ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, QUINTA  24    CAMPO GRANDE 23º

Capital

Laudo aponta falhas de acessibilidade e deputado vai ao MPE contra cinemas

Por Fabiano Arruda | 14/03/2012 12:34
Documento aponta que ângulo de visão para cadeirantes, na primeira fileira, é irregular. (Foto: Divulgação/laudo Crea)
Documento aponta que ângulo de visão para cadeirantes, na primeira fileira, é irregular. (Foto: Divulgação/laudo Crea)

O deputado Paulo Duarte (PT) afirmou, durante sessão desta quarta-feira na Assembleia Legislativa, que vai recorrer ao MPE (Ministério Público Estadual) contra dois dos principais cinemas de Campo Grande por irregularidades na acessibilidade.

O parlamentar recebeu laudo do Crea/MS (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia) que apontou falhas no Cinépolis, recém-inaugurado no Shopping Norte e Sul Plaza.

A principal irregularidade é a falta de rampas para que pessoas com deficiência de locomoção assistam os filmes. A alternativa para os cadeirantes é se sentar na primeira fileira das salas, já que a ausência de rampas e cadeiras adequadas não permite que eles utilizem assentos na parte superior da sala.

“A pessoa tem que ficar com o pescoço torto e olhando para cima. É constrangedor”, disse Duarte, acrescentando que o problema também é encontrado no Cinemark.

“Eles (portadores de necessidades especiais) pagam o mesmo valor do ingresso que eu e têm que passar por isso”, completou.

É com base no laudo do Crea que o parlamentar avisou que irá recorrer ao MPE para cobrar providências. “Se preciso feche os cinemas até cumprir as adequações”, criticou.

O laudo foi elaborado em visita do conselho, juntamente com o Corpo de Bombeiros, no dia 26 de janeiro último. “Os assentos reservados não estão em conformidade com as normas vigentes”, diz um trecho do documento.

Paulo Duarte ocupou tribuna da Assembleia Legislativa nesta quarta para cobrar providências. (Foto: Divulgação)
Paulo Duarte ocupou tribuna da Assembleia Legislativa nesta quarta para cobrar providências. (Foto: Divulgação)

Outra parte constata que “as medidas e ângulo de visão ideais para visibilidade adequada conforme legislação vigente e normas técnicas, bem como distância da tela às poltronas” também não estão em conformidade com a legislação nas salas.

A circulação interna das salas para as saídas de emergência e inconformidade nos corrimãos e na sinalização dos degraus e rampas das salas de exibição, além da falta de identificação e sinalização das possibilidades de saída também são inadequadas, aponta o texto.

Ainda conforme o laudo há outras falhas no cinema na área de sanitários, como a inconformidade na distância do eixo do vaso sanitário a barra da parede lateral, além de não haver itens como bebedouro acessível e identificação em braile para atendimento de pessoas com deficiência visual.

Em ocasiões anteriores, as administrações, tanto do Cinépolis, quanto do Cinemark, afirmaram que se preocuparam com as exigências da legislação sobre acessibilidade ao construírem os prédios.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário