ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SÁBADO  25    CAMPO GRANDE 14º

Capital

Contra epilepsia, criança toma última dose de canabidiol e mãe clama por entrega

Existe determinação judicial para que plano de saúde faça a compra do medicamento para o menino

Por Lucia Morel | 01/04/2024 18:55
Leonardo, em sessão de fisioterapia em clínica de Campo Grande. (Foto: Arquivo pessoal)
Leonardo, em sessão de fisioterapia em clínica de Campo Grande. (Foto: Arquivo pessoal)

A última dose de medicamento à base de canabidiol contra epilepsia Lennox–Gastaut do pequeno Leonardo, de 5 anos, foi dada hoje pela mãe. Segundo ela, Valquíria Ribeiro, de 38 anos, houve atraso na compra pelo plano de saúde que atende o menino, a Unimed. Existe determinação judicial para que o plano faça a compra do medicamento (quatro frascos a cada dois meses).

Valquíria conta que ainda em dezembro do ano passado, quando ele recebeu os quatro frascos, ela já encaminhou pedido à Unimed para compra, informando que as guias de autorização estavam liberadas. Mas a cooperativa o fez apenas em 14 de março, conforme detalhes do trânsito do pedido, que vem dos Estados Unidos.

“Esse medicamento foi o que reduziu em 80% as crises dele. Usamos outros, mas não deram efeito. E essa epilepsia que ele tem dá crises frequentes e eu estou desesperada”, afirmou. Sem ter a quem recorrer, ela procurou o Campo Grande News na tentativa de acelerar o processo de entrega ou de conseguir alguma outra medida.

“Tudo que se refere ao tratamento ou terapias do meu filho eu tento agilizar o quanto antes, para não ter problema. Sempre que chega uma remessa, eu já entro em contato com a Unimed fazendo o pedido para liberar as guias, para ninguém esquecer. Desta vez, em dezembro já estava tudo certo e a farmacêutica que sempre me atendeu disse que entraria de férias, mas que deixaria tudo organizado para que a outra fizesse o pedido. Mas não foi o que ocorreu”, lamentou a mãe.

Em e-mail à cooperativa, no dia 30 de março, ela afirmou à empresa que “irei deixar registrado, se algo ocorrer com ele por erro do setor que não efetuou a compra, vocês são responsáveis”. Ela disse também que “ele está em tratamento, não posso deixar ele sem o medicamento ou diminuir a dosagem”, finalizando que “eu quero uma solução o mais urgente possível. O medicamento está no fim”.

A reportagem entrou em contato com a Unimed, que informou que, no caso específico do Leonardo, “[...] o medicamento do paciente foi adquirido e todas as providências possíveis foram tomadas para o seu pronto atendimento, sendo que, nas próximas horas, o mesmo terá sua demanda atendida”.

Também disse que a cooperativa “cumpre rigorosamente todas as determinações judiciais e adota uma conduta padrão, visando oferecer sempre a melhor assistência aos nossos beneficiários”.

Em contato com a mãe, ela informou que a Unimed conseguiu medicamento emprestado com outra mãe cujo filho tem o mesmo problema de saúde, o que vai garantir o tratamento de Leonardo até a chegada dos novos frascos.

Caixa de Purodiol 200 mg usado por Leonardo contra epilepsia. (Foto: Arquivo pessoal)
Caixa de Purodiol 200 mg usado por Leonardo contra epilepsia. (Foto: Arquivo pessoal)

Síndrome - Conforme o site Archives of Health Investigation (Arquivos de Investigações em Saúde, em tradução literal), a SLG (síndrome de Lennox–Gastaut) é uma encefalopatia epilética severa da infância que corresponde a 5% das epilepsias infantis, com início entre 1 e 8 anos de idade.

Caracteriza-se por retardo mental progressivo, crises de múltiplos tipos. A etiopatogenia é obscura, sugerindo reação inespecífica de lesão cerebral e tratamento, geralmente ineficaz, com uso de valproato e benzodiazepínicos. O prognóstico é ruim, com pequeno número de pacientes com controle das crises.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias