A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

03/04/2016 18:11

Em manifesto, grupo questiona falta de debate sobre "lei da mordaça"

Luana Rodrigues
Manifesto reuniu pelo menos 100 pessoas na praça do Rádio Clube. (Foto: Alan Nantes)Manifesto reuniu pelo menos 100 pessoas na praça do Rádio Clube. (Foto: Alan Nantes)
Professora há 21 anos, Ermelinda Bertuol, considera o projeto de lei uma censura a sua atuação. (Foto: Alan Nantes)Professora há 21 anos, Ermelinda Bertuol, considera o projeto de lei uma censura a sua atuação. (Foto: Alan Nantes)
Auisdy Castro Santos, 51 anos, diz que o projeto é um retrocesso. (Foto: Alan Nantes)Auisdy Castro Santos, 51 anos, diz que o projeto é um retrocesso. (Foto: Alan Nantes)
Sociólogo Paulo Cabral se diz indignado com texto do projeto. (Foto: Alan Nantes)Sociólogo Paulo Cabral se diz indignado com texto do projeto. (Foto: Alan Nantes)

Pelo menos 100 pessoas participaram do protesto, realizado na Praça do Rádio Clube, contra a lei que proíbe o tratamento de conteúdos principalmente sobre a ideologia de gêneros nas escolas de Campo Grande. Em uma “roda de debates”, manifestantes questionaram a falta de discussão sobre o projeto de lei, antes que ele fosse levado à votação.

“Tem audiência pública pra tudo, reunião para tudo e, nesse caso, não houve nada disso. Não recebemos nenhum chamado para discutir esse projeto que é um retrocesso”, afirmou o presidente da ACP (Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação Pública), Lucílio Nobre.

Lucílio deu início a “roda de debate” que se formou na praça, durante o manifesto. Um microfone foi disponibilizado para quem quisesse opinar sobre o que deve ser feito para que o prefeito Alcides Bernal(PP) vete o projeto.

Professora há 21 anos, Ermelinda Bertuol, considera o projeto de lei uma censura a sua atuação. “Como educadora, me sinto tolhida, desrespeitada com esse projeto. Se isso fosse em 1964, até que seria admissível, mas em pleno século 21, em 2016, alguém censurar a atividade de um professor dessa forma é no mínimo constrangedor e humilhante”, disse.

Com o mesmo tempo de profissão, Auisdy Castro Santos, 51 anos, não pensa de maneira diferente da colega. A professora reforça a afirmação de que o projeto é um retrocesso e que restringe a atividade do professor dentro da sala de aula. “Além de professora, sou formadora de professores, como é que vou dizer para os meus alunos que eles não podem tratar sobre assuntos que sempre foram mitos da educação e que só agora estão sendo desmitificados? Não se pode falar somente aquilo que o Estado quer, porque quando falamos só o que o Estado quer, formamos alunos alienados e isso é inadmissível”, considera.

Paulo Cabral, reconhecido em Campo Grande pelo trabalho como sociólogo, participou da manifestação e também questionou a falta de um debate com a categoria envolvida, antes da construção do texto do projeto. “Além de ser inconstitucional, o projeto foi feito na calada da noite. Não foi colocado em discussão, em debate com a comunidade. Estou indignado com o texto do projeto e com a forma como querem aprová-lo, porque antes de eles tentarem estabelecer regras para o professor trabalhar, deveriam estabelecer regras para que eles mesmo trabalhem de maneira honesta”, acredita.

Durante o ato, os manifestantes foram convidados a participarem de uma reunião que será realizada na ACP (Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação Pública), nesta segunda-feira (04), às 18h. Segundo o presidente da ACP, nesta reunião será produzido um documento de repúdio ao projeto de lei, que posteriormente será encaminhado a Câmara Municipal e a Prefeitura.

Outro lado - Em entrevista ao Campo Grande News, o autor do projeto, vereador Paulo Siufi (PMDB), disse que decisões ideológicas devem ser tomadas pela família e não aos professores. "Cabe aos professores ensinar matemática, português, ciências. A educação sexual e a religião deve ser ensinada pelos pais. Esses temas não devem ser discutidos em sala de aula por professores e pessoas que acham que entendem do assunto", afirmou o vereador.

Siufi ainda enfatizou que recebeu parabenização de diversas pessoas pelo projeto. "O projeto recebeu crítica de pessoas ligadas ao movimento LGBT. As pessoas que respeitam a família deram apoio."

Quanto ao ensino religioso, o vereador afirmou não ter restrição quanto a realização de orações dentro das escolas. "Não existe proibição ou restrição quanto a realização de orações dentro da escola. O Pai Nosso é uma oração universal, e ninguém está se posicionando contra a religião e a família", declarou.

Universidade do MS recebe certificação de excelência em gestão
Será recebida pela UCDB (Universidade Católica Dom Bosco) em solenidade que acontece na próxima segunda-feira (18) o certificado de excelência em ges...
Águas Guariroba continua com campanha de renegociação de dívidas
Vai até o dia 29 deste mês a campanha "Fique em Dia", realizada pela Águas Guariroba para renegociar as dívidas que os consumidores têm com a empresa...


Acho fantástico a forma como o tema esta sendo abordado, vejo um manifesto em plena praça "publica", que se diz aberto a discussões, porem so vejo pessoa contra o projeto e se por acaso aparacer alguem com argumento que defenda, pronto vira guerra, nao estou defendendo ninguém nem partido nenhum, mas li a lei nao vi tantas restrições, apenas que os educadores não devem impor seus pontos de vista aos alunos, mas discutir o assunto de forma igualitária, se utilizado das matérias a qual ela são atribuídas, como ocorre em historia e ciência, no qual esse assuntos estão presentes. Muitos pais acredito estao a favor da lei, pois sabemos que nossa crianças sao como esponja que suga tudo ao redor, se estão reclamando o melhor seria se especializarem no assunto de forma neutra."liberdade"de escolha
 
Juci em 05/04/2016 07:51:40
Lamentável que nos dias de hoje a discussão do "saber" seja tolhida. Não há respeito algum pelo pensamento contrário, são pais que impedem a construção do pensamento e produzem jovens alienados cheios de definições vagas. Não é possível afirmar que conhece um assunto tendo como base apenas um ponto de vista. Como construir o senso critico se não existe o contraditório? O nobre parlamentar só não é contra a oração do "Pai Nosso" pois como bom católico, acredita que esta oração é universal mas se esquece que nem todos são cristãos. Aguardo o dia em que os legisladores serão realmente representantes do povo, do gênero humano, e não de uma classe.
 
Esc em 04/04/2016 09:46:47
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions