A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

06/04/2013 08:39

Com alagamentos, fica difícil até vender imóveis no Santo Antonio

Nyelder Rodrigues e Nadyenka Castro
Casal convive há anos com alagamentos no bairro Santo Antônio (Foto: João Garrigó)Casal convive há anos com alagamentos no bairro Santo Antônio (Foto: João Garrigó)

São só as nuvens escuras e mais pesadas aparecerem no céu que vários moradores de diferentes bairros de Campo Grande já começam a se preocupar: lá vem temporal, lá vem alagamento.

Não é difícil encontrar notícias sobre ruas que viram piscinas e casas em meio a muita água nas regiões dos maiores córregos da cidade, como o Jóquei Clube, por exemplo.

Mas há locais que mesmo sem córregos alagam por conta da quantidade de água de desce de outros bairros. Esse é o caso do bairro Santo Antônio, região oeste de Campo Grande, próximo ao Aeroporto Internacional.

Localizado entre as avenidas Duque de Caxias e Júlio de Castilho, o bairro convive com enchentes e alagamentos há muitos anos, principalmente na região mais baixa, perto do terreno onde está sendo construída a sede do IFMS (Instituto Técnico Federal de Mato Grosso do Sul).

O temor pela chuva é explicado pelo casal Eva Pereira, de 60 anos, e Adão Lopes, de 58. Em frente à casa deles, na rua Leônidas de Matos, foi construída uma rampa para a entrada da garagem, a fim de barrar as enxurradas.

“Mesmo assim ,a água entra, não tem como segurar”, desabafa o casal, que já perdeu alimentos, geladeira, sofá e ferramentas de trabalho de Adão, que é pedreiro.

Em 2011, uma chuva forte causou muito estragos para eles, que precisaram da ajuda da Defesa Civil, que ofereceu um sacolão de alimentos. “Foi o suficiente para trabalhar e comprar outros móveis”, afirmam, acrescentando que os móveis são de lojas de usados.

Neste mesmo alagamento, Adão conta que, inusitadamente, apesar do final da chuva e do céu ficar ensolarado, não dava para ver nada na rua, pois ela continuou cheia de água por um longo perído.

Já na última terça-feira (3), dona Eva, preocupada com o tempo de chuva, preferiu não ir trabalhar para cuidar da casa. Ela também conta que basta o céu ficar nublado, que os vizinhos também ficam preocupados, e alguns já começam a ligar para os outros que estão fora à trabalho.

Para impedir que água entre em casa, moradora construiu muretas como as da foto em todas as portas da casa (Foto: João Garrigó)Para impedir que água entre em casa, moradora construiu muretas como as da foto em todas as portas da casa (Foto: João Garrigó)

Outra moradora do Santo Antônio que também convive com alagamentos é Aparecida Nascimento, de 54 anos, e que está no bairro há 11 anos. Ela afirma que quer mudar-se, mas não consegue vender a casa.

“Queremos sair, mas ninguém vai comprar uma lagoa”, reclama Aparecida, apontando alguns efeitos da chuva na residência, como o apodrecimento do ferro do portão e o aparecimento de cobras, escorpiões e caramujos logo após as chuvas.

Além disso, a piscina da casa é totalmente invadida pela água das enxurradas que entram na casa, e que para dificultar os alagamentos, ela colocou muretas em todas as portas do imóvel para evitar perder móveis, mais assim ela é atingida, já que a fundação predial é mais baixa que a rua.

“O medo é maior de madrugada, porque fica mais difícil tomar providências quando estamos dormindo”, comenta dona Aparecida, que diz ter visto até uma cruz, que acredita ter vindo do cemitério do Santo Amaro, sendo carregada pela enxurrada.

Morando há poucos meses no Santo Antônio, Rosângela Paes, de 55 anos, também reclama dos transtornos causados no bairro pelas fortes chuvas. A casa dela não sofre com os alagamentos pois a fundação é mais alta que a rua, entretanto, os problemas da rua não deixar de atrapalhar.

“Aqui vira um mar”, indica a aposentada, contando que a calçada e rua ficam totalmente submersos, e que na hora de buscar ou levar os netos na escola, se estiver chovendo ,fica tudo muito complicado. “E tem os carros que passam e jogam água na gente também”, explica.

Durante discussão, adolescente de 17 anos é esfaqueado pelo amigo
Um jovem de 17 anos foi levado em estado grave para a Santa Casa após ser esfaqueado na noite deste sábado, na frente da casa em que mora no Bairro G...
Após furtar obra, ladrão é capturado por moradores e ferido a tiros
Marcio Estacio Duarte Teixeira, de 31 anos, foi socorrido a Santa Casa de Campo Grande após ser atingido por dois tiros na madrugada deste domingo (1...


O esgoto aqui é parcial, o que foi realizado foi pra efeito de campanha! !!!!!!!! As ruas ficam alagadas. Ante a ausência do poder público vamos conviver com os buracos e prejuízos! Isso sem falar na obra que nunca acaba da Avenida Júlio de Castilho. Com a palavra a Secretaria de Obras.
 
Elvira Cassia de Rezende Severino Silva em 06/04/2013 11:25:20
Esse problema ja era pra estar resolvido,porém a administraçao anterior deixou a obra da revitalizaçao da julio inacabada,essa agua que desce para o santo antonio é a mesma q vem da altura do cemitério santo amaro.A prefeitura na gestao anterior fez uma boa parte da obra para desviar essa agua que desce para o santo antonio e av julio de castilhos ,mas não foi interligado as manilhas de mais ou menos um metro e meio de diametro que devem ser jogada em um corrego proximo a rua yokoama e enquanto isso não for feito iremos continuar com esse problema.
 
marcos pedrosa em 06/04/2013 10:48:34
Eu morei por 06 anos na Rua Sao Lourenco Bairro Santo Antonio e todas as chuvas entrava 40 cm de agua dentro da minha ksa e meu moveis foram se acabando de tanta umidade.
 
Patricia LISBOA em 06/04/2013 10:42:27
Os nossos governantes, falaram que com a reforma da Av. Julio de Castilho e do bairro Santo Amaro, não aconteceria mais estes alagamentos. Eu moro na Pres. Vargas, do lado do Santo Antônio, e em frente a minha casa não fica mais um rio, e sim um MAR.
Mas as coisas só pioraram. A Av. Júlio de Castilho, nunca terminam as obras, É um quebra e arruma, que quando entregarem a finalização das obras, o asfalto vai precisar ser recapeado . O movimento do transito ficou um horror. Os carros estacionam do lado da avenida e acaba sobrando só um mão, para um enorme fluxo de carros. E assim o cidadão trabalhador, vai pagando por estas obras mal feitas e que não valorizam o nosso imóvel.
 
Cláudia Gouvea em 06/04/2013 10:21:50
Antes que põem a culpa no bernal; Até a decada de 70 e inicio de 80,no local existia um lindo lago(Lago Azul-Gonzaguinha),viveiro de aves,peixes e alguns jacarés e onde não há moradia,no campo de futebol, era o centro desse lago.Sem mais nem menos, e vendo que podiam explorar o local financeiramente,os politicos da epoca aterraram,serviço de branco(se disser serviço de preto,ja viu,né?),e pôram fim a natureza.Era como o lago do Itatiaia,lindo.Os que compraram imoveis no local não foram avisados e mais uma vez aconteceu o que sempre vai acontecer.Srs. da imprensa ao menor sinal de chuva,vão para o local que sempre farão as mesmas materias e fotos.
 
samuel gomes-campo grande em 06/04/2013 10:11:52
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions