A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 20 de Abril de 2019

14/01/2019 11:43

Empresários querem mais tempo para começar a pagar por lixo que produzem

Audiência na Câmara discutiu cumprimento de decreto, que repassa às grandes empresas a responsabilidade pelos resíduos sólidos

Mayara Bueno e Bruna Pasche
Empresários e vereadores reunidos na Câmara Municipal durante audiência. (Foto: Henrique Kawaminami).Empresários e vereadores reunidos na Câmara Municipal durante audiência. (Foto: Henrique Kawaminami).

Reunidos em audiência pública nesta segunda-feira (dia 14) na Câmara Municipal, empresários de Campo Grande, considerados grandes geradores de lixo, pedem maior prazo para adequação da lei que começou a valer neste mês.

Lei federal foi regulamentada por decreto municipal em setembro de 2017 e previa que, a partir de 1º de janeiro, a Prefeitura de Campo Grande deixaria de recolher o lixo produzido por pelo menos 394 endereços. Por lei, os grandes geradores são os responsáveis por descarte e destinação dos resíduos.

Os empresários foram notificados em dezembro passado e tiveram somente 20 dias para adequação. Por isso, o pedido ao Executivo municipal foi para que o prazo seja esticado, até mesmo para que as empresas possam buscar informações sobre o assunto. Com a norma, várias empresas passara a disponibilizar esses serviços aos donos de bares, restaurantes e lojas, mas o valor ainda é considerado alto.

Outra solicitação foi de elevar os volumes estabelecidos para enquadrar as empresas nessa categoria. Conforme o decreto, são considerados grandes geradores pessoas físicas ou jurídicas, proprietários de empresas e locais que produzam resíduos sólidos de volume superior a 200 litros por dia ou 50 quilos por dia.

Segundo o vereador André Salineiro (PSDB), um dos proponentes da audiência, o volume é muito baixo e pode ser “preenchido” em um saco preto de lixo. “Deve ser considerado grande gerador os hospitais, shoppings, determinadas indústrias, não o micro, pequeno e médio empreendedor”.

Representando os restaurantes e outros locais de consumo de alimentos, Juliano Wertheimer, da Abrasel (Associação Brasileira de Restaurantes e Bares de Mato Grosso do Sul), afirmou que a intenção não é descumprir a legislação, mas tentar adequação em relação aos volumes estabelecidos.

O exemplo dado pelo representante refere-se a um estabelecimento que vende sucos e paga R$ 1,50 no quilo da laranja. Ao entrar em contato com empresas responsáveis por destinar o lixo das grandes geradoras, a informação foi de que, para recolher um quilo da casca da fruta, o cobrado é R$ 2.

Além de não compensar para o empresário, o temor é que o valor seja repassado para o consumidor, afirma. O primeiro-secretário da ACICG (Associação Comercial e Industrial de Campo Grande), Roberto Oshiro, disse que os comerciantes se uniram para buscar alternativas de reciclagens, uma maneira de baratear a destinação do lixo e também pensar no meio ambiente.

O secretário da Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano), Luiz Eduardo Costa, lembrou que trata-se de uma legislação federal de 2012 que foi, inclusive, cobrada pelo Ministério Público. Segundo o órgão, a Prefeitura de Campo Grande estaria bancando cerca de R$ 400 mil ao recolher lixos das grandes empresas, dinheiro que pode ser aplicado em outras áreas.

Hoje, acrescenta o titular, há 11 empresas habilitadas para fazer o serviço de coleta e outras três em processo da habilitação. Quem está enquadrado em grande gerador, mas já pagou o valor referente à taxa de lixo, pode pedir o ressarcimento.

Para Luiz Eduardo, a medida vai gerar emprego, “porque lixo não é só descarte, é negócio”. Por dia, Campo Grande produz 900 toneladas de lixo. As empresas notificadas precisam se cadastrar no PGRS (Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos).



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions