ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SÁBADO  15    CAMPO GRANDE 25º

Capital

Em 4 anos, Valdemir doou 500 bicicletas e agora quer chegar a mil

Marca simbólica, da 500ª bike, foi alcançada nesta quarta-feira na Vila Nasser, região norte da Capital

Por Gabriel Neris | 29/07/2020 17:48
Valdemir entregou a bike de número 500 para o menino Davi (Foto: Arquivo pessoal)
Valdemir entregou a bike de número 500 para o menino Davi (Foto: Arquivo pessoal)

Valdemir Dias Martins, de 42 anos, atingiu nesta quarta-feira (29) a marca de 500 bicicletas reaproveitadas e doadas durante quatro anos e meio. A marca simbólica foi alcançada na Vila Nasser, região norte da Capital.

O trabalho faz parte do projeto “A Semente, Projeto Esperança”. Valdemir conta que a ideia surgiu quando viu 30 carcaças de bicicletas paradas no terreno de um amigo. “Falei da ideia, montar para doar. Ele comprou minha ideia”.

No dia 1º de maio de 2016, Dia do Trabalhador, celebrado culturalmente com passeio ciclístico, foram quase 20 bicicletas entregues. “Com muito sacrifício”, conta.

A partir daí, o projeto não parou. Valdemir dividia o tempo destinado as bicicletas com a rotina de trabalho. E quem quiser também pode aprender a reformar a própria bike na oficina de casa, no Jardim das Virtudes, próximo ao José Abrão. “Ensino mecânica de graça. Aprende e ainda sai pedalando, o projeto tem porta aberta”, diz.

Peças de bicicletas são reaproveitadas (Foto: Arquivo pessoal)
Peças de bicicletas são reaproveitadas (Foto: Arquivo pessoal)

Ele conta que pretende fazer com que o projeto gere renda ao menos para quem o ajuda na fabricação ou reforma. E que almeja chegar a marca de mil bicicletas doadas.

“Estou chegando a metade do sonho, ao mesmo tempo a contemplação para mim é como se estivesse chegando nas mil bicicletas doadas. É muita garra, determinação, cansaço”, conta.

O rapaz conta que o estalo de ajudar o próximo surgiu em 2012. Era um domingo, hora do almoço, e voltava para casa depois de trabalhar no período da manhã. No caminho, de motocicleta passou por um grupo de alcoólatras.

“Algo me fez voltar. Perguntei se poderia conversar, hoje essas pessoas são grandes amigos meus. Comecei a fazer visita para eles, comprei carrinho de reciclagem para eles. Alguns morreram, outros pararam de beber. Faço tudo que puder incentivar as pessoas”, completa.

O projeto idealizado por Valdemir vai além das bicicletas. Também estimula a leitura com doação de livros. Somente nesta quarta-feira foram entregues 120 unidades no Terminal Júlio de Castilhos. Segundo ele, mais de 2 mil ganharam novos destinos. “Todos os livros que achamos no lixo, limpamos e doamos”, conta.

Na Escola Municipal Carlos Vilhalva, no Jardim Aeroporto, há uma bicicleta cargueira, batizada de “bicicloteca”, com cerca de 50 livros.

Interessados em ajudar o projeto podem procurar Valdemir pelo telefone (67) 99105-1290.