ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, QUARTA  29    CAMPO GRANDE 11º

Capital

Empresa que faria Aquário sem licitação fica responsável por museu

Maksoud Rahe venceu concorrência feita em agosto; construção é fruto de convênio do governo com a Petrobras

Mayara Bueno | 23/08/2018 09:14
Aquário do Pantanal visto da área de entrada do empreendimento. (Foto: Paulo Francis).
Aquário do Pantanal visto da área de entrada do empreendimento. (Foto: Paulo Francis).

A Construtora Maksoud Rahe venceu a licitação de R$ 2,1 milhões para construção do museu interativo que vai funcionar dentro do Aquário do Pantanal, em Campo Grande. Essa é a mesma empresa escolhida em janeiro deste ano, sem licitação, para retomar a obra nos altos da avenida Afonso Pena, por R$ 27.569.534,83.

De acordo com a publicação, divulgada no Diário Oficial do Estado desta quinta-feira (dia 23), a empresa será responsável por fazer serviço “especializado em instalações e montagens de infraestrutura para o pleno funcionamento do museu interativo da biodiversidade de MS”.

A licitação foi lançada em julho de 2018 e, na ocasião, a Agesul (Agência de Gestão de Empreendimentos de MS) informou que abriu a concorrência mesmo com a obra principal parada, pois o recurso do museu já estava garantido em um convênio com a Petrobras. Portanto, tinha prazo para ser executado.

Na mesma ocasião, o governo informou que a construção poderia ser iniciada, independentemente da retomada do empreendimento maior.

Escadaria que dá acesso à entrada do Aquário do Pantanal; paredes e escadas no reboco. (Foto: Paulo Francis).
Escadaria que dá acesso à entrada do Aquário do Pantanal; paredes e escadas no reboco. (Foto: Paulo Francis).
Gesso descolado no teto expõe fiação do Aquário. (Foto: Paulo Francis).
Gesso descolado no teto expõe fiação do Aquário. (Foto: Paulo Francis).

Resumo - Em 2017, a Secretaria de Meio Ambiente havia afirmado que o espaço tecnológico contará com 180 estações e nelas serão divulgadas características do Estado, com o bioma do Cerrado. O projeto é fruto de convênio do Executivo Estadual com a Petrobras firmado ainda em 2014, ano que em se prometeu entregar o Aquário pronto.

O convênio federal é só um aspecto do empreendimento inacabado. Até agora, estima-se que saíram R$ 200 milhões dos cofres estaduais para a construção da obra. Visita no início de agosto expôs outro quadro revoltante: do que foi construído, boa parte está desgastado, como pintura e o próprio chão com partes descoladas.

Hoje, o empreendimento está completamente parado, depois que a situação foi parar na Justiça. Isso porque o governo estadual tentou, com aval do Ministério Público e outros órgãos, contratar uma nova empresa sem a necessidade de fazer licitação - situação obrigatória em quase todos os casos no Poder Público.

A justificativa é de que um novo processo alongaria ainda mais a espera pela conclusão. A Justiça, no entanto, negou a possibilidade e, agora, o Estado recorre da medida.

Nos siga no Google Notícias