A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

05/02/2014 15:12

Família da Capital aciona Justiça após bar servir suco com cachaça a bebê

Graziela Rezende

Uma viagem que, a princípio, seria somente de diversão e tranquilidade, quase se transformou em tragédia para a família do servidor público Paulo José, 37 anos. Ao pedir um suco e “enfatizar” que deveria ser de frutas, para os filhos de um e nove anos, ele foi surpreendido ao percebeu que o bebê havia ingerido uma mamadeira inteira de polpa de abacaxi com cachaça.

O fato ocorreu na segunda vez que ele foi à barraca Com Amor Beach Bar, localizada em Aracajú (SE). Assim que chegou à cidade, Paulo conta que questionou vários moradores sobre locais adequados para ficarem com as crianças. “Disseram que lá era um ótimo lugar para o público infantil e realmente não tivemos problemas com atendimentos no primeiro dia”, conta o servidor público.

No entanto, no 2° passeio na Praia do Refúgio, eles voltaram a almoçar na barraca de grande infraestrutura. “O fato ocorreu no dia 15 de janeiro, logo após a nossa refeição. Minha esposa chamou a garçonete e perguntou a ela se havia suco natural da fruta e não somente de polpa. Foi o momento em que a funcionária sugeriu o suco de abacaxi com hortelã e meu filho de 9 anos optou por aquele”, relembra o servidor.

Jarra cheia - Assim que chegou a jarra com bastante gelo, Santos encheu a mamadeira do menino. “Estava bem gelado e ele tomou tudo. Foi quando servi mais 70 ml na mamadeira dele e o líquido ficou lá. Pouco tempo depois, meu filho mais velho, que estava jogando bola, chegou e pediu algo para beber. Servi a ele e o garoto comentou que a bebida estava estranha”, diz o servidor.

Ao experimentar, Paulo diz que sentiu um gosto forte de cachaça. “Estava forte, com mais álcool do que em uma caipirinha, por exemplo. Eu me aproximei de um advogado que reside em Brasília e inclusive conheci lá. Pedi a ele para experimentar a bebida e dizer do que se tratava, quando ele sentiu o mesmo gosto”, fala ao Campo Grande News o servidor.

Indignados, eles chamaram a funcionária que havia sugerido o suco de abacaxi com hortelã. “Ela apenas recolheu rapidamente a bebida e falou que já estava providenciando outra. Logo um gerente nos pediu desculpas, mas esse não é o procedimento correto. Mais tarde, a proprietária do estabelecimento chegou com a outra trabalhadora que tinha feito o suco”, conta.

Ambas, por mais de uma vez, negaram que a bebida continha álcool. “A dona disse que era evangélica e que não tomava álcool, sendo que experimentou a jarra e não tinha álcool. Por sorte, havia um restante que eu tinha colocado na mamadeira do meu filho e as fiz experimentar. Na hora, as duas cuspiram rapidamente e a funcionária chorou muito”, garante o servidor.

Enquanto a dona pediu a ele para não pagar a conta, Paulo exigiu uma nota contendo os itens consumidos. “Achei muito descaso da parte deles, não chamarem uma ambulância ou até mesmo ter pego o meu telefone para perguntarem sobre a criança posteriormente”, avalia o servidor.

A pediatra, que reside em Campo Grande, sugeriu aos pais para darem frutas, leite do peito e picolé ao menino. “Por sorte ele não teve nada grave, embora tenha perdido o sono o dia todo, sendo que chorava muito e foi deitar às 23h daquele dia, mas acordava chorando de meia em meia hora”, conta.

Já na Capital, duas semanas após o fato, o servidor público diz que acionará a empresa por danos morais. “Senti um descaso enorme por parte deles, por isso vamos entrar com uma ação na Justiça. Isso também é um alerta para muitos pais, de não confiarem na bebida que está sendo servida para as crianças, já que ele poderia ter tido uma reação mais grave”, finaliza Santos.

Um boletim de ocorrência foi registrado na delegacia de atendimento ao turista do município e a Polícia dá andamento ao caso.

Terminal rodoviário de Campo Grande oferece cartões de Natal gratuitos
A rodoviária de Campo Grande, mais um ano, oferece gratuitamente cartões de Natal gratuitamente para os passageiros que passarem pelo local até o pró...
Universidade do MS recebe certificação de excelência em gestão
Será recebida pela UCDB (Universidade Católica Dom Bosco) em solenidade que acontece na próxima segunda-feira (18) o certificado de excelência em ges...
Águas Guariroba continua com campanha de renegociação de dívidas
Vai até o dia 29 deste mês a campanha "Fique em Dia", realizada pela Águas Guariroba para renegociar as dívidas que os consumidores têm com a empresa...


E aí, mandou a criança assoprar o "bafômetro" para comprovar o estado de embriaguez dela, ou não? sim porque uma mamadeira de cachaça pra uma criança de 1 ano vai deixar ela literalmente "mamada" e com bafo de dragão, e além disso a criança perdeu o sono!!! estranho porque toda pessoa que não tem costume de tomar bebida alcoólica, quando o faz pela primeira vez é certo que ficará sonolenta e terá dificuldade para acordar, já esta criança!!! muito mal contado esta história.
 
Antonio Mazeica em 06/02/2014 17:30:32
Agitado? Era cachaça ou cocaina?
Outra coisa, tem muito marmanjo que toma caipirinha devagar pq é forte, 45ml de cachaça e a turma demora um baita tempo pra tomar, agora uma criança de 1 ano tomou uma mamadeira cheia?
Num caso desse a criança ficaria completamente desidratada, hospital e soro na certa, fígado iria sofrer..
Olha, na internet não dá pra acreditar em tudo, muito menos quando não faz sentido.
 
Pedro Alcantara em 06/02/2014 10:17:55
Hã,hã,...Advogado do lado...amigo conhecido em cima da hora,....por acaso médico de Campo Grande em Aracaju....Coincidências,muitas heim!!!!!!
Sem exames comprobatórios ...Legal.
 
esmeraldo pereira pitaluga em 06/02/2014 07:19:32
Uma jarra mais forte do que caipirinha. E ninguém sentiu o odor de álcool? Realmente é muita imprudência dos pais. Tem outra, estabelecimento nenhum forneceria nota fiscal sendo que você não tenha pago a conta. Tem mais. Por quê não chamaram a polícia no momento para registrar um boletim de ocorrência? Questões que nos levam a concluir que foi imprudência e negligência por parte dos pais.
 
LUCIANO DE SOUZA LIMA em 05/02/2014 23:06:07
Se não foi elaborado por você, experimente, saiba o que seu filho está ingerindo
 
Roseli Peralta em 05/02/2014 19:16:23
É a indústria do dano moral. Tudo é motivo para arrancar dinheiro dos outros (e que providência divina ter um advogado ao lado, hein?). E tem mais, o normal seria o menino dormir e não ficar agitado. Lamentável o que ocorreu, mas em tudo há limite, inclusive para tanta indignação.
 
Lene Pereira em 05/02/2014 18:06:28
pura imprudência dos pais também. E outra, errar é humano.
isso não cabe a danos morais, pois se se tinha cachaça no suco, não era uma lanchonete voltada para ambiente familiar e sim um boteco. como o próprio nome do estabelecimento afirma se trata de bebidas direcionadas principalmente a adultos.
Isso esta mais pra um golpe de dano moral.
 
Andre Diogo em 05/02/2014 17:32:28
Lorota
 
Pedro Machado em 05/02/2014 17:25:36
ESTA MUITO MAL CONTADA MESMO , SE LEVARAM NO MEDICO DEVERIAM PEDRI UM EXAME QUE COMPROVE A INGESTAO DE ALCOOL NO SANGUE DA CRIANCA
 
NAYANE.VICENTE em 05/02/2014 17:16:14
Cláudio e Graciela, não conheço o casal em questão, mas.... sinceramente? Me desculpe, mas acho ridículo julgar os pais! Tenho três filhos, todos grandes já, e nunca tomei por obrigação colocar na boca antecipadamente tudo que daria a eles... pára! Isso é nóia!!!!! O estabelecimento comercial é que está totalmente errado!!! Gente... cada opinião viu! Só rindo!
 
Ana Cláudia Ferreira em 05/02/2014 16:55:33
acho que alguém está querendo ganhar dinheiro...
 
Cleverson Santos em 05/02/2014 16:52:13
Tava mais forte que uma caipirinha...
O bebê tomou a mamadeira inteira...
E só ficou agitado?
 
ALEXANDRE RAMOS em 05/02/2014 16:38:53
Eu achei o fato um tanto chato e perigoso e respeito a opinião do pai, mas eu sendo pai de um bebe da mesma idade do bebe da matéria, tenho que concordar com os comentários, pois NUNCA dei nada para meu filho antes de experimentar, hoje não se deve dar nada aos filhos sem nossa supervisão e degustação, principalmente industrializados, pois podem acontecer vários acidentes e muitos podem ser fatais, como por exemplo este caso e como no caso do ácido de limpeza que continha nas embalagens de Toddynho no ano de 2011.
 
Rodrigo Magalhães em 05/02/2014 16:26:59
Mas que espécie de pai e mãe são esses que não tem a preocupação em experimentar antes de servir algum alimento ou bebida a uma criança. A responsabilidade em zelar por nossos filhos parte de nós pais.
 
Graciela Pirez em 05/02/2014 15:50:56
Muito estranha essa historia, será que antes de servir algo para seu filho pequenoe vc não experimenta antes, para ver se esta bom, se não esta azedo. Isso ta me cheirando o bom e velho golpe do Dano Moral. Talvez essa familia queira pegar de volta o dinheiro gasto na viagem.
 
claudio abilio em 05/02/2014 15:44:54
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions