ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEGUNDA  08    CAMPO GRANDE 19º

Capital

Investigação sobre briga entre delegados estão avançadas, diz secretário

Segundo Videira, não há qualquer indício que leve ao afastamento de Adriano do cargo

Por Geisy Garnes e Adriel Mattos | 17/11/2021 15:30
Antônio Carlos Videira durante lançamento da segunda etapa do Programa MS de Integridade. (Foto: Paulo Francis)
Antônio Carlos Videira durante lançamento da segunda etapa do Programa MS de Integridade. (Foto: Paulo Francis)

Enquanto o delegado-geral da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul, Adriano Geraldo Garcia, está de férias, as investigações sobre a discussão entre ele e a delegada Daniela Kades em uma reunião interna continuam “a todo o vapor” na Corregedoria. É o que afirmou o secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública, Antônio Carlos Videira, nesta manhã.

Videira falou sobre o caso, que ganhou repercussão após a divulgação do áudio da discussão entre os delegados no início do mês, durante lançamento da segunda etapa do Programa MS de Integridade.

Segundo o secretário, a apuração é acompanhada de perto pela delegada-adjunta Rozeman Geize Rodrigues de Paula, que desde 11 de novembro responde pela Polícia Civil de Mato Grosso do Sul no lugar de Adriano e pelo corregedor-geral, Márcio Rogério Faria Custódio.

“Ontem, eu me reuni com a doutora Rozeman e com o delegado Márcio e eles me atualizaram do procedimento que está na Corregedoria, o episódio como um todo e nós estamos acompanhando as oitivas, as versões apresentadas por todos”. Videira garantiu que as investigações estão avançadas e que todo o procedimento administrativo é seguido à risca para garantir transparência e ampla defesa dos envolvidos.

Conforme ele, o processo está bem adiantado e ao fim da análise da Comissão Processante, as apurações serão enviadas à Sejusp. Em regra, o procedimento tem prazo de 30 dias para ser concluído, mas esse período pode ser estendido para garantir a entrega da defesa prévia dos envolvidos.

Apesar de falar que no momento não se descarta a instauração de outros procedimentos para apuração dos atos denunciados à Corregedoria, o secretário afirma que hoje, não há qualquer indício que leve ao afastamento de Adriano do cargo de delegado-geral.

A afirmação de Videira não se refere somente a briga entre os delegados, mas sim, ao pedido de retirada do delegado do cargo, feito pelo vereador Tiago Vargas e as recentes denúncias contra ele feitas ao Ministério Público Estadual, que apontam a um possível envolvimento do chefe da Polícia Civil com o jogo do bicho. “Como no momento ele está de férias, não afeta em nada a apuração”.

Em entrevista, o secretário ainda explicou que diante de um possível afastamento, ficaria a cargo do governador do Estado eleger um novo delegado-geral, já que a escolha do nome para o cargo é exclusivamente do chefe do Executivo.

Entenda – O vazamento de uma discussão entre Adriano e a delegada Daniela Kades, durante reunião interna, deu início à uma série de denúncias contra a administração do atual delegado-geral. Na ocasião, ela se recusou a revelar ao chefe a identidade de criminosos investigados pela Operação Omertà, sob justificativa de que “não confiava na polícia”.

Depois das acusações, Kades virou alvo de denúncia por “insubordinação” na Corregedoria e a discussão passou a ser investigada. Quando os áudios vieram à tona, foi a vez de Adriano ser acusado.

Em menos de 24 horas, dois pedidos de investigação contra o delegado-geral foram registrados no Ministério Público. O primeiro, um pedido de investigação sobre a ligação do chefe da instituição com o jogo do bicho e o segundo, o afastamento dele do cargo.

Além disso, uma ala da polícia critica ações da Operação Deu Zebra, que classificam como “enxugar gelo” contra o jogo do bicho, já que não investigam quem lidera a jogatina e ainda retiram efetivo das unidades que deveriam estar à frente de investigações de outros crimes, como roubos, homicídios e furtos.

Nos siga no Google Notícias