ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 26º

Capital

Favela no Noroeste tem 150 ligações clandestinas de energia cortadas

O abastecimento de energia para eles é feito de forma clandestina e, depois de uma denúncia anônima, a ligação foi interrompida e fios levados

Bruna Kaspary | 14/08/2018 13:35
Moradores da comunidade se reuniram para tentar resolver o problema da falta de energia (Foto: Simão Nogueira)
Moradores da comunidade se reuniram para tentar resolver o problema da falta de energia (Foto: Simão Nogueira)

Moradores da favela do "Linhão", no Jardim Noroeste, foram surpreendidos na manhã dessa terça-feira (14) com a chegada de equipes da polícia e da Energisa para o desligamento da energia das casas onde moram. Ao todo, 150 barracos tiveram a energia desligada.

No local, o fornecimento de energia é feito de forma clandestina, mas os moradores reclamam de não conseguirem a ligação regular e de não terem sido avisados sobre o corte.  Eles moradores se reuniram na frente das casas para tentar achar saída para o corte da energia. “Meu sogro tem que fazer inalação a cada 3h e hoje ele ainda não fez. Se ele passa mal, não tem quem o leve para o posto”, lamenta Claudenir da Silva, de 40 anos.

A moradora Priscila Dourado, de 26 anos, afirma que eles não podem fazer a ligação correta porque moram em barracos e têm que recorrer à clandestinidade. “Já faz cinco anos que eu moro aqui, nunca vieram desligar, agora disseram que foi uma denúncia anônima”, explica.

“Eles [a equipe] vieram perguntar se colocassem para a gente pagar, se a gente ia. Mas é claro que a gente paga, tudo o que a gente quer é dignidade”, completa a jovem. Ela ainda pontua que, enquanto a equipe estava na comunidade, toda vez que os moradores tentavam falar com os trabalhadores a polícia entrava na frente não permitindo que eles se aproximassem.

Camila Cristaldo tem 29 anos e mora na comunidade há quase nove. Ela tem uma filha de 2 anos e está grávida de 5 meses do segundo e teme pela saúde das crianças com esse corte na energia. “Eu abro a geladeira e vejo pingando nas comidas que estão lá dentro, estragando tudo. E alguém vai pagar essa comida que estragar?”, questiona a jovem.

O que diz a empresa - Em nota,  a Energisa informou que a ação foi para combater  combate as ligações clandestinas de energia no Jardim Noroeste. Segundo a empresa, foram 30 equipes, com o apoio de cinco viaturas e quatro motos da Polícia Militar.

"O objetivo da ação é garantir a segurança das famílias que vivem no local e proteger a rede de distribuição de energia que abastece os clientes regulares do município", afirma a empresa. Segundo divulgado, a área invadida consumia em média 360 MWh/ano, o que equivale a R$ 162 mil por ano.

De acordo com a Energisa, por se tratar de crime, a fiação foi recolhida pela Polícia Militar como evidência. A empresa acrescenta que o desligamento do fornecimento de serviço de energia não apresenta risco de queima de aparelhos eletrônicos.

De acordo com a Energisa, a concessionária ressalta que atua em todo o estado no combate a furtos de energia, uma obrigação regulatória determinada pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica). "Além de ser crime e gerar impacto nas tarifas de clientes regulares, as ligações clandestinas oferecem riscos à população já que podem ocasionar acidentes com choques elétricos, curtos-circuitos e incêndios, sobrecarregam e comprometem a confiabilidade da rede de distribuição de energia", diz a nota.

A Energisa cita ainda que a Resolução 414 da ANEEL, as distribuidoras de energia só podem regularizar o fornecimento de energia em áreas invadidas após a regularização dos lotes pelo poder concedente: Governo, Prefeitura Municipal ou Ministério Público.

 

Nos siga no Google Notícias