ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SEGUNDA  04    CAMPO GRANDE 24º

Capital

"Cenas de crime contaminadas atrapalham trabalho da polícia", diz delegada

Karen Viana reforça que é comum as pessoas se movimentarem em locais de crimes podendo comprometer provas

Por Danielly Escher | 20/11/2023 13:45
Delegada Karen Viana durante curso sobre preservação de provas (Foto: Divulgação)
Delegada Karen Viana durante curso sobre preservação de provas (Foto: Divulgação)

Após um crime, é comum as pessoas aguardarem socorro acionando bombeiros e a Polícia Militar. Junto, podem surgir “curiosos”. Movimentação que pode alterar a cena prejudicando a coleta de provas. “Quando falamos em dificuldade de local de crime, a principal encontrada, principalmente pelo desconhecimento da sociedade, é dessa interação com o ambiente”, conta a delegada Karen Viana, que recentemente deu um curso de atualização e padronização na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher sobre busca, preservação, valorização da prova e local de crime.

O clima, incluindo temperaturas baixas ou altas, chuva ou sol, também pode interferir. Toda e qualquer forma de modificação de local é registrada no laudo pericial. Assim, segundo a delegada, o perito consegue visualizar uma dinâmica, vislumbrar se o que foi relatado é compatível com a cena de crime, por isso é tão necessário que a população observe e respeite quando há um local de crime. “A orientação principal é não interagir com a cena, não adentrar, não mexer. Viu que aconteceu um crime, acione a autoridade competente”, alerta Karen Viana.

De acordo com a polícia, existem exceções para situações em que a vítima ainda possa estar viva. Nesse caso, é autorizado acesso ao local para pedir ou prestar socorro. Outra exceção vale para quando há algum objeto que possa causar mais risco ficando exposto. Nessa situação, a pessoa pode guardar, tirando o risco temporário e entregar à autoridade.

Se houver uma arma de fogo, por exemplo, deixada pelo autor ou pela vítima e havendo outras pessoas no local, para evitar que a arma se perca, que haja mais risco ainda, é possível que este local seja mexido neste sentido apenas, mas isso tudo é informado às autoridades policiais para constar no laudo”, detalha a delegada.

Karen Viana reforça que todos os elementos colhidos no local do crime são de extrema importância para não prejudicar o inquérito policial que vira um processo judicial, segue para o Ministério Público fazer a denúncia e eventualmente levar ao Tribunal do Júri.

Ainda de acordo com a delegada, é importante que nada seja alterado porque muitos destes elementos não poderão ser reproduzidos futuramente como exemplo de perícia de local.

O ideal é preservar a forma como foi encontrada a cena com as fotos tanto da perícia como a recognição visuográfica envolvendo toda essa primeira impressão da autoridade policial que esteve no local de crime, que conversou com as testemunhas oculares ou não que passaram ali”, explica a delegada sobre porque as primeiras informações são essenciais para uma investigação e conclusão do inquérito.

Entre os exemplos mais emblemáticos sobre como a falta de preservação de provas pode comprometer uma investigação está o “Caso Motel”, ocorrido 18 anos atrás em Campo Grande. Os jovens Murilo Boarin Alcalde e Eliane Ortiz, ambos de 21 anos, foram assassinados por asfixia e até agora o crime está impune.

Eliane trabalhava como garota de programa na Mariza's American Bar. Murilo era acadêmico de Administração e, na noite de 20 de junho de 2005, foi até a casa noturna, onde acabou se encontrando com a jovem. De lá, Murilo saiu acompanhado de Eliane para outro local. Os dois jovens foram encontrados no dia seguinte. Estavam mortos, dentro do quarto 42 de um motel. O quarto não foi preservado, o que se mostrou um dos vários problemas que a investigação se deparou no decorrer dos meses.

A investigação relatou que o casal foi emboscado depois de ter saído da boate. Eliane foi asfixiada com uma meia masculina, sendo a primeira a morrer. Murilo foi imobilizado e também sufocado. Os dois foram colocados no carro do rapaz e levados ao motel, onde a cena do crime foi montada.

O MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) apontou, ainda, o que considerou falhas na investigação: a meia masculina usada para asfixiar Eliane desapareceu, pertences das vítimas foram parar no lixo, não houve coleta suficiente de urina da jovem, além de não ter sido colhido material semelhante a esperma encontrado nela. Também foi citada a presença de policiais que não faziam parte da investigação durante a necropsia.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias