ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SEGUNDA  26    CAMPO GRANDE 25º

Capital

Bairro deixou de ser "patinho feio", mas rua continua congelada no tempo

Três personagens tradicionais do Itamaracá dizem que em 20 anos tudo mudou na região, menos a Rua Salomão Abdala

Por Aletheya Alves | 26/09/2020 11:03
Foto registrada em 2000 mostra esquina da Avenida Guaicurus com Rua Salomão Abdala. (Foto: Paulo César Marques)
Foto registrada em 2000 mostra esquina da Avenida Guaicurus com Rua Salomão Abdala. (Foto: Paulo César Marques)

Vinte anos de memórias unem três personagens já tradicionais no Bairro Itamaracá. Deixando claro que nem toda lembrança é boa, eles contam que tudo na região mudou, menos 400 metros da Rua Salomão Abdala. Ali, tudo parece congelado.

Hoje o assunto é da região próxima à Avenida Guaicurus, mas você também pode enviar uma sugestão de pauta. Confira matérias de outros bairros clicando nos ícones do Campo Grande News indicados no mapa abaixo:

Memórias que seguem presentes - Mais do que guardar as imagens do bairro na mente, Paulo César Marques, de 58 anos, tem a visão revelada em fotos de duas décadas atrás. Proprietário de oficina na Avenida Guaicurus, esquina com a Salomão Abdala, o morador conhecido como “Macarrão” diz que quando chegou por ali, era “tudo mato”.

Rua Salomão Abdala, entre a Avenida Guaicurus e Rua Filomena Segundo Nascimento. (Arte: Campo Grande News)
Rua Salomão Abdala, entre a Avenida Guaicurus e Rua Filomena Segundo Nascimento. (Arte: Campo Grande News)

Conectando os bairros Jardim Pacaembu, Itamaracá e Rita Vieira, a via tem partes asfaltadas e outras ainda de terra. No Itamaracá, o problema se estende por quatro quadras, desde a Rua Filomena Segundo Nascimento, que parecem se ampliar conforme os moradores descrevem o incômodo.

No Jardim Itamaracá são cerca de 400 metros sem asfalto na Rua Salomão Abdala. (Foto: Kísie Ainoã)
No Jardim Itamaracá são cerca de 400 metros sem asfalto na Rua Salomão Abdala. (Foto: Kísie Ainoã)

Permanecendo cético, Paulo relata que viu o bairro se integrando à cidade e deixando de ser o patinho feio de Campo Grande, mas explica que a falta de asfalto ao lado da oficina faz o passado continuar se mostrando.

São 20 anos aqui vendo essa situação e sentindo vergonha dessa rua porque tudo muda, o bairro virou outro desde que cheguei aqui, mas a rua continua a mesma coisa. Você vê que é movimentada demais e o povo sofre para passar por ela".

Depois de tanto tempo no Itamaracá, Macarrão diz que um ritual se repete a cada quatro anos para manter esperança do asfalto chegar por ali. “Toda vez que começa um mandato novo, a gente renova a crença de que essa parte vai melhorar. É acreditar que a mudança vem em algum momento”.

Paulo César Marques, de 58 anos, diz que esperança se renova a cada quatro anos. (Foto: Kísie Ainoã)
Paulo César Marques, de 58 anos, diz que esperança se renova a cada quatro anos. (Foto: Kísie Ainoã)

De acordo com a assessoria de imprensa da Prefeitura de Campo Grande, o trecho citado por Paulo faz parte do “Projeto Bálsamo”, que irá implantar acesso às Moreninhas. A informação é que ajustes estão sendo feitos no projeto para retomada da obra que prevê a chegada do asfalto nesta via em toda sua extensão, desde a Rua Filomena Segunda.

Outras consequências - Um pouco mais pessimista, Carlos Bezerra Lins, de 55 anos, diz que o bairro é salvo pelos moradores.

Tenho 25 anos de bairro e sei que tem muita coisa ruim, outras ruas também precisam de asfalto, mas acho que o ápice é essa aqui porque é a parte em que mais tem movimentação”.

Ele puxa na memória que há seis anos participou junto com Paulo de protesto na Avenida Guaicurus.

Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

Teve fogo em pneu e trânsito parado tentando chamar atenção para falta de recapeamento. Nossa vontade é de repetir a dose pedindo asfalto para esse trecho da Salomão.

Situação também complicada no local é a vegetação que cresce em espaços vazios. “A gente limpou e tirou o mato que estava aqui na esquina com a Guaicurus porque não tinha nem condição de enxergar o que tinha dentro. Um perigo ainda maior durante a noite e logo volta a crescer”, diz.

Vegetação em espaço foi queimado há poucos dias, de acordo com moradores. (Foto: Kísie Ainoã)
Vegetação em espaço foi queimado há poucos dias, de acordo com moradores. (Foto: Kísie Ainoã)

Focando no perigo da rua, a balconista Edna Regina dos Santos, de 49 anos, fala sobre como têm sido os 20 anos de trabalho em comércio na rua do incômodo. Para ela, é impossível continuar por ali depois das 18h.

De noite mesmo nem tem como passar por aqui porque a sensação é de perigo. Eu saio antes do anoitecer porque não tenho coragem de ficar por perto. É um espaço curto sem asfalto e faz uma diferença enorme.

Sem reclamar muito, Edna respira para responder se acredita em solução para o problema. “A região aqui é boa, tem violência e acontecem algumas coisas complicadas, mas em qual bairro é diferente? Eu tenho fé de que em algum momento a mudança chega”.

Tem sugestão? - Já pensou em alguma sugestão de matéria sobre o seu bairro? Entre em contato com o Campo Grande News pelo Direto das Ruas no número (67) 99669-9563 ou clicando aqui.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário