A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 21 de Agosto de 2019

27/05/2019 17:33

Contas podem não ser pagas se União continuar com "pé no freio", diz prefeito

O chefe do Executivo municipal, Marquinhos Trad, afirma que há redução e atraso de repasses

Mayara Bueno
Prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad, durante entrevista. (Foto: Marina Pacheco/Arquivo).Prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad, durante entrevista. (Foto: Marina Pacheco/Arquivo).

“Se não houver uma redistribuição ou um mecanismo da União”, a Prefeitura de Campo Grande poderá deixar de pagar fornecedores. A afirmação é do prefeito Marquinhos Trad (PSD), após entregar um veículo para Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), nesta segunda-feira (dia 27).

Ainda em discurso, o chefe do Executivo municipal reclamou de reduções de repasses dos governos estadual e federal – este último não paga há quatro meses o dinheiro referente à obra da Avenida Ernesto Geisel e, com isso, existe o risco de interrupção dos serviços.

“São poucos gestores que conseguem fazer o pouco”, disse citando como exemplo o pagamento da folha salarial “obesa” dos quase 30 mil servidores ativos e inativos. O “pé no freio” do governo federal para repassar dinheiro pode afetar outras áreas. “Se não houver uma redistribuição, um mecanismo da União, o pagamento da folha dos servidores pode não ser prejudicado, mas os fornecedores, sim”.

Sem os R$ 28 milhões pedidos ao Ministério da Saúde para combate à dengue, por exemplo, o município que custeou as despesas sem ajuda. “Todos os municípios vão trabalhar para pagar a folha”.

Segundo o prefeito, Campo Grande sofre redução de R$ 3 milhões por mês do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços). Em 12 meses, R$ 36 milhões a menos. “O governo federal está inadimplente, causando transtornos por não repassar dinheiro para obras que estão 60% concluídas”. A intervenção na Ernesto Geisel está 70% concluída, disse.

Reajuste - Marquinhos afirmou que ao menos o percentual de inflação do período será pago aos servidores de "forma justa". Sobre a possibilidade de parcelamento, o prefeito disse que isso pode ocorrer ou ser pago "em uma pancada" só. As negociações ocorrem neste mês, que é data-base da maioria das categorias.

Obra - Ainda assim, a obra continua por pelo menos um mês, em meio à promessa do Ministério do Desenvolvimento Regional de pagar os quatro meses atrasados em junho. “Se eles não pagarem, fica difícil a empresa suportar os pagamentos”.

 

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions