A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

01/06/2016 13:56

Caminhoneiro é condenado a 13 anos e seis meses por matar ex-mulher

Durante julgamento nesta quarta-feira (1°), réu chorou e disse ter sido chamado de "corno" pela vítima

Leandro Abreu
Réu foi julgado na manhã de hoje, em Campo Grande. (Foto: Guilherme Henri)Réu foi julgado na manhã de hoje, em Campo Grande. (Foto: Guilherme Henri)

O caminhoneiro Ney Calisto Ribeiro, 41, que matou a ex-mulher Sirlei Machado Ferreira em 2013, foi condenado a 13 anos e seis meses de prisão em regime fechado pelo crime de homicídio duplamente qualificado por motivo torpe e sem possibilidade de defesa para a vítima. O crime aconteceu no dia 25 de maio, no Jardim Canguru. O acusado chorou durante o julgamento nesta quarta-feira (1°) e disse ter sido chamado de “corno” pela vítima.

Mesmo o crime tendo ocorrido em 2013 e a prisão preventiva de Ney ter sido pedida em 2014, o acusado estava em liberdade até hoje. Durante o depoimento no julgamento de hoje, o réu relatou que na época já não dormia no mesmo quarto que a mulher há dois meses, porque ela não queria mais o relacionamento. No dia do crime, Ney seguiu a ex, que foi para a conveniência com uma amiga. Em determinado momento, Sirlei saiu do local com a colega e as duas entraram em uma caminhonete com dois homens. Continuando a “perseguição”, ele conseguiu parar ao lado do carro e atirar na mulher, que morreu no local.

Antes de disparar, o réu contou que pediu para conversar, mas mesmo assim atirou. “Ela me chamou de corno e na hora fiquei cego”. Ney tem uma filha com Sirlei, que na época do crime tinha 9 anos.

Sobre o revólver, o caminhoneiro disse que usava para se defender pois era assaltado com frequência, por conta da profissão. O juiz Aluízio Pereira Santos destacou que o tiro foi certeiro, atingiu o coração da vítima.

O caso - Depois de três dias do crime, o caminhoneiro se apresentou junto com um advogado na Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher), confessou ter matado a ex-mulher e justificou dizendo que ficou “cego”. Na época ele contou que a vítima tentou agredi-lo e que, quando percebeu, já havia cometido o crime. Após o homicídio, Ney fugiu em uma Honda Biz que foi encontrada abandonada na avenida Manoel da Costa Lima. Ele não tinha ficha criminal.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions