ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SEGUNDA  19    CAMPO GRANDE 27º

Capital

Enfermeiro leva três facadas dentro de posto de saúde do Aero Rancho

Funcionário do Caps foi atingido por três golpes por homem que estaria em surto psicótico, segundo a Sesau

Por Humberto Marques e Aletheya Alves | 11/09/2019 17:10
Enfermeiro foi ferido por paciente em surto, segundo Sesau e testemunhas. (Foto: Direto das Ruas)
Enfermeiro foi ferido por paciente em surto, segundo Sesau e testemunhas. (Foto: Direto das Ruas)

Enfermeiro foi esfaqueado por um paciente do CRS (Centro Regional de Saúde) Aero Rancho, em Campo Grande, na tarde desta quarta-feira (11). Segundo usuários e funcionários do local, o servidor público foi atingido por pelo menos três golpes. O autor teria entrado em surto por isso o ataque.

Os crime ocorreu por volta 15h30 e gerou um princípio de tumulto. O atentado ocorreu no Caps (Centro de Atenção Psicossocial, focado no atendimento em saúde mental). Estabilizado, o enfermeiro foi transferido para a Santa Casa.

A Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) informou que o paciente chegou em surto ao Caps e agrediu o profissional. Os ferimentos teriam sido superficiais – na cabeça, braço e abdome, embora haja suspeita que este último tenha atingido o fígado do servidor – e o servidor passa bem. A pasta está prestando assistência ao funcionário, cujo nome não foi oficialmente divulgado. A reportagem apurou se tratar de Ubirajara Viana Ferreira.

O nome do paciente, que foi contido por agentes da Guarda Civil Municipal e seria entregue à delegacia de Polícia Civil, também não foi informado.

“Eu estava esperando pra ser atendida quando vi a bagunça. Todo mundo fica muito nervoso, aí perguntamos e os funcionários falaram que foi facada no enfermeiro. A gente não viu depois, só na hora mesmo”, afirmou uma testemunha, que pediu para não ser identificada, à reportagem.

Uma funcionária, que também pediu para ter a identidade preservada, relatou que o paciente estava descontrolado. “Ele esfaqueou o enfermeiro responsável, ele veio para matar”, afirmou, destacando, ainda, que trabalhadores do Caps estão “à mercê, correndo risco de vida. Somos xingados e ameaçados todos os dias e nada é feito”.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário