto dos Pássaros, tem uma ruazinha sem asfalto e que basta uma chuvinha de nada para trazer um montão de lama e pedrinhas para a preferencial e assim sendo, ou nos atolamos literalmente no lamaçal ou vamos lá para o meio da Mocho onde está sempre passando algum veículo que vem do Zé Pereira para a Ana Maria do Couto se quisermos achar algum lugarzinho mais sólido e menos empapado para pisar.
 
Lucia Maria Miranda em 20/06/2013 11:17:09
Nos pedestres ficariamos muito contente se a Prefeitura colocassem os Fiscais da Postura para retirarem das calçadas os Ambulantes , Bancas de Revista, mesas com cadeiras de bares que atrapalham o nosso direito de ir e vir
 
Ari Ferreira em 20/06/2013 10:26:12
Aqui no coophasul são os carros que ficam em cima da calçada obstruindo a passagem de pedestre, e a lei 2.909/1992 não foi criada para ser cumprida.
 
Herimar de Arruda Franco em 20/06/2013 09:59:34
Para melhorar isto, tem que ser como nos estados uidos, a prefeitura faz a calçada todas padrão e depois arruma um jeito de descontar nas contas púlblicas.
 
antonio costa em 20/06/2013 09:10:29
E cade o Bernal? Deve estar olhando o facebook pra saber quem ele ataca dessa vez. E as calçadas estão por ai, sem ninguem que interceda à favor dos transeuntes. O Sr. Bernal vai achar um jeito de culpar a antiga gestão. Mas fazer alguma coisa, não faz mesmo. Mas as mudanças que o povo queria, estão ai pra todo mundo ver...
 
Jéssica Santos em 20/06/2013 09:09:28
aqui no bairro universitario quase esquina com a Pontalina, tem um comodato, com plantas e arvores tomando toda a calçada. temos que passar em plena av guaicurus para chagar na proxima calçada, com ônibus e caminhões passando do nosso lado. As autoridades só vão tomar medidas quando infelizmente alguem sofrer um grave acidente
 
ana da silva em 20/06/2013 08:15:55
Se o problema fosse só nos bairros, até se entenderia, pois a maioria das pessoas que moram em bairros são pessoa de baixo nível cultural e poucos conhecem as leis, e a fiscalização é muito mais precária, mas o problema também acontece no centro da cidade, onde existem empresas, prédios públicos e a fiscalização deveria ser mais constante. Em frente ao Fórum, na Rua da Paz, a calçada do prédio da Cia P Tran, que é um órgão público, é impossível de se andar, na verdade, nem calçada existe mais lá, é um amontoado de cascalhos e entulhos, raízes de árvores e tudo o mais, e ninguém faz nada pra arrumar essa situação e isso porque é bem perto da prefeitura, que só sabe cobrar do cidadão que, se quizer, que ande na rua, correndo riscos a todo momento.
 
Ivone Arguelho em 20/06/2013 07:23:55
Conversa fiada. É claro que existe problemas com calçadas mas vileiro gosta mesmo é de asfalto. Inclusive quando eles vêm para o centro é um inferno. Você sobe a Afonso Pena de carro e costuma quase passar por cima das pessoas que se aglomeram ao invés da calçada já na pista de rolagem e ainda querem achar rui . É impressionante.
 
Carlos Roberto em 20/06/2013 07:17:57
Aqui na Nhanhá o problema são os carros que passam o dia em diversos locais, num deles na Rua Dos Peixes frente ao nº 498 o sujeito deixa vários carros o dia todo na calçada, já denunciei na Agetran, Semadur e Ciptran que nada fazem, o resultado tá aí!
 
Junior Ferreira em 19/06/2013 23:18:08
Aqui no Estrela do Sul, na avenida nova que liga com a Ernesto Geisel, o prefeito manda cortar os matos e varre as ruas, mas infelizmente esquece de recolher os entulhos que invadem a pista, atrapalhando os carros de trafegar na pista e alem de tudo os desvios que os carros tem que fazer pra não se chocar com os entulhos todos os dias quase se chocam com os carros que vem no sentido contrario e quase causam acidentes, ai pra piorar, vem a chuva e vira uma lama com lixo na pista e o pedestre é quem sofre. e ai prefeito???!!!!
 
Helena saviolli em 19/06/2013 22:22:37
Absurdo como se apossam de espaço público em Campo Grande, ao cúmulo de demarcar espaço para estacionamento frente à comércio, ou com canteiros, obras privando o pedestre, na r. Oliva Enciso tem uma fábrica de artefatos de gesso que fechou a calçada para obra em dezembro passado, e continua fechado, não compro gesso lá.
 
Suzi Costa em 19/06/2013 21:34:07
As pessoas tem que ter o hábito de fazer valer os seus direitos , se o vizinho colocou algo na calçada que esteja atrapalhando os transeuntes tem por obrigação e direito de ligar na prefeitura e reclamar, em Curitiba por mais amigo que o vizinho seja eles fazem a reclamação não tem essa de passar a mão da cabeça só porque é vizinho ou amigo, e a cidade é limpíssima, aqui também pode funcionar, é só reclamar e cobrar se não for atendido, tenho certeza que funciona.
 
helena da costa andrade em 19/06/2013 21:00:18
É só denunciar na prefeitura que notifica eles, aí vão limpar rapidinho. Aqui na minha rua a calçada estava intransitável, e só resolveu assim. Acho que tem que ligar na semadur e fazer denuncia.
 
Marcia França em 19/06/2013 19:45:17
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions