ACOMPANHE-NOS    
DEZEMBRO, QUARTA  08    CAMPO GRANDE 20º

Capital

Idoso encontrado morto e amarrado foi deixado preso com fios em ataque há 1 ano

Cena parecida foi testemunhada há um ano e chamou a atenção de casal de amigos da vítima

Por Anahi Zurutuza e Ana Beatriz Rodrigues | 18/10/2021 16:28
Idoso foi encontrado morto no sofá de casa. (Foto: Direto das Ruas)
Idoso foi encontrado morto no sofá de casa. (Foto: Direto das Ruas)

Paulo Quezada Penha, idoso de 67 anos que foi encontrado morto no sofá de casa na noite deste domingo (17), foi vítima de ataque e perseguição há pouco mais de um ano. A informação foi dada à Polícia Civil por um casal de amigos da vítima.

O cadáver foi encontrado com mãos amarrada com cabo de eletrodoméstico, que também dava volta no pescoço de Paulo. Como não havia evidências de luta na casa e no corpo, há suspeita de que a vítima tenha sido asfixiada.

A cena chamou a atenção dos amigos, porque Paulo já foi vítima de um homem, que hoje tem 38 anos, que o agrediu e o deixou amarrado com fios. O suspeito também teria perseguido o idoso por um tempo. O casal não deu detalhes sobre o motivo do ataque.

Os amigos de Paulo chamaram a polícia na noite de ontem, após encontrarem a casa dele toda escura e trancada. Policiais militares que estiveram na residência, localizada na Rua Aparecida com a Frei Henrique de Coimbra, na Vila Progresso, região central de Campo Grande, arrombaram a porta da frente para acessar o imóvel, mas depois perceberam que a entrada dos fundos não estava trancada.

Além da PM, policiais da Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Centro e a perícia técnica estiveram no local. Apesar de não haver marcas de violência no corpo, Paulo havia sangrado pelo ouvi esquerdo.

No local, não foi possível estabelecer a causa da morte, trabalho que será feito pelo médico legista no Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal).

Casa da vítima, na Vila Progresso (Foto: Kísie Ainoã)
Casa da vítima, na Vila Progresso (Foto: Kísie Ainoã)


Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário