ACOMPANHE-NOS    
MAIO, QUARTA  12    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Direção do Regional libera médico para prescrever "kit prevenção" contra covid

No comunicado, direção informa que hospital não adotará protocolo único, mas deixará a critério do médico, com aval do paciente

Por Silvia Frias | 08/07/2020 11:55
No Hospital Regional, adoção do "kit prevenção" foi discutida pelos médicos (Foto: Paulo Francis)
No Hospital Regional, adoção do "kit prevenção" foi discutida pelos médicos (Foto: Paulo Francis)

O Hospital Regional de MS não irá implantar protocolo para uso dos medicamentos de prevenção ao novo coronavírus (covid-19), o “kit prevenção”, que deve ser liberado pela prefeitura de Campo Grande. A diretora-presidente do HR, Rosana Leite de Melo, porém, autorizou a prescrição, conforme avaliação individual do médico e consentimento do paciente.

O veto do protocolo único pelo HR foi baseado na falta de estudos que comprovem eficácia e a dúvida no corpo clínico da instituição, evidenciada após enquete com 106 dos 432 médicos que trabalham no hospital.

 O comunicado internado foi distribuído na última segunda-feira (6), sendo assinado pela diretora-presidente, direcionado ao corpo clínico do HR. O esclarecimento foi feito após “inúmeros questionamentos” surgidos a partir da liberação do “kit prevenção” para prescrição que deve ser adotado em Campo Grande.

No kit, está previsto constar hidroxicloroquina 400mg  ou cloroquina 250mg, azitromicina 500mg ou claritromicina 500mg e ainda a ivermectina 6mg. O medicamento seria usado como preventivo para contactantes (pessoas que tiveram contato com infectados) ou para doentes assintomáticos.

A prefeitura até vai receber lote de 10 mil comprimidos de hidroxicloroquina, liberados após pedido feito ao governo federal e que irá compor o kit. O protocolo ainda não foi oficializado ou liberado, mas o prefeito Marquinhos Trad (PSD) já avisou que ele não será distribuído, apenas estará à disposição para prescrição médica na rede pública.

Pesquisa interna no HR, feito com 106 dos 432 médicos da instituição (Foto/Reprodução)
Pesquisa interna no HR, feito com 106 dos 432 médicos da instituição (Foto/Reprodução)

No documento, Rosana Leite diz que o vírus é pouco conhecido e ainda está sendo objeto de muitos estudos e cita orientação do Ministério da Saúde para manuseio de medicamentos para pacientes com covid-19.

“Apesar de serem medicações utilizadas em diversos protocolos e de possuíram atividade in vitro [laboratorial] demonstrada contra coronavírus, ainda não há metanálises (...) que comprovem o benefício inequívoco dessas medicações para o tratamento da covid-19”. A nota do ministério informa que fica a critério do médico a prescrição, sendo necessária, também, a vontade declarada do paciente.

Seguindo esse entendimento, o HR não irá adotar protocolo único, mas deixará ao encargo do médico, com aval do paciente, a prescrição do “kit prevenção”.

A direção chegou a fazer pesquisa de opinião com os médicos do hospital. Dos 432 integrantes do corpo clínico, apenas 106 responderam. Dos votantes, 50 (47%) foram a favor da implantação da profilaxia e 56 (52,83%) são contra. O resultado, segundo Rosana, mostrou que é tema polêmico que ainda divide os profissionais, o que também estaria indicado no alto número de abstenções.

“Pelo exposto, não haverá a implantação de ‘protocolo’ de profilaxia neste nosocômio, porém, respeitaremos os direitos e deveres dos profissionais médicos com a observância irrestrita das normas legais vigentes”.

O uso do kit é polêmico, divide infectologistas e foi criticado pelo secretário Estadual de Saúde, Geraldo Resende, que distribuiu mensagem, via WhatsApp, falando sobre a “falsa sensação de segurança” proporcionada pelos medicamentos.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário