ACOMPANHE-NOS    
MARÇO, SÁBADO  06    CAMPO GRANDE 23º

Capital

Cano de vizinho estoura e lojas ficam inundadas no Centro

Lojas amanheceram com água jorrando pelo teto após cano de vizinho estourar na Rua 13 de Maio

Por Ana Paula Chuva | 25/01/2021 15:28



Três lojas na Rua 13 de Maio ficaram inundadas após um cano estourar no comércio de um vizinho. Nos estabelecimentos a água que vazou pelo telhado molhou vários produtos que estavam nas prateleiras e balcões, além do chão e paredes. Em duas o prejuízo é estimado em R$ 40 mil.

O dono de duas das três lojas, contou ao Campo Grande News que nesta manhã o cano do vizinho estourou e inundou o dois estabelecimentos dele, um sexy shop e uma loja de cosméticos e uma loja de celular que fica ao lado.

“A gente não tem quase acesso para subir nos prédios aqui do Centro que são muito antigos e altos, então um cano estourou no vizinho e inundou as lojas, mas ele não tem culpa”, disse Frank Rossatte da Cunha Barbosa.

Segundo ele, a quantidade de água que vazou foi suficiente para inundar as três lojas e só nas duas dele o prejuízo é de ao menos R$ 40 mil em produtos.

“Encharcou tudo. Pó compacto, batons, paletas de sombra, tudo molhou e são produtos caros de maquiagem. Eles estavam dentro dos suportes que encheram de água. Perdi tudo. N a loja de cima que é um sexy shop também, os produtos, carpete, fantasias, tudo molhado. É complicado”, destacou o comerciante.

Piso de uma das lojas tomado pela água. (Foto: Reprodução | Vídeo)
Piso de uma das lojas tomado pela água. (Foto: Reprodução | Vídeo)

Ele ainda explicou que o dono do espaço que ele aluga foi até o local para tentar resolver, mas que não é responsabilidade dele e sim do vizinho e da imobiliária responsável pelo prédio.

“A água que vazou veio do vizinho e a contagem dele de água sempre roda muito alta. Ele também teve prejuízo junto com a gente. O dono do espaço veio tentar resolver, mas o problema não é dele, no entanto a imobiliária responsável até agora não apareceu”, contou.

As lojas de Frank completam dois anos em março deste ano e que os comerciantes foram registrar um boletim de ocorrência para tentar resolver o problema.

"Agora que estávamos conseguindo ter estoque, estruturar a loja. A gente registrou um boletim de ocorrência porque até agora aqui resolver o problema", finalizou.

A reportagem tenta contato com os envolvidos, mas ainda não teve retorno.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário