A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

07/10/2015 13:35

Golpe do envelope em branco "com fogo" foi tramado em cela da Máxima

Aline dos Santos e Luana Rodrigues
Delegados da PF,Marcelo Alexandrino (esquerda)  Cleo Mazzotti, falaram sobre o golpe hoje (Foto: Marcos Ermínio)Delegados da PF,Marcelo Alexandrino (esquerda) Cleo Mazzotti, falaram sobre o golpe hoje (Foto: Marcos Ermínio)

O golpe do envelope em branco, esclarecido hoje pela PF (Polícia Federal) na operação Caixa de Fogo, foi tramado em uma cela da penitenciária Jair Ferreira de Carvalho, a Máxima, em Campo Grande. Presos por tráfico, pai e filho, de 49 anos e 26 anos, respectivamente, conheceram um assaltante de 29 anos. Juntos, planejaram a ação. Pai e filho foram soltos em dezembro do ano passado e o rapaz neste ano.

O crime aconteceu no dia 17 de maio, no bairro Aero Rancho, quando o trio depositou seis envelopes em branco, no valor de 16,4 mil, e depois voltou para queimar o terminal eletrônico e obrigar a Caixa Econômica Federal a creditar o valor.

Eles contaram que buscavam pessoas que estavam vendendo veículos e propunham pagar através depósito bancário, mas usavam envelopes em branco. Depois de obter os comprovantes, iludiam os vendedores dos automóveis, afirmando que haviam pago a dívida. Contudo, as duas vítimas não tiveram prejuízo. Uma teve o carro recuperado e a outra não entregou o veículo.

“Nunca aceite nenhum tipo de negociação em que a forma de pagamento é o depósito e a única certeza é o comprovante”, orienta o delegado Marcelo Alexandrino de Oliveira.

Pai e filho foram presos em casa no Indubrasil. O terceiro envolvido foi localizado no bairro Aero Racho. A PF não divulgou os nomes. A investigação foi feita pela Polícia Federal porque a Caixa é do governo.

Segundo o delegado regional de combate ao crime organizado, Cleo Mazzotti, será apurada a relação com outros crimes de explosão de caixas eletrônicos em Campo Grande. “Há possibilidade, mas não ficou constatado. Será feita troca de informações com a Polícia Civil para verificar a participação deles nesses crime, para que seja iniciada investigação conjunta”, diz.

Os presos vão responder por estelionato qualificado (por ser em instituição pública), incêndio qualificado e associação criminosa. Eles serão transferidos da superintendência da PF para o sistema penal do Estado.

Grupo dava golpe do envelope branco e queimava caixa para apagar pistas
A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quarta-feira (7) a Operação Caixa de Fogo, com o objetivo de prender três pessoas acusadas de incendiar um...
Homem é ferido a tiro em saída de pagode no Bairro Taquarussu
Giovani Rodrigues Barbosa, 22 anos, foi baleado no tórax na saída de um pagode, na madrugada deste domingo (18), na Avenida Presidente Ernesto Geisel...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions