ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, QUINTA  13    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Cadela Laika volta para casa com equipe após localizar vítimas soterradas

Militares estavam atuando nas buscas de família que foi soterrada em Roca Sales, no Rio Grande do Sul

Por Clara Farias | 27/05/2024 13:23
Equipe do Corpo de Bombeiros que retornou do Rio Grande do Sul (Foto: Divulgação)
Equipe do Corpo de Bombeiros que retornou do Rio Grande do Sul (Foto: Divulgação)

Após 13 dias atuando no resgate de vítimas atingidas pela enchente no Rio Grande do Sul, equipe com cachorro farejador retornou à Capital. A equipe é composta pelo sargento Thiago Kalunga, os soldados Jéssica Lopes, Humberto Nunes e a cadela Laika. Os militares foram recepcionados pelas famílias, e outros cachorros especializados do Corpo dos Bombeiros.

Para o sargento Kalunga, o que mais marcou nos dias de operação foi encontrar bombeiros gaúchos atuando. "Nós somos ensinados não ficar se emocionando com as ocorrências, e o que me marcou foi ver ali, bombeiros que perderam tudo, do nosso lado, trabalhando", comentou.

A soldado Jéssica Lopes contou que esta foi a primeira ocorrência que atendeu fora do Mato Grosso do Sul, e encontrou militares de diversas regiões do Brasil no local. "Só na nossa área de atuação eram de cinco estados e apesar de sermos de diferentes escolas, estávamos todos falando a mesma língua, querendo ajudar e resolver", contou ela.

Da esquerda para direita, soldado Humberto Nunes, Jessica Lopes, sargento Thiago Kalunga e Laika (Foto: Divulgação)
Da esquerda para direita, soldado Humberto Nunes, Jessica Lopes, sargento Thiago Kalunga e Laika (Foto: Divulgação)
Cachorra Laika chegando em Campo Grande (Foto: Divulgação)
Cachorra Laika chegando em Campo Grande (Foto: Divulgação)

Em Roca Sales, a equipe buscava por uma família, composta por seis pessoas, que havia sido soterrada após a enchente e desmoronamento da cidade. As pessoas moravam em uma área rural, e tinham uma criação de 500 porcos, o que dificultou na hora da busca. O sargento explica, que os corpos estavam soterrados a três metros de profundidade.

"Como veio o chiqueiro para cima da casa, dependendo do estágio de decomposição do suíno, ele se assemelha ao do corpo humano. A gente percebia que atrapalhava um pouco. Quando as cadelas começaram a indicar, a gente começava a ficar desconfiado, ai cavamos superficialmente e encontrávamos um suíno", comentou o sargento.

Dias depois, com o auxilio de maquinário, um dos locais que as cadelas indicaram, era o local onde essas pessoas estavam soterradas. "Cheguei a conclusão que o cão não erra. Escava e encontrar, foi muito satisfatório", finalizou ele. Para Jéssica, o trabalho da equipe era para devolver o que ficou para as famílias. "Agora eles podem encerrar esse ciclo, enterrar a família. Quanto tempo demoraria se não estivéssemos com os cães?" contou.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias