A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

30/01/2014 14:42

Delegado tem 10 dias para concluir inquérito sobre morte de policial

Bruno Chaves

O inquérito policial que averigua a morte do investigador Dirceu Rodrigues dos Santos, 38 anos, deve ficar pronto no dia 8 de fevereiro. O delegado responsável pelo caso tem 10 dias contatos a partir de ontem (29) para concluir o processo. Isso por causa das prisões em flagrante de sete suspeitos.

Dirceu foi morto a tiros na noite de terça-feira (28), em uma emboscada, enquanto checava informações sobre o roubo de uma joia avaliada em R$ 80 mil. Ele estava em companhia de outro policial que ficou ferido, mas sobreviveu.

A investigação sobre a morte do policial é comandada pelo delegado titular da 5ª Delegacia de Polícia, Jairo Carlos Mendes. Até o momento, 15 pessoas foram detidas para prestar depoimentos sobre a noite do crime. Delas, seis adultos foram presos em flagrante, além de um adolescente de 15 anos.

A morte de Dirceu mobilizou mais de 50 policiais e inúmeras delegacias, entre elas a Derf (Delegacia Especializada de Roubos e Furtos), onde o investigador trabalhava. O flagrante foi concluído pelo delegado João Reis Belo, da Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Piratininga e encaminhado ao delegado da 5ª DP.

De acordo com os delegados titular e adjunto da Derf, Fabiano Nagata e Fábio Peró, respectivamente, o inquérito que apura a morte de Dirceu deve ser concluído até o dia 8 de fevereiro. Os principais suspeitos de matar o investigador são os irmãos Alexandre Gonçalves Rocha, 19, e Alexandro Gonçalves Rocha, 21, conhecido como a travesti Natália.

 



po meu ha + ou - tres semanas eu o comprimentei ele fazendo caminhada na euler de azevedo e falei no tempo do quartel vc ainda corria em kkk ele era meu camarada no exercito a gente ate chamava ele de cara de jaca ,era boa gente q deus o tenha em um bom lugar .
 
carlos alberto monzani em 01/02/2014 15:43:43
.... não só lamento como agradeço a Deus pelo fato de a Polícia Civil não ser formada por pessoas como você! Ao contrário do que foi insinuado, temos profissionais totalmente dedicados, honestos e desprovidos de vaidade pois a maioria dos grandes casos solucionados vem do trabalho desses homens que colocam a própria vida em risco e nem sempre recebem o reconhecimento que merecem. Aproveito, por fim, a oportunidade para externar meus sentimentos à família desse rapaz que partiu tão cedo no cumprimento de seu dever e a todos os demais colegas da Polícia Civil que fizeram da dor da perda um incentivo para trabalharem ininterruptamente até a solução desta fatalidade.
 
Paula Ribeiro dos Santos Oruê em 31/01/2014 17:12:25
....questionar Policiais que trabalham fora do horário??!!!!!! Pobre da sociedade se só trabalhássemos em horário de expediente. Certamente poderíamos dedicar mais tempo às famílias mas infelizmente, o crime não tem hora para acontecer e a Polícia não tem hora para trabalhar e fazemos isso com orgulho pois como mencionado anteriormente, fizemos um juramento. Pessoas de boa índole, de caráter, costumam cumprir às últimas consequências os juramentos que são feitos, é o caso desse Policial que em vez de estar em sua casa assistindo a novela das 9, preferiu trabalhar em busca de solucionar mais um de tantos casos dos quais ele participou de forma tão brilhante e determinante. Sobre as insinuações a respeito da Polícia....
 
Paula Ribeiro dos Santos Oruê em 31/01/2014 17:06:35
...todos os integrantes da Polícia Civil de nosso MS: Servir e Proteger. Ser Policial Civil é dispensar qualquer vaidade e colocar a proteção da sociedade em primeiro lugar. O que aconteceu foi uma fatalidade que pode acontecer com qualquer profissional da área de Segurança Pública, principalmente aqueles que realmente trabalham, se arriscam no cumprimento de seu mister. Assim, antes de fazer um comentário tão lamentável, procure valorizar o profissional que morreu como um herói, na ânsia de fazer seu 'trabalho da melhor forma possível e perdeu a vida de forma tão trágica. A respeito do comentário de Samuel, nem sei se vale a pena escrever alguma coisa. Tão desprezível é seu comentário que nos leva a outros questionamentos....tais como...Como pode alguém que se julga bem informado...
 
Paula Ribeiro dos Santos Oruê em 31/01/2014 17:02:46
Gostaria de apresentar minha indignação com os comentários feitos por Samuel Gomes-Campo Grande e Mirtes Camilo tecendo algumas considerações. Em primeiro lugar, vocês deveriam ter o mínimo de respeito pela família que perdeu um ente querido e pela família da Polícia Civil que perdeu um verdadeiro herói. Em segundo lugar, não há falar em despreparo do Policial, senhora Mirtes, pois com toda certeza, a senhora fala de um dos investigadores mais bem preparados de nosso Mato Grosso do Sul. Caso não fosse, não trabalharia em uma Delegacia especializada em Campo Grande. Não sei qual sua área de atuação mas certamente não é na Segurança Pública pois caso fosse, saberia que Policiais arriscam a própria vida diariamente com a finalidade de cumprir um juramente que é feito....(a continuar)
 
Paula Ribeiro dos Santos Oruê em 31/01/2014 16:58:06
Profissionais que não tem hora para trabalhar, pois o crime acontece a qualquer momento, que expõem suas vidas, que, assim como na maioria dos Estados-Membros trabalham sem estrutura física e pessoal, porem desejam e realizam um bom serviço. Pode ter certeza Samuel ou quem quer q seja, que nem sempre o nosso trabalho é reconhecido, mesmo estando 24 hs a disposição da sociedade.... vc pode não gostar da nossa profissão, mas ela e imprescindível para a sociedade e temos sim, um inúmero de pessoas que reconhecem e valorizam nosso trabalho. Respeite nossa dor... não venha com insinuações tão torpes.....
 
Viviane Nunes em 31/01/2014 14:43:46
Eles vestiram o Compromisso Policial com toda honra, os dois, assim como tds nós, juramos defender a sociedade, ainda q c/ o sacrifício da própria vida..infelizmente o q acabou acontecendo com um deles, eram Policiais sóbrios, treinados e que sabiam o q estavam fazendo..Essas pessoas q cometeram este crime, esta atitude descabida e desnecessária, de forma traiçoeira e cruel, já haviam sido presas, um deles, inclusive pelo crime de homicídio, porem saíram..graças a nossa Lei, que mostra sua fragilidade quanto a sensação de impunidade, quando é fato que existe uma Lei de Tortura contra Policiais, (fato que aliás deve ser realmente punido),mas porem é um absurdo não se existir, nenhuma legislação mais rígida para quem atenta contra a vida de defensores da Lei.
 
Viviane Nunes em 31/01/2014 14:42:11
Todos temos o direito de expressar opinião, porém qd referimos a honra, vida, um momento de luto profundo, da dor de uma família, de toda uma Instituição, esta que é responsável pela manutenção da ordem e da segurança de td uma sociedade, de um Policial que morreu em serviço, temos de refletir Sr. Samuel, não sair jogando palavras ao vento. Não brinque de enxugar gelo. Respeite este homem, que era jovem, que amava sua família, sua esposa, sua filha e sua profissão, excelente profissional, com todo um futuro profissional e pessoal pela frente; Respeite a família; Respeite a Instituição, estamos com um policial morto, vivemos um luto profundo... não venha com palavras e deduções idiotas a fim de se quer criar qualquer ou sequer a possibilidade de questionar a índole destes profissionais.
 
Viviane Nunes em 31/01/2014 14:39:16
Senhor Samuel como o Doutor Jacini fez publicar no Correio do Estado somos policiais 24h por dia. Entre no sistema e verá que faço muitos flagrante a noite quando a maioria está dormindo. Se alguém me chamar de folga vou de bom grado, além de ser LEI. Agora, se o senhor ou alguém tem algo contra o Dirceu ou outro policial, por favor dirija-se a Corregedoria ou ao MP, de resto, respeite a nossa dor, pois quando um bandido é morto não ficamos tripudiando a dor da familia ou tecendo ilações sobre seu caráter.
 
Reginaldo Salmão em 31/01/2014 12:20:02
Com total descontentamento vemos algumas declarações de pessoas como Samuel e Mirtes, que infelizmente são inúmeras na nossa sociedade, que tentam a todo custo julgar e condenar as ações policiais. Ferem os sentimentos dos familiares e amigos com desconfianças e alegações infundadas, tentam sujar a imagem de uma instituição que sempre serve a sociedade com tanto afinco, muitas vezes recurso material e pessoal. A sociedade deveria repensar nas suas atitudes como um todo, e apoiar mais o trabalho desses profissionais que lidam com os piores tipos de pessoa e arriscam suas vidas diuturnamente e parar de rotular a instituição pelas atitudes de pouquíssimos corruptos. Por favor respeitem ainda mais essa situação pois o Dirceu era uma pessoa maravilhosa e merecedora desse respeito.
 
Ingrid Olivo em 31/01/2014 11:10:25
Os policiais civis vem sofrendo um abandono do estado de Mato Grosso do Sul há muitos anos, sem efetivo, ações para receber "horas extras", etc.
Porém,algumas respostas teremos só depois da conclusão do inquérito,como:
Quem era a vítima do roubo? Era casado, da sociedade, registrou B.O? Esses policias estavam a serviço ou bico ou favor? O informante disse quantas pessoas estavam na casa? Como ele amarrado conseguiu sair do carro? Porquê apenas um morto? Bandidos conhecidos, traficantes, pq só 2 policiais?
As dúvidas são necessárias e as respostas devem ser dadas para a família desses policiais, para a população que recolhe o imposto e paga para "Servir e Proteger", só não entendo em um país democrático não aceitarem uma opinião diferente do Senhor Samuel.
 
João Silveira Neto Dias em 31/01/2014 10:36:40
A crítica gratuita e inconsequente é o combustível da vaidade dos tolos. Nossa sociedade padece da falta de respeito à vida, às autoridades (pais, professores, servidores públicos investidos de poder para suas funções) e cultua a violência, os desmandos e o "politicamente correto". Desde pequeno aprendi a respeitar aquilo que hoje procuram atirar à lama. Respeito os policiais mesmo antes de pertencer aos quadros da Polícia. Lamentável que haja pessoas a fazer comentários levianos, ainda mais numa situação em que alguém perdeu sua vida, deixou filhos e a dor de sua ausência para a família e amigos. Se não se respeita a figura do servidor público que tombou em serviço, respeite-se a dor de sua perda.
 
Douglas Britez Godoy em 31/01/2014 10:03:37
Caro leito, Sr. Samuel Gomes, quero dizer primeiramente que um policial está sempre em serviço, polícia é polícia 24h. Agora te pergunto: Já que você é contra a polícia, por que não chama um ladrão pra te salvar ou salvar um ente querido seu quanto estiver em risco? Por favor, não tente desmoralizar os grandes homens da nossa sociedade, os policiais. Passar bem e que Deus e a polícia te proteja, pois ladrão parceiro não protege nem a mãe dele.
Em honra à Polícia Civil do MS - Servir e Proteger!
 
Antonio Neto em 31/01/2014 09:53:08
Sr. Samuel Gomes:
Pessoas como o senhor, que demonstram antipatia pela polícia e pelos policiais, fazem parte de uma massa intelectualmente desprivilegiada que julgam os profissionais e as instituições baseado apenas nos comentários de outros indivíduos igualmente semi-inválidos do ponto de vista cultural, muitas vezes manipulados pela malícia preconceituosa de alguns jornalistas que denigrem esses mesmos profissionais e instituições com o fito de vender notícias para elementos da sua estirpe. Se não gostou do meu julgamento, então agora deve estar sentido a mesma indignação que nós policiais sentimos ao ler seu torpe comentário.
 
Elton Galindo em 31/01/2014 09:23:17
Sra. Mirtes Lourenço Camilo:
Ao que parece, a senhora sequer leu as notícias ou assistiu as matérias de TV para escrever uma bobagem desse tamanho. O policial foi dominado e agredido por várias pessoas no interior da casa, tendo sido atacado pelas costas com uma chave de braço, sofrendo sufocação intensa até perder os sentidos. O policial morto não teve chance de defesa pois foi baleado de surpresa, sem que houvesse qualquer motivo aparente. Pelo menos sete pessoas estão diretamente ligadas a esses fatos e não apenas "um travesti" como a senhora escreveu. Sinto muito, mas o despreparo aqui é seu, no sentido intelectual!
 
Elton Galindo em 31/01/2014 09:15:09
Professor André, essas pessoas que estão criticando deviam ser processadas por calúnia e difamação. As pessoas acham que podem despejar nos comentários toda besteira que têm dentro do cérebro, por favor respeitem o luto da família e amigos. Senhores Legisladores precisamos de leis mais duras contra esse tipo de gente.
 
Heliton Barão Silva em 31/01/2014 08:26:58
senhor Samuel eu não sei da onde vc saiu, e nem mi interessa saber mas ontem eu enterrei um grande amigo que gostava de servir e proteger a sociedade fora do expediente! então senhor Samuel si não tem algo bom pra postar por favor e melhor ficar queto pois o investigador era um policial exemplar dentro e fora da instituição e era um ótimo pai e a filha dele vai fazer 15 anos e não terá o pai dela pra comemorar. acho que o senhor e do direitos humanos que defende bandidos que matam pai de família e pessoas inocente e ainda vão la e fica passando a mão na cabeça de CRIMINOSOS que não querem ser boas pessoas na sociedade.......
 
Amison Matos em 31/01/2014 08:20:33
Esclarecimentos aos desinformados Sr Samuel Gomes, Srª Mirtes Lourenço Camilo e outros:
A priori, aos senhores que não tem conhecimento da função da Polícia Civil, é uma polícia judiciária, os policiais trabalham com investigações e, na maioria das vezes, sem serem notados, disfarçados, com carros descaracterizados e até mesmo com o próprio veículo. Isso tudo, para proteger os senhores e sua família dos bandidos, traficantes que vendem drogas para seus filhos, que invadem seu patrimônio e roubam o que os senhores adquirem com sacrifício, trabalho árduo. Quanto ao "despreparo" que a senhora Mirtes se refere, este é da senhora que não tem conhecimento da séria e árdua formação dos policiais. Respeito aos homens que arriscam suas vidas para servir e proteger essa sociedade hipócrita!!
 
Policial Civil Fatima Belchior França em 31/01/2014 08:20:04
ao invés de ficar criticando a senhora mirtes lourenco camilo e o senhor samuel gomes, fiquem quietos, com certeza se fosse parente ou amigo seu, ou que tivessem lhes tirado algum bem materia, os senhores estariam na porta da delegacia procurando justiça e criticando os policiais que ali estao diuturnamente trabalhando nas investigações, como o ocorrido, não foi despreparo nem tao pouco fazendo achaque...olhem si mesmo, vc´s são seres humanos, capaz de pensar e agir, entao fiquem quietos
 
alexsandro oliveira em 31/01/2014 08:02:52
ele terá que me eliminar para que o caso não venha a tona, logo nós somos os nossos maiores corregedores; Me parece que o senhor nunca foi vítima, sorte sua pois a vítima, estando fragilizada, e com toda a razão cobra que trabalhemos 24, 48 horas e quando recuperamos parte do que é roubado sempre vem propostas para que dessemos uma surra nos marginais para que eles entreguem o resto, geralmente proposto por pessoas que são contra a violência policial; A maior transparecia foi que mesmo magoados os colegas do DIRCEU, para não esquecermos o nome, fizeram cumprir a lei e não a justiça nas próprias mãos, escondendo assim o "acharque" dito pelo senhor; um convite, visite uma delegacia, conheça policiais que não dormem a 3 dias direto, que vibram pelo simples fato de desmantelar a quadrilha.
 
Maurício Lopes da Silva em 31/01/2014 02:08:55
Logo cada caso é um caso, além do mais somos poucos o faz com que sejamos reconhecidos facilmente pelos bandidos, casos como o DENAR, DERF, trabalhar infiltrado é quase impossível; Ele não estava sozinho, estava com um parceira e é como geralmente checamos informações pois um bote mal dado derruba por terra toda uma investigação; Indiferente de muitas categorias, temos uma corregedoria atuante e apura todas as irregularidades quando informações de mal conduta aparece; E o senhor pode não acreditar o maior julgador de um policial, são seus colegas, pois a cada saída é a ele que confiamos nossas vidas, imagine o senhor, um policial faz um "acharque", fica de rabo preso com os marginais, amanhã vou eu com ele para efetuar a prisão do mesmo bando, ele tera´que me eliminar para que o caso nã
 
Maurício Lopes da Silva em 31/01/2014 02:00:08
Sr. Samuel; Interessa e muito, para nós policiais, o nome de quem deu a vida em serviço; Quanto a trabalhar fora do expediente, toda a delegacia tem equipes de expedientes e equipes de investigações; infelizmente os bandidos dormem durante o dia a atacam a noite, os dois colegas forjaram encontro com travestis para os levantamentos, pergunto ao senhor, pessoa que parece ser muito experiente, onde encontrar travestis em horário de expediente par fazer programas; Quanto a recuperação de valores, o dinheiro que entra fácil, sai fácil logo o marginal esbanja e o senhor pode ter certeza que se o policial desvia uma parte, o próprio marginal em juízo abriria a boca como forma de comprometer todo o trabalho; Quanto a investigação qualquer marginal estranharia um numero elevado de pessoas,...
 
Maurício Lopes da Silva em 31/01/2014 01:53:20
O comentário feito pelo leitor Samuel Gomes merece resposta por parte dos Policiais Civis deste Estado e aqui vai a minha:
Caro Senhor, em que pese a sua "impressão", devo lhe esclarecer que na profissão de Policiais civis, quando ingressamos juramos servir e proteger vidas e bens alheios e nossa profissão é uma das poucas em que nos oferecemos para morrer no lugar dos cidadãos! E nesse caso não foi diferente: em busca de recuperar um bem material, onde outro igual poderia ser adquirido pela vítima, se perdeu uma vida, essa, irrecuperável!
Célia Maria Bezerra da Silva, Delegada de Polícia Corregedora
 
Célia Maria Bezerra da Silva em 30/01/2014 22:16:09
Parabéns, André pelo comentário, sem dúvida, os comentários aqui exposto refletem o caráter de quem escreve. Talvez assim podemos entender o comentário do Sr. Samuel. Ele não deve gostar de Polícia. Triste.
 
Paulo Berigo em 30/01/2014 21:56:41
Parabéns Dr. André Matsushita pela aula que destes às pessoas desprovidas de conhecimentos e caráter revelados em suas opiniões. O Policial Civil antes de ser um profissional, é um ser humano exposto ao erro, é um pai/mãe de família que se dispôs à dar a sua vida pela dos outros e ainda têm de ler e ouvir asneiras de cidadãos que não são capazes de se identificar (por incompetência natural/adquirida). Respeitem o luto de suas famílias (de sangue e a de profissão) e de seus amigos.
 
Fernanda Mendonça em 30/01/2014 21:44:54
fico triste em perceber que uma pequena parcela da sociedade é hipócrita e ignorante em determinados assuntos, e mesmo assim tenta externar opinião no intuito de denegrir não só a imagem do Policial Dirceu que nos deixou ao cumprir uma das inúmeras missões que lhe era atribuída, mas sim toda a instituição Policial que continua a exercer com afinco a segurança e elucidação de crimes praticados contra toda a sociedade sem distinção dos hipócritas e ignorantes.
 
luciano marques em 30/01/2014 21:20:50
Faço minhas as palavras do André Matsushita.
Lamentável pensar na inversão de valores.
O Sr Samuel não entendeu que um Homem de Bem foi brutalmente executado por bandidos????
 
Fabiana Michelli em 30/01/2014 21:05:44
RELATO II
O senhor não sabe a sensação, a emoção o tesão que tem em exercer dois verbos simples, SERVIR E PROTEGER. Porque uns até tentam exercer esses dois verbos, mas não conseguem, outros exercem porque não tem coragem!!! Porque muitos, poucos podem, mas só os melhores conseguem!!! Então eu ti peço um pouco mais de respeito quando o senhor mencionar o seu "achaque"!!
 
Alexandre Tenório em 30/01/2014 20:47:20
RELATO I
Samuel Gomes, sou investigador da turma do meu amigo e irmão Dirceu, tive a oportunidade de trabalhar com o Dirceu em 2006/2007 na DERF. E em um dos nossos plantões, ou melhor já após do término do nosso plantão, já acordados 24 horas, apareceu um casal na delegacia relatando que furtaram todos os seus eletrônicos, eletrodomésticos, joias, tudo. Na honra e na garra, fomos ajudar aquele casal, fomos juntos com a equipe que acabara de assumir o plantão. Recuperamos todos os objetos, eu disse todos os objetos furtos e autores presos. O Sr sabe qual foi o "achaque" que ganhamos, um muito obrigado do casal e a sensação de dever cumprido, de colocar a cabeça no travesseiro e dormir o sonho dos justos.
 
Alexandre Tenório em 30/01/2014 20:41:03
Um policial morreu...alguém pode respeitaar a família!! e mai o delegado tem sim dez dias MAS se achar necessário ele pode pedir mais prazo! deixem a investigação correr simples assim.
E que essa família e os amigos encontre o conforto!
 
sandra lima em 30/01/2014 20:29:16
SÓ UMA PERGUNTA OU MAIS. TEM BO DO ROUBO?, PORQUE SE SABIA ONDE ESTAVA A MUAMBA, NÃO FOI AVISADO O CHEFE? OU FOI?, PORQUE UM ENTRA NA CASA E OUTRO FICA NA CAMPANA?, PORQUE UM APANHA E O OUTRO É EXECUTADO?, E O SERVIÇO RESERVADO DA PM? SABIA?, EXTRANHO NÃO. COM A PALAVRA A POLÍCIA CIVIL. OBS. AGORA QUE TEM MUITO COBRADOR EM CAMPO GRANDE, DA POLÍCIA CIVIL E DA PM. DANDO CARTEIRADA, DANDO PORRADA A MANDO DE AGIOTA, ISSO TEM. MAS DE VEZ EM SEMPRE ACONTECE ISSO. SALÁRIO TA POUCO SAI FORA. PODE NÃO SER O CASO. MAS COM DISTINTIVO DE POLÍCIA O CARA VIRA O CÃO...DAÍ.
 
LOURENÇO CARVALHO em 30/01/2014 20:23:47
Senhor Samuel:
Meus trinta anos de profissão a serem completados no próximo dia 12.03.2014, meus diversos cursos sobre investigação criminal, minha condição de tutora em cursos de formação e qualificação profissional na área de segurança publica me autorizam lhe responder:
1. A policia não trabalha com ilações, suposições e/ou achismos, somente fato, portando se o senhor "acha" que o policial ao invés de investigar estava praticando algum ilícito, deveria antes buscar o conhecimento sobre investigação criminal;
2. Investigações são realizadas diuturnamente, sob qualquer condição e para esclarecer quaisquer crimes, desde um furto de botijao de gás a um avião,.
3. O levantamento de "informes" não requer grandes aparatos policiais, nem uma caravana para faze-lo. Uma fatalidade!!
 
Maria rita em 30/01/2014 20:03:46
Concordo com o senhor André, as pessoas não sabem o que é ser investigador, enquanto toda uma população "dorme", estamos na rua, para que, essas mesmas pessoas tenham um sono tranquilo.
 
Elcio Nunes em 30/01/2014 20:00:10
Caro Samuel eu não apenas compartilho com a indignação do Dr André Matsushita como diria que o acha que aqui é o senhor, que não conhece a realidade da Policia Civil Brasileira, em especial do MS. Os policiais trabalham como podem, não é CSI !! Não temos equipe para trabalhar disfarçada, temos só carros descaracterizados que na maioria das vezes os bandidos já até conhecem..Apesar de todo mundo achar esquisito o caso, os indices de resolução de homicidios em várias regiões são de 100% e na maioria desses casos os policiais trabalham fora do horario de expediente, nos grandes crimes vários policiais ficam envolvidos por dias.. MAS QUEM QUER SABER DISSO.. AFINAL A POLICIA SÓ SERVE PARA RESOLVER O PROBLEMA DE VOCÊS MAS NÃO QUEREM SABER COMO ELA FARA ISSO E QUEM COLOCARA SUA VIDA EM RISCO..
 
Ana Carolina Silve em 30/01/2014 19:33:16
Samuel Gomes, você deveria pensar muito bem antes de falar besteiras, especulações banais que afetam os amigos, a família, e a instituição Polícia Civil onde o Dirceu trabalhava. Seu intelecto limitado não entende que policial é policial 24 horas por dia, em feriados, fins de semana, quando está em casa com a famílias, o policial não tem uma vida paralela à profissão. As investigações são feitas quando conveniente e não somente quando se "bate o cartão". Falar mal de polícia é comum aqui no Brasil mas eu não aceito isso.
Pense muito bem antes de abrir sua boca porque amanhã um marginal desses pode invadir sua casa, e aí, adivinha pra quem você vai ligar?
 
Diogo Tavares em 30/01/2014 19:00:48
Sr. SAMUEL GOMES, o seu comentário, assim como o senhor, é digno de desprezo e de indiferença. Sou Delegado de Polícia e tive a honra de trabalhar com o Investigador Dirceu quando este saiu da Academia de Polícia Civil. Antes de ser Policial Civil, ele serviu com honras o Exército Brasileiro, tanto que há pouco tempo recebeu homenagem daquela força armada. Como Investigador, o único adjetivo que posso usar é que ele era realmente EXEMPLAR. Todos os anos de Policial prestou serviços em uma única Unidade Policial, a DERF, local onde cultivou apenas amigos, à exceção dos maus elementos que prendeu em proteção da sociedade, inclusive o Senhor. Portanto, como já lhe foi dito em outro comentário, não espelhe os seus desvios de conduta em um profissional ilibado, pai de família e amigo. RESPEITO.
 
Rodrigo Yassaka em 30/01/2014 18:59:02
#Samuel Gomes - Os meninos estavam de plantão em busca da justiça. Você não tem o direito de dizer ou insinuar nada ao contrário. Foi uma vida que se foi, trabalhando, servindo & protegendo a sociedade. Todos deveriam ser orgulhar dos policiais que lá estavam, assim como todos deviam estar revoltados com o crime, pois foi um representante do povo que morreu. A morte de um policial em serviço é a mesma coisa que matar cada um de nós ou de nossos familiares, pois isso é a banalização do crime. A morte de um policial em serviço é dupla, morreu um grande homem e um representante do povo. Policiais de folga trabalharam no caso sim com mais empenho do que em outros casos sim e não vejo nenhum problema nisso já que ele era muito querido no meio policial e combateu a criminalidade até o último dia
 
Giancarlos Araujo em 30/01/2014 18:34:37
#samuel gomes, lendo seu comentário vejo que você realmente não conhece a polícia civil. Sempre aparece uns "espertalhões" para comentar o que não sabe. Você perdeu uma grande oportunidade de ficar quieto. Se não sabe o que diz é melhor ficar de boca fechada do que falar asneiras. Os policiais estavam de serviço sim, você não conhece a escala dos servidores para falar que eles estavam de folga. Já ouviu falar de PLANTÃO? Sabe o que é isso? Se não sabe, o dia que você precisar tenha absoluta certeza de que policiais estarão lá para lhe atender. Mas não fale o que não sabe. Quer dizer então que se você for vítima de furto (assim como foi o fazendeiro dono da jóia), nós temos que trabalhar só no expediente? Rapaz, o crime não tem hora e nem lugar e nós da PC estamos trabalhando sorrateirament
 
Giancarlos de Araujo em 30/01/2014 18:29:05
Caro Samuel vc está com uma visão distorcida dos fatos. O policial foi sim trabalhar fora de seu horário de expediente pq somos assim e trabalhamos assim, fora do horário de expediente. Quanto ao "achaque" que vc afirma poder estar ocorrendo mostra mais uma vez uma visão de quem não tem o mínimo de senso e de decência. Mas vc representa parte de uma sociedade brasileira que ao invés de se revoltar com a realidade de um policial morto passa a desconfiar de um trabalhador sem ao menos conhecê-lo. Espero que vc não morra em serviço para que outros não o julguem da mesma forma. Precisamos sim buscar fortalecer as instituições no nosso país e não aceitar uma morte assim onde uma pessoa que entrega a vida pela defesa da sociedade e ainda tem sua conduta questionada. Lamentável!!!!
 
Liberato Vargas em 30/01/2014 18:23:33
POR AI SE PERCEBE O DESPREPARO DOS DOIS INVESTIGADORES. NESTE CASO O TRAVESTI BATEU EM UM MANDOU PARA O HOSPITAL, MATOU O OUTRO COM A PRÓPRIA ARMA...
 
Mirtes Lourenço Camilo em 30/01/2014 18:13:30
INDIGNAÇÃO II.
O Policial assassinado não estava sozinho, e sim procedendo a uma investigação com seu colega, que também foi rendido e agredido, porém sobreviveu. Foram surpreendidos por uma quadrilha. Tenha respeito, cidadão, ao luto alheio, à honra alheia. Se não conhece, antes de se manifestar, procure conhecer. A instituição Policia Civil, da qual faço parte com muito orgulho, não quer esconder nada. Teve um membro chacinado, agiu na absoluta legalidade identificando e prendendo os autores de tão brutal delito, está desenvolvendo a investigação para esclarecer todos os detalhes, e ainda temos que ler textos tão abjetos e aviltantes como este. Lamentável.
 
André Matsushita Gonçalves em 30/01/2014 17:54:48
INDIGNAÇÃO I
“Achaque” ?? Fica a impressão ?? Pode ficar essa impressão de “achaque” para quem tem falha de formação de caráter, e que portanto reflete em terceiros aquilo que ele próprio seria capaz de fazer. Sr. Samuel Gomes, antes de escrever tamanha barbaridade e publicar, em detrimento do sofrimento intenso de uma família que perde um ente querido, em detrimento da consternação de uma instituição ilibada que perde um membro respeitado e batalhador, pesquise, conheça do que pretende escrever, sob pena de projetar o seu próprio caráter no que escreve, como o fez agora. Nós, Policiais, não trabalhamos somente em “expediente”, pois afinal os criminosos não agem somente em horário de “expediente” e o crime não ocorre somente em horário de “expediente”. ( Meu comentário continua abaixo)
 
André Matsushita Gonçalves em 30/01/2014 17:52:33
O caso praticamente já está solucionado, isso não se discute! Parabéns a PC. O que a opinião publica não aceita e quer esclarecer o porque de um servidor "trabalhar" fora do expediente atrás do produto de roubo, 80 mil reais em ouro.Costumeiramente a gente ve "que aconteceu um assalto e levaram 100 mil, os bandidos foram presos, mas somente 40% do dinheiro foi recuperado...!" Isso já aconteceu em Cgde. A instituição Policia Civil não pode querer esconder a verdade em detrimento de bons profissionais. Fica a impressão que o policial morto, e ai não interessa o nome, parece que estava fazendo um "achaque" , pois o próprio sindicato diz q o mesmo,de folga e sem estrutura nenhuma foi sozinho numa missão... é isso q ta pegando! Policiais costuma agir sozinhos p recuperar o roubado???
 
samuel gomes-campo grande em 30/01/2014 15:15:22
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions