ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUARTA  21    CAMPO GRANDE 25º

Capital

Júri de autores de triplo homicídio no Jardim Sumatra é cancelado

Julgamento foi cancelado a pedido da Defensoria Pública de Mato Grosso do Sul e foi acatado pelo juiz

Ana Paula Chuva e Bruna Marques | 28/09/2022 13:01
Simei e Josiane foram presos quatro meses depois pelo triplo homicídio. (Foto: Reprodução)
Simei e Josiane foram presos quatro meses depois pelo triplo homicídio. (Foto: Reprodução)

Foi cancelado o julgamento de Simei Fonseca de Araújo e Josiane Nunes Conceição, acusados de serem os autores do triplo homicídio na madrugada do dia 31 de outubro de 2020, na Rua Augusta Rossini Guidi, no Jardim Sumatra, em Campo Grande. Ambos estão presos e sentariam no banco dos réus da 2ª Vara do Tribunal do Júri nesta quarta-feira (28).

O julgamento foi cancelado a pedido da Defensoria Pública de Mato Grosso do Sul. Conforme a decisão assinada pelo juiz Aluizio Pereira dos Santos, o defensor público, Rodrigo Antônio Stochiero Silva, alegou que recebeu na tarde do dia 19 de setembro deste ano informações da operadora de telefonia que precisam ser analisadas e “são essenciais para o esclarecimento do fato”.

Com isso, a sessão de julgamento de hoje acabou sendo anulada e ainda não tem nova data. Os dois acusados seriam julgados pela morte de Marco Antônio Cavalcante, 36 anos, Weslley da Silva Rodrigues Alves, 20 e Alex Vilhagra Ifran, 24, assim como pela tentativa de homicídio de uma mulher que conseguiu fugir.

Simei e Josiane foram presos quatro meses depois e um terceiro suspeito chegou a ser identificado e o rapaz de 22 anos responde em liberdade pelo crime. A motivação do execução tripla foi vingar a morte de Luiz André Alves Vitório, 32 anos, em agosto de 2020, no Bairro Campo Nobre e o alvo seria apenas Marco Antonio.

Duas das três vítimas caídas no local onde execução aconteceu. (Foto: Direto das Ruas | Arquivo)
Duas das três vítimas caídas no local onde execução aconteceu. (Foto: Direto das Ruas | Arquivo)

O caso - A jovem que sobreviveu contou à polícia que só não foi morta porque a arma de um dos atiradores falhou. Testemunhas relataram que o crime foi cometido por um grupo, composto por três homens e uma mulher, que chegou ao local fortemente armado em um carro parecido com um Renault Sandero.

Os atiradores gritaram para que Marco Antônio saísse do carro e não foram atendidos, momento em que abriram fogo e executaram a vítima com vários disparos na cabeça. Em seguida os outros dois rapazes também foram mortos com tiros de calibres .40 e 12.

A investigação apontou que o crime foi cometido para vingar a morte de Luiz André e que apenas Marcos Antônio seria o alvo dos atiradores. Os outros dois rapazes morreram porque estavam no local.

Nos siga no Google Notícias