A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

04/09/2013 21:52

Empresa vai pagar R$ 1,2 milhão a homem atropelado por ônibus

Vinícius Squinelo

Marcelo Freire Victório vai ser indenizado em R$ 1,2 milhão pela Viação Serrana, por ter sido vítima de um acidente de trânsito em Campo Grande. A decisão, unânime, foi proferida pela 5ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, que negou recurso interposto pela empresa de transporte coletivo.

Segundo os autos, no dia 31 de outubro de 2008, Marcelo foi vitima de um acidente enquanto caminhava pela calçada na Rua Rui Barbosa, no Centro da Capital, e, em razão disso, sofreu várias lesões. Na mão esquerda sofreu amputação parcial do polegar e múltiplas fraturas expostas com perda maciça de substância cutânea, tendínea e óssea dos demais dedos; na mão direita houve amputação parcial dos quatro dedos e no joelho direito teve fratura exposta com grande perda de substância também.

O motorista do ônibus alegou que trafegava normalmente quando a barra de direção parou de funcionar e perdeu o controle do veículo invadindo a calçada. Conforme a Viação Serrena, o ônibus havia passado por vistoria anual feita pela Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito), quatro meses antes do ocorrido, e por revisão preventiva na empresa no dia 17 de outubro de 2008, sendo que na ocasião foi constatada ligeira folga na peça existente e realizada a substituição por outra nova, restando apenas a possibilidade de falha de fabricação da peça.

Visto que as lesões sofridas pelo apelado deixaram sequelas de cunho moral e estética permanentes, o magistrado em primeiro grau fixou a título de danos morais o valor de R$ 500.000,00 e danos estéticos em R$ 700.000,00, corrigidos monetariamente pelo IGPM e com juros de mora de 12% ano. A empresa requereu a redução dos valores fixados na sentença, alegando que desde a data dos fatos está prestando assistência a vitima e a sua família.

O relator do processo, Desesembargador Vladimir Abreu da Silva, em seu voto observou que a vitima, com 32 anos de idade na época, já havia concluído duas faculdades (Engenharia e Direito) e era servidor público federal, e após o acidente foi privado das diversas oportunidades que sua carreira vinha a oferecer.

Para o relator, os valores fixados na sentença devem ser mantidos, considerando as condições restritivas e permanentes da vida do apelado, com esmagamento e amputação parcial dos membros e a condição socioeconômica do ofensor.

O posicionamento do relator foi acompanhado de forma unânime pelos desembargadores Luiz Tadeu Barbosa Silva e Júlio Roberto Siqueira Cardoso.



Esta é a justiça que queremos, uma justiça, justa.
 
César Andrade em 05/09/2013 09:13:24
Parabenizo ao Marcelo Freire Victório, por esta vitória na justiça.Isto não lhe devolverá as perdas principalmente, a perda física, mas pelo menos corrige-se em parte algo que lhe é legal , moral e justo. Bom seria Desembargador Vladimir, se todos os cidadãos comuns conseguissem o mesmo benefício, proporcional a cada caso, porque não é justo que uns consigam valores até razoáveis e outros não cobre nem despesas hospitalares e e muito menos de fisioterapia. Valeu, parabéns ao requerente e ao defensor da causa.
 
João Alves de Souza em 05/09/2013 01:00:41
Fico feliz em saber que no Brasil, tão descrente, esse caso, dessa vez, não acabou em pizza. Marcas que ficaram para sempre na vida de uma pessoa que só exercia o seu direito de ir e vir. Que essa seja a primeira de muitas outras vitórias da vida contra a impunidade. Parabéns Justiça MS, felicidades Marcelo.
 
João de Souza em 04/09/2013 22:34:19
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions