A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

19/08/2013 06:55

Cidade tem tanto passageiro que já precisa de aeroporto 4 vezes maior

Evelyn Souza
Movimento do aeroporto cresceu 378% nos últimos anos. (Foto: Cleber Gellio) Movimento do aeroporto cresceu 378% nos últimos anos. (Foto: Cleber Gellio)
Cidade tem tanto passageiro que já precisa de aeroporto 4 vezes maior

Campo Grande possui hoje cerca de 805 mil habitantes, de fato, a cidade cresceu, o poder aquisitivo também e o aeroporto da cidade, já não suporta tamanha demanda. Isso porque com correria do dia-a-dia, os campo-grandenses querem cada vez mais agilidade, praticidade e rapidez. Seja para uma viagem de reunião de negócios, um passeio com a família ou um bate volta de fim de semana. Sem contar que a cidade recebe visitantes, de outras regiões.

Prova disso, é que o número de passageiros do Aeroporto Internacional já ultrapassa a metade do valor total registrado no ano passado. De acordo com a Infraero, de janeiro a julho desse ano, 911.366 pessoas embarcaram e desembarcaram no aeroporto da Capital. No ano passado, o número chegou a 1,6 milhão.

Para se ter uma ideia ainda maior, por dia, uma média de 4.475 passageiros passam pelo aeroporto. O aumento é de 378%, se comparado há vinte anos, onde número era de 934.

Mas a notícia boa, é que a Cidade Morena, finalmente, ganhará um novo aeroporto. A parte ruim da história, é que apesar das obras começarem em 2014, ele só deve ficar pronto em 2017.

Segundo o secretário estadual de Planejamento, Carlos Alberto Negreiros Said Menezes, a Infraero já está desenvolvendo projetos executivos de engenharia para a construção do novo aeroporto, que deve ser quatro vezes maior que o atual. Ainda de acordo com o secretário, os estudos ambientais já foram concluídos e o próximo passo agora é começar o processo de licitação e dar início as obras.

“A cada 20 anos a Infraero faz uma atualização de plano diretor, que mostra as projeções que precisam ser feitas. A de Campo Grande terminou no ano passado e mostrou que realmente precisamos de um espaço maior para atender o público”, explicou.

E quem está curioso com a localização, não crie muita expectativa. O espaço será o mesmo, a pista será estendida, novos terminais para passageiros e um novo pátio para aeronaves serão construídos.

Como o aeroporto da cidade ainda não é concessionado, os projetos executivos, assim como a administração e o controle de operação, ficarão por conta da Infraero. Nas obras, o Estado ficará responsável pela parte de acesso a serviços, como regularização ambiental, investimentos na parte de infraestrutura e logística, sistema de desenvolvimento de energia, telecomunicações, sistema viário e drenagem.

Depois de pronto, o novo aeroporto vai atender a aviação comercial de passageiros e voos de cargas. Enquanto o antigo (atual) servirá de apoio a Base Aérea e o Batalhão de Helicóptero do Exército Brasileiro e aviação regional.

 

Taxista reclama da estrutura para trabalhar. (Foto: Cleber Géllio)Taxista reclama da estrutura para trabalhar. (Foto: Cleber Géllio)
Claudia, pronta para seguir viagem com a família para SP, depois, Chile. (Foto: Cleber Gellio)Claudia, pronta para seguir viagem com a família para SP, depois, Chile. (Foto: Cleber Gellio)

Mas o grande fluxo não é só sinal de aperto, mas também, de aumento de trabalho para o seu Devair Vargas. Taxista desde 1993, conta que só de conversas, conhece o país inteiro. Em relação aos clientes, confessa: "Nesses 19 anos já vi gente de todo tipo. Os mais ricos, são sempre os mais educados”, diz. Em relação à infraestrutura, ele faz o apelo: "precisa melhorar".

Roselida Padilha, não soube dizer muita coisa sobre o aeroporto, afinal, estava “voando” pela primeira vez. Isso porque o filho estava indo para o Rio de Janeiro, participar de uma maratona nacional, daí aproveitou a "carona". "Pelo menos não vou sozinha né", conta a professora.

A praticidade de viajar de avião é vantagem para quem precisa chegar rápido e principalmente, para que mantém relacionamentos à distância. Como a advogada Claudia Carlesso, 26 anos. Moradora de Dourados veio de carro até Campo Grande. Junto com o pai, a mãe e o irmão, vão direto para São Paulo, onde está o namorado e em seguida, todos seguem para o Chile.

Agente de viagens e casal de namorados, que desembarcaram na Capital e seguiram para Bonito. Agente de viagens e casal de namorados, que desembarcaram na Capital e seguiram para Bonito.
Professora na expectativa, para andar de avião pela primeira vez. (Foto: Cleber Gellio)Professora na expectativa, para andar de avião pela primeira vez. (Foto: Cleber Gellio)

E quando se trata de desembarque, é comum ver agentes de viagem segurando aquele papelzinho, com o nome de uma pessoa ou de um grupo. Odineia Santos Leite, 38 anos, por exemplo, aguardava 28 pessoas, que compraram pacote para conhecer Bonito.

Entre eles, o casal de namorados, Miguel Vieira, 30 anos e Amanda Ferraz, 24, de São Paulo. “Compramos antecipado, por um site de compras coletivas, que pena que tá frio né?”, disse a fonoaudióloga um pouco desapontada com as baixas temperaturas do Estado.

E não é possível falar em aeroporto, sem citar aqueles que costumam passar horas do dia, principalmente dos fins de semana, no mirante da cidade, olhando pousos e decolagens. “Isso aqui é uma forma de meditação, a gente vem, olha, pensa. Costumo vir todos os finais de semana”, diz o funcionário público, Rubens José Joaquim, 46 anos.

Visão do mirante, construído em frente ao aeroporto. (Foto: Cleber Gellio) Visão do mirante, construído em frente ao aeroporto. (Foto: Cleber Gellio)


Se privatizar o problema será resolvido. Na gestão da Infraero, esquece que nada vai acontecer.
 
Paulo Campos em 19/08/2013 13:37:51
Concordo plenamente com a ampliação de mais vôos diretos. Campo Grande já poderia ter um vôo direto p/ pelo menos duas cidades do nordeste. Um p/ Porto Alegre e p/ Belém ou Manaus(isso desafogaria movimentação no aeroporto de Brasilia e São Paulo), além de Võos internacionais a países vizinhos como Paraguai e Bolivia. Outra coisa é interiorizar os vôos comerciais. Há muita coisa a melhorar ainda.
 
Valdecir Antonio Zaniboni em 19/08/2013 12:18:30
Além de uma reforma do aeroporto precisamos ficar atentos com a regra tarifaria das passagens o preço praticado por algumas companhias aéreas são absurdos há um mês a passagem daqui pra Brasilia estava 570,00 hoje está 1900,00 .Isso é um verdadeiro abuso por parte das companhias aéreas (GOL) ,e se você precisar cancelar uma passagem acaba ''devendo'' pra eles porque a taxa de cancelamento é de 400%.
 
JESSICA OLIVEIRA em 19/08/2013 11:18:51
O problema é que Campo Grande está ligada, por voos diretos, apenas à São Paulo e Brasília. Não entendo a não existência de outras pontes aéreas, como Belo Horizonte, por exemplo. A existência de uma maior cobertura de voos é causa óbvio de crescimento de uma cidade. Acho que o governo deveria incentivar a cobertura de novos voos, com redução de ICMS e isenções semelhantes às empresas que assim o fizerem, ainda que só operem por exemplo, em certos dias da semana.
 
Marina Almeida em 19/08/2013 11:11:19
A área para se construir um novo Terminal já existe! Ficaria ao lado do atual onde funcionava o antigo DEPV (Torre antiga). Um novo prédio em três pavimentos com capacidade para 4 milhões de pax ao ano com 6 "fingers" para emb/desembarque seria o suficiente para a demanda até 10 anos.
O estacionamento de veículos poderia ser ampliado para a áerea a frente sendo deslocado o atual depósito de combustível para outro local.
O projeto ficaria semelhante a o que foi feito em Curitiba!
Mas falta vontade política e manifestações dos usuários já que o nosso País só funciona "no grito"!
 
Paulenir de Barros em 19/08/2013 10:23:32
O que precisa ser feito é colocar cobertura na área de embarque e desembarque, quando voo chega e está chovendo os passageiros precisam descer na chuva ou no frio.
 
Marcos Wild em 19/08/2013 10:23:22
Isso seria facilmente resolvido se os voos não chegassem sempre no mesmo horário ( a maioria 22h as 23h) e partissem sempre de madrugada 3h as 6h).

Não há voos partindo a noite, e poucos chegando de dia.
 
Alexandre Pellizzon em 19/08/2013 10:08:28
Já virou lenda a ampliação do nosso aeroporto, sem falar que a aeronáutica fica ali do lado e tudo que você vai mexer é deles, o aeroporto não tem área própria para ampliar, os militares tinham que se afastar um pouquinho pra cidade poder crescer também sabe, a gente fica rodeado de exercito e aeronáutica e as coisas deixam de desenvolver por conta disso.
 
MAXIMILIANO RODRIGO ANTONIO NAHAS em 19/08/2013 09:40:24
A INFRAERO SEMPRE FALA QUE O MOVIMENTO DO NOSSO AEROPORTO É PONTUAL E NÃO NECESSITARIA DE UM NOVO TERMINAL!
É CLARO QUE FALTA VONTADE POLÍTICA PARA ISSO POIS OUTROS AEROPORTOS COM MENOS MOVIMENTO JÁ RECEBERAM AMPLIAÇÕES.
CAMPO GRANDE NECESSITA URGENTE DE UM NOVO TERMINAL, TERMINAL É "PRÉDIO" E NÃO SÍTIO AEROPORTUÁRIO.
 
Paulenir de Barros em 19/08/2013 09:36:31
Não há dúvidas da necessidade de ampliação do aeroporto, pois além dos habitantes da cidade temos de somar aí também as pessoas das cidades vizinhas que juntos podem chegar a mais de um milhão de habitantes. Aquidauana, Bonito, Corumbá, Paranaíba, Cassilândia, Aparecida do Taboado e também Três Lagoas que desde o aniversário da cidade, 15 de junho, fala-se que será inaugurado o aeroporto com 02 (dois) vôos diários para São Paulo, mas até a presente data ainda não foi devidamente homologado pela ANAC.
 
ADALTO DE OLIVEIRA DIAS em 19/08/2013 08:44:20
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions